Cinquenta anos de carreira Mena Abrantes assinalados na sexta-feira em Luanda

| Cultura

Os 50 anos de carreira do dramaturgo e encenador Mena Abrantes dão o mote à segunda edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT), que abre sexta-feira, em Luanda, com uma homenagem ao autor.

Do programa da iniciativa "50 anos de Mena", a realizar no Camões/Centro Cultural Português em Luanda, consta a apresentação da peça de teatro "A mesa", da autoria do dramaturgo, apontamentos de dança e de música, com o grupo Tremura Show e Nell Jazz, respetivamente, e a projeção de um vídeo com depoimentos sobre o artista, de acordo com a agenda deste Centro na capital angolana.

Promovida por colegas do meio teatral, a cerimónia presta tributo a "uma grande figura do teatro angolano", com mais peças de teatro publicadas e que tem igualmente percurso como ficcionista, poeta, jornalista, ator e diretor de cena.

Mena Abrantes destacou-se como membro fundador de companhias de teatro no país natal, para onde regressou em 1974 - como os grupos de Tchinganje, Xilenga Teatro e Elinga Teatro, que fundou em 1988, que dirige e da qual é encenador -, depois de ter vivido em Portugal e na antiga Alemanha Federal, onde permaneceu durante quatro anos.

Na sexta-feira, após a homenagem ao autor de "O teatro em Angola" - obra que o escritor e seu compatriota Manuel Rui apontou como sinal de que a representação está em toda a vida -, será ainda inaugurada, no centro Camões, em Luanda, a primeira exposição individual de pintura do artista.

Trata-se de uma mostra que dará a conhecer mais uma faceta deste criador multidisciplinar que é "reconhecido e admirado" pela "extrema simplicidade" e pelo "perfil humanista e solidário", como destaca o Camões/Luanda.

Nascido em janeiro de 1945, em Malanje, José Manuel Feio Mena Abrantes foi jornalista, ator, diretor de teatro e autor com obra publicada na ficção, dramaturgia e poesia.

Licenciou-se em Filologia Germânica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo-se iniciado como ator no Grupo Cénico da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, em 1967.

Foi aluno de interpretação e direção teatral na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, sob a direção de Adolfo Gutkin, e frequentou seminários de dramaturgia e direção teatral na Bélgica.

Na então Alemanha Federal, onde chegou a viver antes do 25 de Abril de 1974, Mena Abrantes colaborou com um grupo de teatro de rua e dirigiu a companhia La Busca, composta por trabalhadores e estudantes espanhóis, com a qual representou Espanha no 1.º Festival Internacional de Teatro Operário, em 1973. Nesse ano foi ainda assistente convidado do diretor argentino Augusto Fernandez, no principal teatro da cidade de Frankfurt, o Frankfurter Staedtische Buehne.

Depois de regressar a Luanda, Mena Abrantes dirigiu, durante dois anos, o grupo de teatro da Faculdade de Medicina de Luanda e tem participado, com regularidade, em festivais internacionais de teatro em vários países de África, da Europa e América, quer como autor quer como encenador e diretor.

Enquanto jornalista, colaborou com órgãos de comunicação social angolanos, portugueses, franceses e moçambicanos, foi assessor de imprensa do presidente da República de Angola desde 1993 e durante quase 30 anos e, em 2012, foi nomeado secretário de Estado para os Assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa de José Eduardo dos Santos.

Com quase 30 obras publicadas, foi também distinguido, por três vezes, com o prémio Sonangol de Literatura e, uma vez, com o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na modalidade de literatura.

Tópicos:

Alemanha, Camões, Elinga, Frankfurt, Luanda, Operário, Tremura Show Nell Jazz,

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.