Lula "não me veio meter nenhuma cunha", afirma Passos

| Política
Lula não me veio meter nenhuma cunha, afirma Passos

A ver: Lula "não me veio meter nenhuma cunha", afirma Passos

Pedro Passos Coelho garantiu esta segunda-feira que Lula da Silva não tentou "meter nenhuma cunha" a favor da Odebrecht ou de outra empresa brasileira.

"O ex-presidente Lula da Silva não me veio meter nenhuma cunha para nenhuma empresa brasileira", começou por dizer o primeiro-ministro.

"Para ser uma coisa que toda a gente perceba direitinho, é assim. Não me veio dizer: há aqui uma empresa que eu gostava que o senhor, se pudesse, desse ali um jeitinho. Isso não aconteceu. E nem aconteceria, estou eu convencido, nem da parte dele, nem da minha parte", continuou Passos Coelho.

Esta é a resposta do primeiro-ministro à informação divulgada pela imprensa brasileira. O jornal O Globo revelou o teor de um telegrama em que o ex-Presidente do Brasil teria pedido a Pedro Passos Coelho para que este desse atenção aos interesses da Odebrecht na privatização da Empresa-Geral de Fomento.

Lula da Silva está a ser investigado por alegado favorecimento à construtora Odebrecht em negócios em Portugal e em Cuba. A empresa encontra-se envolvida na operação Lava Jato, que investiga eventuais desvios de dinheiro da Petrobrás, a gigantesca multinacional do setor energético e que é controlada pelo Estado brasileiro.

Em resposta aos jornalistas, no final de uma conferência, num hotel de Lisboa, o chefe do executivo adiantou que não recebeu nenhum pedido de informações das autoridades judiciais brasileiras sobre este assunto.

"Não, nenhum", garantiu o primeiro-ministro.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.