Livro sobre violência doméstica de Ana Cristina Silva editado na Alemanha

por Lusa

O livro "A Mulher Transparente", uma obra sobre violência doméstica da escritora e professora universitária Ana Cristina Silva, foi editado em alemão e estará à venda a partir de janeiro com o nome "Die gläserne Frau".

O segundo romance da autora portuguesa, lançado em 2003, numa altura em que "não se falava muito da problemática da violência doméstica", é o primeiro a ser traduzido para outro idioma.

"É talvez um dos meus livros que foi escrito como uma intenção mais pedagógica. Atualmente fala-se muito desse tema, mas é importante que as pessoas conheçam o ciclo de violência a que as vítimas estão submetidas. Enquanto psicóloga estudei esse ciclo, montei o romance um pouco à volta da prisão dessas vítimas", revelou à agência Lusa a escritora e professora no Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), em Lisboa.

Na altura em que escreveu o livro, confessa Ana Cristina Silva, ouviu várias críticas, por exemplo "entre marido e mulher não metas a colher".

"O fenómeno tem muito mais visibilidade que tinha há uns anos, as pessoas indignam-se, falam nos meios de comunicação social, mas eu acho que a mentalidade não mudou o suficiente. Basta ver algumas sentenças de juízes, os indicadores de violência no namoro que são assustadores, e acho muito importante que as pessoas tenham consciência dos sinais (...)", frisou.

De acordo com a Oxalá, responsável pela edição em alemão, "o romance caracteriza-se pelo relato nu e cru de uma vida marcada pela brutalidade da violência doméstica, descrevendo a falta de racionalidade quer de quem agride, quer de quem é agredido (...)".

Ana Cristina Silva já publicou treze romances e vários contos em coletâneas. Venceu os prémios literários Urbano Tavares Rodrigues e Fernando Namora. "A Mulher Transparente" é o primeiro livro traduzido para outro idioma.

"Infelizmente o fenómeno de violência doméstica não é português. Esse ciclo de violência doméstica que serve de base à história é transversal às culturas e ao nível social. Não foi por acaso que coloquei a personagem num meio socioeconómico elevado alto", revelou a romancista, acrescentando que este livro é "extremamente interventivo".

"A Mulher Transparente" foi traduzida para alemão com o título "Die gläserne Frau" pela Oxalá Editora com o apoio da DGLAB - Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas. A distribuição nas livrarias alemãs está prevista para o início de janeiro.

Tópicos
pub