Luiz Fagundes Duarte

Carta de um homem que não quer ser avaliado

Carta de um homemque não quer ser avaliado Carta de um homemque não quer ser avaliado
Crónica                                                       (11)
Luiz Fagundes Duarte




Tenho recebido centenas de cartas de professores de todo o país que brafamam contra o modelo de avaliação do desempenho adoptado pelo governo. Estas cartas são preferencialmente dirigidas aos deputados do Partido Socialista que são professores, e o seu objectivo é pressionar-nos no sentido de votarmos de acordo com aquilo que eles acham que é a nossa consciência – e que deve coincidir com os interesses deles. Esta maneira de encarar o Parlamento – como se fosse uma Câmara Corporativa –, aliada aos métodos utilizados pelos signatários das cartas para pressionarem os deputados a votarem de acordo com os interesses de uma classe profissional, fazem lembrar o pior do que se passou no fascismo em matéria de direitos, liberdades e garantias.
    Acresce que, sendo muitas destas cartas reproduções fiéis de dois modelos preparados por determinadas instituições e enviados para os professores com instruções para as reenviarem para os deputados – de que juntavam os nomes, círculos eleitorais e endereços de correio electrónico –, o que já de si é preocupante (fazendo-me crer numa coisa em que não quereria crer: que alguns professores, para protestar, precisam que alguém lhes faça o ditado), outras há que são pura criação de alguns mais acelerados.
    Uma vez que o meu correio electrónico é público, e que portanto é público tudo aquilo que para ele é enviado, transcrevo aqui uma carta deste último tipo (respeitando a sintaxe, a ortografia e as maiúsculas do original, bem como a evidente ignorância do seu signatário acerca do que estava em causa na votação a que se refere):

“Espero que Vxa Exº chumbe hoje no parlamento a MERDA do Estatudo da Carreia Docente, PARIDA pelo vosso primeiro ministro, que não passa de um PSICOPATA MENTIROSO.
Muitas centenas de milhares de portugueses irão vontar CONTRA O PS devido a este facto, vocês incendiaram o ENSINO vão PAGAR CARO por este erro ESTUPIDO.
O meu VOTO nas proximas eleições será CONTRA A POLITICA DE MENTIRAS, INCOMPENTICA, ASSASSINOS DE BEBES NAS BARRIGAS DA MÃES PORTUGUESAS, COMPADRIO ETC, OU SEJA CONTRA O PS.
Bom dia e espero que tenha outro TACHO à mão pois os dias do PS no governo estão contados.
Com os meus Cumprimentos.
Luis Martins.”

    Que fique bem claro: os insultos contidos nesta carta não me preocupam, pois 30 anos de professor, e mais de nove como deputado, conferiram-me a capacidade necessária para lidar com todo o tipo de pessoas.
O que me preocupa é que, algures no nosso país, este homem anda a ser professor de crianças ou adolescentes.
E, como se compreende, não quer ser avaliado.