Cláudia Cardoso

A escuridão da guerra

A guerra é sempre a mais absurda das soluções. Neste momento em que ela estala e se ouvem nos noticiários as sirenes, mas quem vive na Terceira vê passar os caças também, o perigo é real. E é precisa lucidez. Não se trata de perceber se uma guerra ideológica, fracionária, truculenta. O que importa verdadeiramente perceber que há assuntos em que o mundo não é uma arena dogmática na qual se confrontam esquerda e direita, capitalismo e comunismo, ou outras dicotomias tão propaladas pelo antro da boçalidade imediata em que se transformou o facebook. O que verdadeiramente aqui importa e está em causa é a defesa da liberdade. Do mundo livre como o conhecemos contra a barbárie. Duma Europa posta em sossego contra uma invasão injustificada. Da usurpação ditatorial sobre a liberdade. Do uso irracional e abusiva da força. Por pior que seja a democracia, por mais defeitos que lhe saibamos aquilatar, a guerra não é nunca, em caso algum, uma solução, mas uma resposta brejeira, sem escrúpulos, à decência, à liberdade, à democracia. Não importa aqui esgrimir, como se compreende ao passar os olhos pelos tweets se a esquerda é melhor do que a direita, ou se é o contrário que se verifica. Na dualidade dos argumentos, quase todos falhados, o mundo estremece com os bombardeamentos russos. O Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos autoriza os norte-americanos a utilizarem a base das Lajes, para operações militares no âmbito da NATO. No Acordo Técnico, assinado em Junho de 1995 pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, Durão Barroso, e o secretário de Estado Warren Christopher, Portugal autorizou ainda "o trânsito de aviões militares dos Estados Unidos da América pela Base Aérea n.º 4 ou pelo espaço aéreo dos Açores em missões não previstas na alínea anterior e efetuadas no quadro do Tratado do Atlântico Norte". Não estamos, portanto, perante uma guerra que eclode lá ao longe e à qual somos alheios. O bater das asas da borboleta já anuncia as primeiras rajadas dum longo e duro temporal.

claudia.cardoso9@gmail.com