Artistas europeus apelam a boicotar Festival da Eurovisão em Israel

| Cultura

|

Cerca de 140 artistas europeus, incluindo vários finalistas do Festival da Eurovisão e o vencedor de 1994, publicaram um apelo ao boicote da edição de 2019, protestando contra o apartheid israelita. Entre os subscritores contam-se vários nomes grandes da música e do cinema português, e o director do Teatro Nacional D. Maria II.

Segundo notícia hoje publicada no diário britânico The Guardian, contam-se entre os subscritores o vencedor irlandês do festival de 1994, Charlie McGettigan, os finalistas finlandeses Kaija Kärkinen e Kyösti Laihi (respectivamente de 1991 e 1988), o actor e dramaturgo italiano Moni Ovadia, e o director do teatro nacional português, Tiago Rodrigues.

O diário britânico refere também o músico australiano Nick Seymour, o coreógrafo belga Alain Platel, o actor dinamarquês Jesper Christensen, o dramaturgo judeu Moni Ovadia, o compositor catalão Lluís Llach, o músico norueguês Moddi, o coro esloveno ŽPZ Kombinat, o actor norte-americano Alia Shawkat, bem como cineasta vencedores do Festival de Cannes (Alain Guiraudie, Ken Loach, Mike Leigh, Eyal Sivan e Aki Kaurismäki).

Um dos artistas sempre empenhados no apoio à causa palestiniana, e que não podia faltar entre os subscritores do apelo, é Roger Waters, antigo membro dos Pink Floyd. Outros nomes são o da cantautora Marthe Valle (vencedora do prémio Spellemannprisen, ou Norwegian Grammy Awards), do dramaturgo Caryl Churchill (duas vezes vencedor do prémio Obie Award), do escritor, realizador e produtor Peter Kosminsky (que venceu em 2016 o British Academy Television Awards Best Drama Series).

O online da RTP teve entretanto acesso aos nomes de alguns dos artistas portugueses que subscrevem o apelo. Além de Tiago Rodrigues, subscrevem-no, nomeadamente, os músicos José Mário Branco, Francisco Fanhais e Chullage, a dramaturga Patrícia Portela, o cineasta António Pedro Vasconcelos e o escritor José Luis Peixoto.

A declaração apela, desde o título, a que ninguém contribua "para o branqueamento das violações dos direitos humanos e da ocupação militar israelitas". Seguidamente, recorda que "a 14 de maio, escassos dias após a vitória de Israel no Festival Eurovisão, o Exército israelita matou 62 manifestantes palestinianos desarmados em Gaza, incluindo seis crianças, e feriu centenas, na sua maioria com armas de fogo".

Os subscritores afirmam categoricamente que "o Festival Eurovisão 2019 deve ser boicotado se for organizado por Israel enquanto este Estado continuar a violar os direitos humanos do povo palestiniano, situação que dura já há décadas".

E criticam o que considera meias tintas da União Europeia de Radiodifusão (EBU), ao exigir que Israel encontrasse um local "não divisivo" para o Festival - ou seja outra cidade que não Jerusalém. Isto porque, acrescentam, "a injustiça divide, enquanto que a busca da dignidade e dos direitos humanos une"

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Os dias estão mais quentes e não é por causa do advento da primavera. A razão está identificada - as alterações climáticas fazem-se sentir em todo o planeta e as consequências espelham-se em fenómenos extremos.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.