Segunda-feira negra de incêndios em Portugal

| País

As chamas espalham-se ao longo de uma estrada em A-dos Ferreiros a 8 de agosto de 2016
|

A Protecção Civil está preocupada com várias situações de incêndios, todos a norte de Portugal continental. Além de Águeda e de Gouveia, as chamas preocupam em Arcos de Valdevez, Nelas e Vila Nova de Cerveira e vão necessitar do maior número de meios.

José Manuel Moura, comandante operacional nacional da Proteção Civil disse que, até às 20h25, se tinham registado 310 incêndios florestais. O pior dia do ano mantinha-se domingo dia 7, com 455 fogos registados.

Incêndios ativos a essa hora eram 66, 55 dos quais iniciados esta segunda-feira e 11 de domingo, que envolviam 3.024 bombeiros e 907 meios.


Em Águeda, a maior frente de todas aproximava-se da Serra do Caramulo.

Gil Nadais, presidente da Câmara de Águeda afirmou durante a tarde que o fogo estava a avançar com "uma intensidade brutal".

Referiu depois ao telejornal que uma enorme frente de fogo, de uma extensão ainda por calcular, iria dar muitas preocupações.

"Isto está péssimo e eu só tenho conhecimento de uma frente. Temos uma frente na serra que há meia hora estava brutal" afirmou Gil Nadais à Lusa, admitindo que o incêndio pudesse prolongar-se durante a noite e madrugada.

Este fogo, que deflagrou às 04:09 em Préstimo, Águeda, já obrigou a evacuar um lar de idosos e destruiu um armazém de materiais de construção no lugar de A-dos-Ferreiros.

Segundo a ANPC, o incêndio, que se desenvolveu em quatro frentes, está a ser combatido por 238 homens, 75 viaturas e dois meios aéreos.

Foi já decretado o estado de emergência municipal em Águeda.

O distrito de Viseu registava ao fim da tarde quatro incêndios de grandes dimensões - com o de Nelas a envolver 114 operacionais - e Viseu dois - com Águeda a envolver 238 operacionais e Arouca 265.

Neste último concelho, as quatro frentes ativas acabaram por ser controladas ao fim da tarde com uma perspetiva de três a quatro horas para consolidar e fazer trabalhos de rescaldo. 

Na Madeira, um incêndio declarou-se ao fim da tarde e rapidamente assumiu proporções preocupantes, ameaçando casas.

Ter-se-á tratado de fogo posto, apontam os indícios recolhidos. A investigação foi entregue à polícia judiciária.

O vento arrastou as chamas para uma zona industrial onde estas assumiram proporções devastadoras.

GNR reforça vigilância
A GNR anunciou o reforço do patrulhamento das florestas em todo o país e apela à população para colaborar na prevenção e na vigilância.

Numa nota de imprensa, a GNR lembra que "as atividades humanas, negligentes ou dolosas, constituem as principais causas dos incêndios florestais em Portugal".

A GNR apela a "todas as pessoas" para que ajudem na prevenção e vigilância, "abstendo-se de praticarem atividades consideradas de risco, como a realização de fogo junto a áreas florestais", ou "fornecendo informações aos militares" sobre ações que possam conduzir a incêndios.

Desde o início do ano já foram detidas sete pessoas por suspeita de atearem fogos, afirma a corporação.
Sem tréguas em Gouveia
As chamas avançaram sem dar tréguas em Gouveia. A reportagem da RTP teve de fugir perante o avanço incontrolável das chamas. Em Rio Torto, várias casas foram ameaçadas.

O vento e as altas temperaturas empurraram as chamas ao longo da floresta. Na zona onde estava a RTP, junto à estrada nacional 17, não se viam bombeiros.

Só ao fim da tarde foi possível descansar um pouco. O presidente da Câmara de Gouveia reconheceu que faltaram bombeiros para tantas frentes ativas no concelho.

O Presidente da Liga de Bombeiros, Jaime Marta Soares, não poupa críticas à tutela, sobretuido devido à falta de planeamento florestal.

Em Silves, um grande incêndio, combatido por todas as corporações do Algarve, está a consumir sobretudo mato e eucaliptos.

A recolha dos meios aéreos devido à noite irá obrigar os bombeiros a um trabalho mais intenso para dominar as chamas. Nenhuma casa foi atingida pelas chamas mas 16 pessoas tiveram de ser retiradas de povoados no meio da Serra.

Espinho raciona água
O incêndio que lavrou em Gondomar atingiu hoje a Estação de Tratamento de Água (ETA) de Lever, em Gaia, que abastece a região do Grande Porto, levando a que, pelo menos, Espinho já tenha recomendado racionamento de água.

Numa nota de imprensa sob o título de "Alerta à população", a Câmara Municipal de Espinho informa "a população que deverá fazer um racionamento/contenção do consumo de água da rede pública nos próximos dias", admitindo a Águas do Norte, segundo a autarquia, que "possa haver cortes ou redução do caudal no fornecimento público de água até que o equipamento atingido pelo fogo seja reparado".
Plano de emergência em Barcelos
 A Câmara de Barcelos admitiu hoje que poderá decretar o acionamento do Plano Municipal de Emergência, face aos incêndios que fustigam a zona norte do concelho.

Em comunicado, a Câmara refere que foi convocada para terça-feira uma reunião da Comissão Municipal de Proteção Civil, para avaliar a situação dos incêndios e definir a adoção das medidas tendentes a minimizar os seus impactos.

"O encontro permitirá aferir a necessidade de decretar o acionamento do Plano Municipal de Emergência", acrescenta o comunicado.

Um incêndio florestal que deflagrou pelas 14h58 de domingo em Tamel Santa Leocádia, em Barcelos, já se propagou a várias outras freguesias, continuando com três frentes ativas.

O 2.º comandante operacional distrital de Braga, Vítor Azevedo, disse à Lusa que o incêndio "está a evoluir muito favoravelmente" e que as "perspectivas são muito animadoras, havendo apenas duas frentes pequenas ativas nas freguesias de Parelhal e Palme.
Arcos de Valdevez aciona plano de emergência
A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez acionou na noite desta segunda-feira o plano Municipal de Emergência devido à gravidade do incêndio que tem assolado a região, disse à Lusa Olegário Gonçalves, vereador da Proteção Civil.

No Parque Nacional Peneda-Gerês foi evacuado um hotel e os habitantes da pequena aldeia de Vilar de Suente, no Soajo, foram abrigados dentro de uma capela para se abrigarem das chamas e depois serem recolocados num lugar seguro.

A autarquia de Arcos de Valdevez explicou também que se trata de população muito idosa a que vive no pequeno local e revelou que um bombeiro ficou ferido na luta contra as chamas na Gavieira.

Localizado em Viana do Castelo, as frentes mais perigosas e que colocam maiores obstáculos aos bombeiros são as de Selim, na freguesia de Couto, e a propagação das chamas para uma localidade chamada Cabana Maior.


Com Lusa

Tópicos:

Bombeiros, Águeda, Incêndios,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.