Ouvir
Passeios Sinfónicos
Em Direto
Passeios Sinfónicos Jorge Costa Pinto

Argumentos de Óperas, Obra


Rusalka

Ópera em três atos

Libreto Jaroslav Kvapil

Estreia Praga em 31 de março de 1901

AntecedentesSereias, Ondinas e Rusalkas

As sereias figuram em lendas folclóricas de toda a Europa: belas mulheres com caudas de peixe, sempre fascinantes, e algumas vezes perigosas. Os ingleses chamavam-nas sereias; os alemães ondinas. Para os povos eslavos da Europa central e ocidental, elas são as rusalkas.

No folclore eslavo as rusalkas são espíritos, e não criaturas mágicas. Quando uma criança pagã morria afogada, ou uma virgem se atirava a um lago, elas tornavam-se em rusalkas, assombrando para sempre aquelas águas. De acordo com as diferentes regiões, as rusalkas tomavam diferentes formas. No Rio Danúbio, elas eram jovens e belas, com vozes apaixonantes. No norte da Rússia, eram criaturas poderosas e feias. Já na Boémia de Dvořák, as rusalkas eram espíritos melancólicos que residiam em lagoas profundas no meio dos bosques, chamadas de tunkas.

Em algumas ocasiões, as rusalkas saiam da água e viajavam para terra. A lenda conta que todos os meses de Junho, as rusalkas saiam dos lagos e subiam às árvores durante uma semana inteira. À noite, elas desciam para cantar e dançar à luz da lua - e todo homem que se aproximasse deveria dançar até a morte. Quando as rusalkas desapareciam, deixavam um rasto de erva verde que crescia na terra que elas pisavam.

Durante o século XIX, as sereias tornaram-se personagens comuns na literatura, teatro e até na ópera. Em Undine (1811) de Friedrich de la Motte Fouqué, um espírito da água casa-se com um cavaleiro. Mas o espírito regressa à água depois do cavaleiro se apaixonar por uma mulher humana. Quando ele volta para Undine, ela mata-o com um beijo fatal. Undine era um conto infantil popular no século XIX e foi adaptado para a ópera por ETA Hoffman, autor da história original de O Quebra-Nozes.

Na fábula A Pequena Sereia (1837), de Hans Christian Andersen, uma sereia apaixona-se por um príncipe. Ela sonha em tornar-se mortal para poder casar-se com ele. Uma bruxa do mar oferece-lhe então a possibilidade de trocar a sua bela voz por pernas humanas. Mas impõe uma condição: se o príncipe trair a Pequena Sereia, ela dissolve-se como a espuma das ondas. A Sereia e o Príncipe apaixonam-se à primeira vista, mas como ela não pode falar, ele abandona-a por uma princesa humana. A única maneira que a sereia tem de se redimir e regressar à água é matando o príncipe, caso contrário, ela morrerá. Ela escolhe a morte. A sua bondade é recompensada quando ela se torna uma filha do ar, um espírito que ajuda a humanidade.


A Rusalka de Kvapil

O dramaturgo checo Jarolav Kvapil baseou-se nestas histórias para criar sua própria lenda, Rusalka.

"A minha inspiração veio da terra de Andersen, da ilha de Bornholm, onde passei o verão. As fábulas de Karel Jaromír Erben e Božena Nìmcová acompanharam-me ao litoral e lá, elas fundiram-se com uma das fábulas de Andersen, com o amor pelos meus dias de criança, e com o ritmo das baladas de Erben, a mais bela das baladas checas", escreveu o autor.

Kvapil transformou o enredo de Andersen num conto-de-fadas checo. A Pequena Sereia transforma-se em Rusalka. O nome da bruxa do mar, Ježibaba, é oriundo da tradução checa do drama O Sino Submerso, de Gerhardt Hauptmann, que tem uma temática semelhante. O climático beijo de morte na ópera foi extraído de Undine. Kvapil conseguiu reunir todos estes elementos num único libreto charmoso e efectivo. Mas, apesar da atmosfera única de Rusalka e da sua poesia cativante, os primeiros quatro compositores a quem Kvapil ofereceu o seu libreto recusaram-no.


Dvořák e Rusalka

Em 1900, Dvořák era um compositor importante e respeitado, mas as suas óperas não conseguiam rivalizar com o sucesso das suas obras orquestrais. Algumas das suas primeiras óperas soavam a uma espécie de "Wagner requentado", outras simplesmente careciam de um bom libreto. Mas Dvořák nunca desistiu de tentar conquistar o seu espaço no mundo da ópera. Eventualmente, o seu esforço começou por vingar em óperas como Dmitrij (1882) e O Diabo e Catarina (1898-90). "Nestes últimos cinco anos, só tenho escrito óperas. Quero dedicar todas as minhas forças, enquanto Deus me der saúde, à criação de óperas. Não por um desejo vão de glória, mas porque considero a ópera a forma mais apropriada para esta nação", declarou Dvořák numa entrevista em 1904.

