Aumentou recurso a urgências privadas e consultas com farmacêutico desde 2013

| País

As consultas com médico de família aumentaram e as idas a urgências de hospitais públicos diminuíram, mas em contrapartida mais do que duplicou o número de pessoas que recorreram a hospitais privados e a farmacêuticos, desde 2013.

As conclusões constam de um estudo encomendado pelo Ministério da Saúde à Universidade Nova, coordenado pelo economista Pita Barros, denominado "Políticas Públicas na Saúde: 2011-2015 Avaliação do Impacto", e que foi hoje apresentado publicamente.

No âmbito do acesso à saúde, quando questionados sobre a forma de auxílio procurada pelos utentes quando se sentiram doentes, o estudo revelou que entre 2013 e 2015 diminuíram as idas a consultas sem marcação no centro de saúde ou a uma urgência de um hospital público, de 46,15% para 38,51% e de 40,29% para 36,79%, respetivamente.

Estes indicadores foram bastante salientados pelo coordenador do estudo, Pita Barros, que os contrapôs com o aumento das consultas marcadas com médico de família -- de 15,48% para 29,24% - considerando-os bastante positivos e reveladores de que as taxas moderadoras não impedem o acesso à saúde, mas efetivamente moderam, evitando recurso a serviços urgentes de casos não urgentes.

Da mesma forma foi destacada a descida verificada no recurso a consultórios privados (de 5,52% para 3,76%).

No entanto, o mesmo item da avaliação revela um aumento da procura de "consulta de urgência de um hospital privado" -- de 2,09% para 5,02% - e do número de respondentes que afirmaram ter consultado um farmacêutico quando se sentiram doentes -- de 0,39% para 4,89% - aspetos a que o economista não se referiu.

No final da apresentação do estudo, das perguntas do público chegou a questão sobre o "número subtil mas muito significativo de 5% que passaram a consultar o farmacêutico": por que deixaram estas pessoas de ir ao médico e passaram a ir ao farmacêutico?

"Não tenho explicação para aquele número incompleto, temos mesmo que confirmar se é aquilo", respondeu Pita Barros, justificando não ter feito o seguimento das pessoas e não ter referido o número por só ter aparecido em 2015.

Para o ministro da Saúde, Paulo Macedo, "o farmacêutico pode ter um papel importante relativamente à adesão terapêutica e ao aconselhamento relativamente aos medicamentos".

O ministro considera positivo o aconselhamento com o farmacêutico, numa lógica de proximidade, desde que seja na sua área de especialidade.

Quanto ao aumento da procura de urgências privadas, o ministro explicou-o com o facto de as pessoas procurarem sempre maior comodidade e de quererem "ter todos os serviços e todos os exames de uma vez só".

"O que se vai fazer a um serviço de atendimento de um hospital privado é muito diferente do que se vai fazer a uma urgência médico-cirúrgica ou polivalente", afirmou, considerando, por isso, que os serviços não são comparáveis, desde logo porque não dispõe de um "serviço de 24 horas com as mesmas características, com o mesmo tipo de especialidades e com o mesmo tipo de apoio".

No cômputo geral, a avaliação dos últimos quatro anos de políticas de saúde é positiva, revelando que o acesso a cuidados de saúde melhorou, embora não tenha atingido os 100% na cobertura da população por médicos de família, e que as assimetrias regionais diminuíram no acesso a cuidados de saúde primários.

Paulo Macedo lembrou que ainda assim aumentou o número de utentes com médico de família e sublinhou que para um milhão de portugueses sem médico atribuído existem dois milhões que têm e não o usam, considerando que é unânime a necessidade de resolver este problema, "a questão é a forma de o fazer".

Quanto a barreiras no acesso à saúde, o estudo indica que o preço dos medicamentos continua a representar o maior entrave -- recomendando "olhar com mais cuidados para as comparticipações" -- e que estas barreiras continuam concentradas sobretudo nos desempregados e nos reformados.

O ministro sublinhou o esforço que foi concentrado nestes quatro anos em baixar o preço dos medicamentos (quer genéricos quer de marca).

No entanto, esta continua a ser uma das principais barreiras, o que Paulo Macedo explica com as "condições económicas e sociais adversas" acrescidas do facto de o consumo de medicamentos não ter diminuído, pelo que se não tivesse havido baixa de preços, "o acesso à saúde teria sido muito mais difícil".

Tópicos:

Pita Barros,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.