Conversa Capital com Alexandre Lourenço

| Conversa Capital
Conversa Capital com Alexandre Lourenço

Foto: Antena1

A Associação dos Administradores Hospitalares deixa ficar o alerta: O regresso à normalidade de funcionamento dos hospitais, em setembro, está comprometido. As 2000 contratações feitas este mês para compensar as alterações das 40 para as 35 horas não chegam e não vêm acompanhadas do respetivo reforço orçamental para os hospitais.


Segundo o presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, não será possível suster os tempos de espera para cirurgias, consultas e meios complementares de diagnóstico, nem tão pouco a dívida a fornecedores. Adianta Alexandre Lourenço que se não forem feitas mais contratações nem reforçado o orçamento para pagar as novas contratações, os hospitais vão continuar a acumular dívidas e atrasos na prestação de cuidados de saúde.

Perante o que tem estado a acontecer, Alexandre Lourenço avalia a política do ministério das Finanças para o sector da saúde com uma só palavra: desastrosa.

Admite que por parte do ministério das Finanças existe "desconfiança" e "preconceito" em relação aos gestores hospitalares. Defende por isso a aplicação do estatuto do gestor público, que está em vigor mas não é aplicado, para que sejam afastados os que não apresentam resultados.

Mais: Para evitar constantes injeções de capital, a Associação dos Administradores Hospitalares considera que os hospitais que não cumprem devem ficar sujeitos a uma espécie de "programa de ajustamento". Alexandre Lourenço estima que sejam cerca de 12 os hospitais problemáticos, com custos operacionais muito abaixo dos rendimentos e por isso a precisar de uma intervenção específica.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Alexandre Lourenço a Rosário Lira (Antena1) e João D’Espiney (Jornal de Negócios):


A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.