Festa pagã de Santa Bebiana de Caria em Belmonte quer ser património imaterial

por Lusa

A Associação da Irmandade de Santa Bebiana de Caria, em Belmonte, iniciou em outubro o processo de classificação a património imaterial da festa satírica em honra da padroeira associada às pessoas ébrias e ao vinho.

Com 79 anos de tradição e proibida durante o Estado Novo, a celebração foi tendo interrupções e foi retomada nas duas últimas décadas, organizada pela Irmandade, grupo de amigos da vila que este ano se constituiu formalmente como associação, explicou o presidente, Filipe Alves.

Entre 01 e 03 de dezembro, a festa pagã volta a realizar-se e, na noite de sábado, dois manequins, antigamente bonecos feitos de palha, fazem de Santa Bebiana e de São Martinho, os padroeiros das mulheres e dos homens bêbedos, percorrem em cima de andores, em procissão, as ruas de Caria, e alguém que faz de padre reza o sermão e outras orações alusivas ao consumo de vinho.

Graça Ribeiro, uma das responsáveis pela pesquisa e recolha de material, informou que o processo foi iniciado junto da Direção Geral do Património Cultural e está-se na fase de o densificar com documentação.

A investigadora salientou tratar-se de "uma festa singular e irreverente", uma tradição de algumas localidades do distrito de Castelo Branco, e acentuou a importância de preservar este património coletivo.

"A ideia da classificação surgiu como uma forma de salvaguarda e de divulgação da festa, mas também de preservação da história, para que passe para as gerações futuras, porque ela faz parte da herança cultural dos carienses", salientou, em declarações à agência Lusa, Graça Ribeiro.

O processo de entrega de todo o material pode demorar cerca de ano e meio e a investigadora antevê que o período de avaliação possa ser "relativamente demorado".

"O que esperamos é garantir a salvaguarda do que aqui se faz, que a festa melhore, que a classificação lhe traga visibilidade e que seja bom para a comunidade, porque esta é uma festa comunitária e intergeracional", referiu Graça Ribeiro.

O presidente da Associação da irmandade, Filipe Alves, há 14 anos consecutivos na organização, tem a expectativa de que a classificação ajude "a mostrar ao país e ao mundo uma festa diferente a quem não a conhece".

Santa Bebiana é a padroeira dos epiléticos e das dores de cabeça e Graça Ribeiro calcula que tenha sido feita a associação ao consumo de álcool por algumas das reações serem semelhantes às de quem bebe em excesso.

"Ninguém tem uma razão de ser certa para a Santa Bebiana", frisou a investigadora, que mencionou serem aventadas várias possibilidades. Uma delas, a transumância dos pastores, que no caminho iam parando nas tabernas e adegas para beber.

No caso de Caria, Graça Ribeiro apontou o casamento com uma mulher da vila de um homem abastado de Tinalhas, onde também existe essa tradição, que terá levado empregados e replicaram a celebração pagã, embora não existam certezas.

Idanha-a-Nova, Louriçal do Campo, Paul, Peso e em outras freguesias do distrito há referências à Festa de Santa Bebiana, todas com características diferentes.

Graça Ribeiro aludiu às detenções feitas em 1947, quando a GNR tentou travar a festa pagã, que acabou por se realizar, para ser impedida pelo reforço policial no ano seguinte.

A Irmandade congratula-se por a festa ter "resistido ao tempo, ao esquecimento e à reprovação popular".

Para sexta-feira está previsto o Cortejo do Chamamento das Irmãs, às 20:00, no sábado, às 16:00, realiza-se o colóquio "A simbologia da Santa Bebiana na comunidade de caria" e a procissão é às 20:30, seguida de baile. No domingo há uma caminhada e jogos tradicionais.

Tópicos
pub