Última Hora
António Costa com luz verde para o Conselho Europeu

Filha do último diretor de jornal histórico de Cabo Verde oferece coleção única ao país

por Lusa

Mais de um quarto de século da história cabo-verdiana é contada nos 323 números do jornal Notícias de Cabo Verde, que estavam em Lisboa e regressam agora ao arquipélago, oferecidos pela filha do último diretor.

Em 1931, o primeiro exemplar do jornal privado Notícias de Cabo Verde noticiava, com destaque e uma fotografia, a chegada do novo governador Amadeu Gomes Figueiredo ao território.

O jornal custava um escudo e foi fundado por Manuel Ribeiro de Almeida, empresário de sucesso na ilha cabo-verdiana de São Vicente, com uma particular paixão pelas artes e ideias.

O número um explicava, no editorial, o programa do Notícias de Cabo Verde: "Fazer a propaganda e a defesa da nossa terra e lutar pelo seu progresso material e moral".

A publicação durou 31 anos, com uma periodicidade instável, e relatou nas suas edições a história de um Cabo Verde que lutava contra a fome, num mundo atravessado por uma guerra mundial, e ilustrado com muitas fotografias das principais figuras de um Portugal que ainda queria ser imperial.

Como a edição de 23 de junho de 1939, com uma primeira página preenchida com a fotografia de Óscar Carmona, a propósito da visita do chefe de Estado português ao arquipélago cabo-verdiano.

O Notícias de Cabo Verde foi o primeiro a relatar alguns acontecimentos marcantes da história deste país africano, como a revolta de Nhô Ambrôze, uma manifestação em 1934 de um grupo que percorreu várias ruas da cidade do Mindelo, ostentando um pano preto a servir de bandeira, contra a miséria e a fome.

Também noticiou o "Desastre da Assistência" na cidade da Praia, em Santiago, uma catástrofe que ocorreu em 1949, quando a parede dos Serviços Cabo-verdianos da Assistência ruiu, matando 232 pessoas, sobretudo mulheres e crianças, que ali acorriam por terem fome.

Em mais de um quarto de século, as edições deste jornal deram conta do início e fim da Segunda Guerra Mundial, a luta do arquipélago contra a malária, escreveram sobre as figuras nacionais e locais, com destaque para a cidade do Mindelo, em São Vicente, onde era feito, sublinhando as visitas das mais altas personalidades ao território.

Ao longo destas edições, que estão reunidas em três volumes A3, de capa rija e cor verde com letras douradas, encontram-se textos e poemas de nomes sonantes da literatura cabo-verdiana, como Osvaldo Osório, Armando Vieira, Jorge Miranda Alfama e Mário Fonseca.

A publicidade dava igualmente conta de produtos e negócios no território e na metrópole, assinalava efemérides, como o primeiro centenário do Mindelo (1838 -- 1938), com direito a primeira página e edição especial, ao nível do conteúdo e do papel.

O jornal foi impresso na sociedade de Tipografia e Publicidade, fundada por Manuel Ribeiro de Almeida, na qual foram impressas publicações emblemáticas, como a revista Claridade (1936), no âmago de um movimento de emancipação cultural, social e política da sociedade cabo-verdiana.

A última edição do Notícias de Cabo Verde foi à estampa em 28 de agosto de 1962, sob a direção de Raul Ribeiro, irmão de Manuel Ribeiro de Almeida, e a principal notícia era a visita a Cabo Verde do então ministro do Ultramar, Adriano Moreira.

A filha de Raul Ribeiro, Helena Neto, proprietária da inédita coleção de jornais, tem a ambição de que estes exemplares sejam vistos pelo maior número de pessoas e desloca-se esta semana ao Mindelo, onde vai oferecer a coleção à biblioteca municipal.

"A ideia é permitir que as obras sejam consultadas, porque não sou eterna, já tenho esta idade" (87 anos), disse à agência Lusa Helena Neto, conhecida como Milene Neto, e que gostaria que os jornais fossem microfilmados para poderem estar disponíveis para todos e para sempre.

Tópicos
pub