"A Metamorfose dos Pássaros" de Catarina Vasconcelos estreia-se no festival de Berlim

por Lusa

O filme "A Metamorfose dos Pássaros", de Catarina Vasconcelos, vai fazer a sua estreia mundial no Festival de Cinema de Berlim, anunciou hoje a organização da mostra, que revelou o programa da recém-criada secção competitiva Encontros.

Com produção da Primeira Idade, o filme está integrado numa secção que tem por objetivo "apoiar novas vozes no cinema e dar mais espaço a narrativas diversas e a formas documentais no programa oficial", atribuindo prémios a melhor filme, melhor realização e uma distinção especial do júri.

"Beatriz e Henrique casaram no dia em que ela fez 21 anos. Henrique, oficial de marinha, passava largas temporadas no mar. Em terra, Beatriz, que aprendeu tudo com a verticalidade das plantas, cuidou das raízes dos seis filhos. O filho mais velho, Jacinto, é meu pai e sonhava poder um dia ser pássaro. Um dia, subitamente, Beatriz morre. A minha mãe não morreu subitamente, mas morreu quando eu tinha 17 anos. Nesse dia, eu e o meu pai encontrámo-nos na perda da mãe e a nossa relação deixou de ser só a de pai e filha", relata a sinopse do filme, enviada à Lusa pela produtora.

O filme "A Metamorfose dos Pássaros" está em produção desde 2015, e foi desenvolvido na oficina Arché do Doclisboa e no programa de escrita Archidoc da escola de cinema francesa La Femis, contando com apoios do Instituto do Cinema e do Audiovisual, da RTP e da Fundação Calouste Gulbenkian.

O elenco inclui Manuel Rosa e João Móra, dois jovens atores em estreia no cinema, Inês Melo Campos, das Sopa de Pedra, para além da própria realizadora e do pai, Henrique Vasconcelos.

José Manuel Mendes, João Pedro Mamede e Cláudia Varejão dão voz à troca de cartas entre os avós da realizadora.

A abrir a secção Encontros vai estar o novo trabalho de Cristi Puiu, intitulado "Malmkrog", que o comunicado da Berlinale descreve como um "`tour de force` de palavras e encenação, um fresco que fascina com precisão e invenção".

"Como resultado de uma pesquisa apaixonada, os 15 títulos escolhidos para [a secção] Encontros apresentam a vitalidade do cinema em todas as suas formas. Cada filme mostra uma forma diferente de interpretar a história cinematográfica: autobiográfica, íntima, política, social, filosófica, épica, surreal. Os filmes adotam o desafio de moldar um mundo, em vez de o reproduzir", afirmou, em comunicado, o diretor artístico da Berlinale, Carlo Chatrian.

A 70.ª edição do Festival de Cinema de Berlim vai decorrer entre 20 de fevereiro e 01 de março, sendo a primeira dirigida pela dupla de Mariette Rissenbeek, como diretora-executiva, e Chatrian, na direção artística.

 

 

Tópicos
pub