Marcelo preocupado com uso dos militares pela política

| País
Marcelo preocupado com uso dos militares pela política

A ver: Marcelo preocupado com uso dos militares pela política

Foto: Miguel A. Lopes - Lusa

Nas comemorações do centenário do Armistício da I Guerra Mundial, este domingo, o Presidente da República avisou que não será tolerado o uso das Forças Armadas em "jogos de poder".

"Não toleraremos que se repita o uso das Forças Armadas ao serviço de interesses pessoais ou de grupo de jogos de poder, enquanto soldados se batiam como hoje se batem todos os dias no centro de África, no norte, no leste e sul da Europa, no Golfo da Guiné, pela pátria e pela humanidade", afirmou o Chefe de Estado.

Convicto da necessidade de aprender com o passado, Marcelo Rebelo de Sousa evocou os mais de 111 mil "heróis" portugueses que, em África e na Europa, "lutaram pela compreensão contra o ódio, a liberdade contra a opressão, a justiça contra a iniquidade, a Europa aberta contra a Europa fechada, o mundo solidário contra o mundo dos egoísmos, das xenofobias e das exclusões".

O Presidente sustentou ainda que "hoje mais do que nunca" é preciso "afirmar os valores" que identificam o país "como nação na relação fraterna com as nações aliadas e amigas", o primeiro dos quais "é a dignidade da pessoa humana".

"Hoje mais do que nunca queremos celebrar as Forças Armadas. Sem vós, militares de Portugal, sem o vosso prestígio, sem o respeito e admiração pela vossa missão insubstituível não há liberdade, nem segurança, nem democracia, nem paz que possam vingar", salientou.



Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Apresentamos aqui o perfil dos cabeças de lista e cinco prioridades de ação por partido para o Parlamento Europeu.

    Debates, perfis, notícias da campanha. Toda a informação sobre as Eleições Europeias de 2019, que se realizam a 26 de maio.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Opinião de Germano Almeida, analista de Política Internacional.