Fogos: ajuda internacional a caminho e ordenamento como prioridade

| País
Fogos: ajuda internacional a caminho e ordenamento como prioridade

A ver: Fogos: ajuda internacional a caminho e ordenamento como prioridade

No Jornal 2 a ministra da administração interna fala da ajuda internacional de emergência, Paulo Cafôfo da situação no Funchal e os professores Rio Fernandes e Bento Gonçalves das estratégias para ordenar o espaço florestal.

Portugal fez um pedido de ajuda internacional e vai ter já amanhã a operar 2 aviões Canadair de Marrocos e um terceiro vindo de Itália.

O país está também a aguardar resposta da Rússia que deverá enviar um avião pesado Beriev, um dos maores do mundo especializados a combater incêndios florestais.

A Ministra da Administração interna confirma a ajuda internacional que pode também contar com reforços aéreos a partir da vizinha região espanhola da Galiza.

Há, neste momento cerca de 200 fogos ativos em Portugal, que mobilizam quase 4800 homens.

O fogo já matou quatro pessoas. Uma no continente, três na Madeira.

No Jornal 2, o autarca do Funchal, Paulo Cafôfo, faz a atualização em direto do momento que se vive na capital da Região Autónoma da Madeira e conversa sobre a reconstrução e a obrigatoriedade de reordenamento dos espaços urbanos e florestais nesta cidade mártir.

João Fernando Ramos tem ainda tempo para refletir com os especialistas Rio Fernandes, da Universidade do Porto, e Bento Gonçalves, da Universidade do Minho sobre o ordenamento florestal que falta ao país, e a necessidade de se apostar mais na prevenção dos fogos do que no seu combate.

O desafio político sobre esta situação foi esta quarta feira deixado pelo Presidente da república que visitou áreas ardidas quer no continente, quer na Madeira.

À prevenção o país reserva para ações todo o ano, vinte milhões de euros. O dispositivo de combate, para atuar nos quatro meses de verão, consome mais de 14 milhões de euros do Orçamento do Estado do ano corrente.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.