Quando Dvořák leu Rusalka de Kvapil, apaixonou-se imediatamente. Kvapil tinha escrito o seu libreto ao estilo da Antologia de Lendas Nativas de K.J. Erben, e Dvořák já havia escrito uma série de poemas sinfónicos baseados nas histórias grandiosas e horripilantes de Erben. Mas a atracção de Dvořák por Rusalka ia para além da questão estilística do libreto. De acordo com a crença popular em Nelahozeves, a sua cidade natal, Rusalka foi inspirada parcialmente pelas lembranças da infância do compositor das festas de um conde da região, onde aristocratas se vestiam como ninfas e o caseiro vestia-se de Senhor (Duende) das Águas. O bosque em Rusalka também atiçou o profundo amor de Dvořák pela natureza. No bosque próximo da sua amada casa de verão, Vysoká, havia uma tunka isolada. Dvořák visitava o local frequentemente, onde imaginava a sua heroína a cantar para a lua. Hoje o local é chamado de Lagoa de Rusalka.

Talvez por causa da ligação pessoal de Dvořák à história, Rusalka acabou por se tornar na sua ópera mais bela e refinada. A música misteriosa de Dvořák retrata o mundo melancólico dos espíritos com uma sonoridade encantadora. É sumptuosa, lírica e sensual: música para se deixar perder e para sonhar. Não é difícil compreender o que Janácek escreveu ao ouvir a "Canção ao luar": "Conhece aquela sensação de lhe estarem a tirar as palavras da boca? Da mesma maneira, Dvořák tirou melodias do meu coração".

ResumoI Acto

A acção tem lugar num prado fronteiro às margens de uma lagoa, num tempo de conto de fadas. Rusalka, a ninfa da água, está sentada à beira da lagoa, com ar triste a ouvir as ninfas do bosque a cantarem e a dançarem. O duende Vodník, o Senhor das Águas, pergunta-lhe sobre o seu ar infeliz e ela explica-lhe que se apaixonou por um príncipe humano quando este veio nadar no lago. Agora ela quer tornar-se humana para viver com ele junto da civilização. Horrorizado, Vodník explica-lhe que os humanos são maus e cheios de pecados. Rusalka insiste, replicando que eles são seres cheios de amor para dar; então Vodník diz que ela vai precisar de pedir ajuda à bruxa Ježibaba e depois mergulha no lago entristecido com a súbita paixão de Rusalka. Rusalka pede à lua que conte ao príncipe sobre seu amor.

 

 

Nesse momento chega Ježibaba que concorda em transformar Rusalka numa humana - mas adverte-a que se ela não encontrar o seu amor, Rusalka será amaldiçoada e o homem que ela ama morrerá. Para além disso, ela perderá a sua voz ao tornar-se numa mortal. Rusalka concorda, convencida de que os seus sentimentos pelo príncipe podem quebrar qualquer feitiço, e bebe a poção que Ježibaba lhe entrega. Ao amanhecer, o príncipe chega com um grupo de caça e encontra Rusalka no lago. Mesmo sem poder ouvi-la, ele fica fascinado com a sua beleza e leva-a para seu castelo. No lago, Vodník e as outras ninfas lamentam a perda de Rusalka.


II Acto

No castelo do príncipe, o guarda de caça e o assistente de cozinha comentam sobre o casamento do príncipe e sobre a sua estranha noiva da qual ninguém sabe o nome. O príncipe chega acompanhado de Rusalka. Ele pergunta-se porque é que ela está tão fria com ele, mas continua decidido a conquistá-la.

 

Uma princesa estrangeira, que chegou para o casamento, goza com a mudez de Rusalka e censura o príncipe por ignorar os seus convidados. O príncipe pede a Rusalka que vá preparar-se para o baile e acompanha a princesa até ao castelo para o começo das celebrações.

Entretanto, num jardim, Vodník aparece numa piscina. Rusalka, cada vez mais intimidada com o que se passa à sua volta, foge do castelo a chorar. Subitamente recupera a sua voz, e implora a Vodník que a ajude, dizendo-lhe que o príncipe já não a ama. O príncipe e a princesa chegam ao jardim, e o príncipe confessa que está apaixonado por ela. Quando Rusalka intervém e cai nos seus braços, o príncipe rejeita-a.

Vodník alerta o príncipe sobre seu destino, e depois desaparece na água juntamente com Rusalka. O príncipe pede ajuda à princesa, mas ela ri e diz-lhe para seguir a sua esposa até aos infernos.


III Acto

Rusalka está sentada à beira do lago uma vez mais, lamentando o seu destino. Ježibaba aparece e entrega-lhe uma faca, explicando-lhe que a única maneira de se salvar é matando o príncipe. Rusalka nega-se, lançando a faca ao lago. Depois, rejeitada até por suas irmãs, ela submerge tristemente. O guarda de caça e o assistente de cozinha chegam para pedir ajuda à Ježibaba. O príncipe, dizem, foi enfeitiçado por uma estranha rapariga do bosque, com quem estava para se casar. Enfurecido, Vodník surge das águas, e diz que foi o príncipe quem traiu Rusalka. Aterrorizados pela visão sobrenatural, os dois fogem. Entram as ninfas do bosque, a cantar e a dançar, mas quando Vodník lhes explica o que aconteceu com Rusalka, elas calam-se e desaparecem.

O príncipe, desesperado e quase louco com tantos remorsos, vai ao bosque procurar Rusalka para lhe pedir que regresse. Ela emerge, reprovando-o pela sua infidelidade, e explica-lhe que um beijo dela o mataria. Aceitando seu destino, ele pede que ela lhe devolva sua paz com um beijo. Rusalka consente e o príncipe morre nos seus braços. Rusalka pede perdão para a sua alma e desaparece na água.