Castelo Branco realiza Encontro Internacional de Cidades Criativas da UNESCO

por Lusa

A Câmara Municipal de Castelo Branco promove, em abril de 2023, o Encontro Internacional de Cidades Criativas da UNESCO dedicado aos bordados tradicionais.

Esta iniciativa do município albicastrense decorre no âmbito de uma candidatura à Rede de Cidades Criativas da UNESCO, na categoria Artesanato e Artes Populares.

Segundo o presidente da Câmara de Castelo Branco, Leopoldo Rodrigues, a comissão de honra da candidatura está em constituição e é presidida pelo ex-Presidente da República, Ramalho Eanes, que aceitou o convite.

Conta ainda com a adesão de nomes como o comendador Joaquim Morão, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, o ceramista e pintor Manuel Cargaleiro, o professor universitário e ex-embaixador da UNESCO em Paris, António Sampaio da Nóvoa, entre outras personalidades que apoiam a ambição de Castelo Branco integrar a Rede de Cidade Criativas da UNESCO.

"Falamos muitas vezes do bordado [Castelo Branco] e da sua importância enquanto património cultural, mas aqui também é a sua importância enquanto ativo económico do concelho e da região e é também nesse sentido que esta candidatura é importante", afirmou o autarca.

Leopoldo Rodrigues realçou a importância do bordado, das suas potencialidades, mas também a sua importância económica para o concelho.

"Em primeiro lugar porque cria postos de trabalho através das bordadeiras que pelo concelho vão fazendo o bordado e o vão colocando no mercado. São estas potencialidades que queremos melhorar, maximizar, dar-lhe dimensão, não só no respeito pela tradição, mas ao dar-lhe novas perspetivas, novas abordagens", salientou.

Já o vice-presidente e líder da candidatura disse que o objetivo passa por tornar Castelo Branco uma cidade do conhecimento, através de uma ecologia de saberes que promovam a criatividade e as indústrias criativas e culturais.

"A marca e produto Bordado de Castelo Branco é, provavelmente, a nossa maior bandeira e um dos nossos maiores ativos territoriais. E entendemos que pode ser, se todos quisermos, uma das principais âncoras do nosso desenvolvimento", sustentou Hélder Henriques.

O autarca sublinhou ainda que o bordado de Castelo Branco "é passado, é presente, mas também pode ser futuro".

"Esta é uma candidatura que emerge de uma relação triangular entre a cultura, a criatividade e o desenvolvimento económico", concluiu.

pub