Conversa Capital com Alexandre Lourenço

| Conversa Capital
Conversa Capital com Alexandre Lourenço

Foto: Antena1

A Associação dos Administradores Hospitalares deixa ficar o alerta: O regresso à normalidade de funcionamento dos hospitais, em setembro, está comprometido. As 2000 contratações feitas este mês para compensar as alterações das 40 para as 35 horas não chegam e não vêm acompanhadas do respetivo reforço orçamental para os hospitais.


Segundo o presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, não será possível suster os tempos de espera para cirurgias, consultas e meios complementares de diagnóstico, nem tão pouco a dívida a fornecedores. Adianta Alexandre Lourenço que se não forem feitas mais contratações nem reforçado o orçamento para pagar as novas contratações, os hospitais vão continuar a acumular dívidas e atrasos na prestação de cuidados de saúde.

Perante o que tem estado a acontecer, Alexandre Lourenço avalia a política do ministério das Finanças para o sector da saúde com uma só palavra: desastrosa.

Admite que por parte do ministério das Finanças existe "desconfiança" e "preconceito" em relação aos gestores hospitalares. Defende por isso a aplicação do estatuto do gestor público, que está em vigor mas não é aplicado, para que sejam afastados os que não apresentam resultados.

Mais: Para evitar constantes injeções de capital, a Associação dos Administradores Hospitalares considera que os hospitais que não cumprem devem ficar sujeitos a uma espécie de "programa de ajustamento". Alexandre Lourenço estima que sejam cerca de 12 os hospitais problemáticos, com custos operacionais muito abaixo dos rendimentos e por isso a precisar de uma intervenção específica.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Alexandre Lourenço a Rosário Lira (Antena1) e João D’Espiney (Jornal de Negócios):


A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.