Procuradora diz que há casos de enriquecimento ilícito

| País

"Não tenho nada conta a riqueza, que aliás é necessária. Mas esta é uma riqueza má porque é feita através do erário público"
|

A directora do Departamento de Investigação Penal de Lisboa (DIAP) diz que há casos de enriquecimento ilícito e Portugal. Em entrevista ao jornal Sol, Maria José Morgado revela que existem "políticos pobres que ao fim de uns anos estão milionários".

"Os titulares de cargos políticos e os funcionários camarários metem-se nos negócios sujos porque querem enriquecer rapidamente", afirmou a magistrada.

Maria José Morgado considera que o financiamento das campanhas partidárias é "um mito" e que "não podemos justificar todos os atentados urbanísticos com o financiamento dos partidos".

"Os partidos são um pretexto, o que não quer dizer que não vá lá parar qualquer coisa", acrescentou a procuradora que defende que "tem de haver transparência e intransigência ao nível das campanhas" eleitorais.

"Quando, por exemplo, um empreiteiro cede um edifício para a sede de uma campanha: pela dinâmica natural das coisas, se o partido ganhar irá promover adjudicações ou licenciamentos", exemplificou a directora do Departamento de Investigação Penal de Lisboa.

Maria José Morgado defende uma lei contra o enriquecimento ilícito porque "permitiria a repressão penal de titulares de cargos políticos que quando iniciaram funções eram pobres e ao fim de uns anos estão milionários".

"Não tenho nada conta a riqueza, que aliás é necessária. Mas esta é uma riqueza má porque é feita através do erário público", sublinhou.

 


Tópicos:

DIAP, Maria José Morgado,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.