Festival de teatro universitário de Lisboa com 25 grupos de Portugal, Brasil e Espanha

| Cultura

Vinte cinco peças de teatro, encenadas por outras tantas companhias de diferentes instituições universitárias de Portugal, Brasil e Espanha, fazem a 18.ª edição do Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa (FATAL), que abre na terça-feira.

Na edição deste ano, que se estende até 13 de maio, há doze peças em competição, outras quatro integradas na secção Mais FATAL, não competitiva, e nove na secção FATAL Convida, que envolve apresentações de grupos de universidades portuguesas, espanholas e brasileiras.

A competição abre na quarta-feira com "As cousas", de Leonor Barata, pelo Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra (CITAC), numa criação conjunta de Leonor Barata e Jorge Loureiro.

Seguem-se, nesta secção, "A tentação", de Susana Vidal, que também encena, pelo Novo Núcleo de Teatro (NNT), da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, "Amígdala", uma encenação de Cláudio Vidal, pelo Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC), e "Revolução, segundo Marat-Sade", de Peter Weiss, pelo Teatro Académico da Universidade de Lisboa (UL), numa encenação de Júlio Martin da Fonseca.

Ainda em competição, subirão a cena "Uma conversa (breve) contemporânea", peça encenada e escrita por A. Branco, pela FC - Acto da Faculdade de Ciências da UL, e "Freak show", pelo Tutra, Teatro Universitário da Universidade de Trás-os-Montes.

O ArTec, da Faculdade de Letras da UL, interpretará "Fernando... em Pessoa", de Fernando Pessoa, com encenação de Marcantónio Del Carlo, sucedendo-se "Ecos", pelo grupo Ultimacto da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, da UL, e "O maluquinho de Arroios", pelo mISCuTem, grupo de teatro do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa/Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE/IUL).

A secção competitiva fica completa com "Morrer ou não morrer", pelo GTN - Grupo de Teatro da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, "Imagens e Reflexos", a partir de Jean Genet, pelo GTL - Grupo de Teatro de Letras, e "Ama como a estrada começa", pelo Grupo de Teatro do Instituto Superior Técnico.

No mais FATAL, o público poderá assistir às peças "Q`azar contigo", criação coletiva do Catarse, grupo da faculdade de Medicina da UL, "Pode passar a vida toda", pelo Tubo de Ensaio, da Faculdade de Farmácia, "O mercador de Veneza", de Shakespeare, pelo Noster da Universidade Católica, e "Júlia", a partir de Strindberg, com encenação de Jorge Fraga, pelo Teatro da Academia, do Instituto Politécnico de Viseu.

A rubrica FATAL Convida, vão estar em cena as peças "112 O jantar está mesmo quase", criação do Coletivo 112 da Escola Superior de Teatro e Cinema, "Todas as memórias do ator que interpreta o rei Ricardo II", pela Recycling Performance Factory (La Fábrica de Reciclaje del Performance), de Málaga, e "Amor e informação", de Caryl Churchill, pela Katharsis, pelo Grupo de Medicina de Madrid.

As companhias convidadas envolvem ainda o grupo do Mestrado em Teatro da Universidade de Évora, na peça "Ensaio para o fim", o Grupo de Teatro dos Funcionários da UL, em "Oxigénio", de Carl Djerassi e Ronald Hoffmann, o grupo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em "Lisboa e outros títulos aleatórios", de Gabriella Giffosi, a Mala Estirpe, da Universidade de Castilla-La Mancha, em "Lorca", o grupo da Universidade de Vigo, em "A última cornija do mundo", de Alessandro Baricco Maricastaña, e o GEFAC da Universidade de Coimbra, em "De novo mar".

As representações deste ano do FATAL decorrem no Espaço Gaivotas, rua das Gaivotas 6, a Santa Catarina/Cais do Sodré, no auditório do refeitório I dos Serviços Sociais da UL (Cantina Velha), na Faculdade de Farmácia, no Teatro da Comuna, no Caleidoscópio, no bar novo da Faculdade de Letras da UL e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Tópicos:

Alessandro Baricco, Carl Djerassi, Caryl Churchill, Castilla Mancha, Catarina Cais, Católica, Ciências UL, Comuna, Giella Giffosi, Jean Genet, Leonor Barata Círculo, Letras UL, Loureiro Seguem, Politécnico, Psicologia, Reciclaje Performance Málaga, Sade, Trás Montes, Tubo, Tutra, Veneza Shakespeare, Vigo,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na edição deste sábado do 360, na RTP3, o jornalista António Louçã, autor da grande reportagem "Alemanha: o reverso da medalha", resumiu o contexto económico e social no chamado motor da Europa, em véspera de ida às urnas.

A Alemanha vai a votos com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

    Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

      Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.