Prémio Camões é entregue hoje ao escritor brasileiro Raduan Nassar em São Paulo

| Cultura

O escritor brasileiro Raduan Nassar recebe hoje, em São Paulo, no Brasil, o Prémio Camões do ano de 2016, numa cerimónia a realizar no Museu Lasar Segall, informou o Governo de Brasília.

A cerimónia conta com o ministro brasileiro da Cultura, Roberto Freire, e o Governo de Lisboa estará representado pelo embaixador de Portugal em Brasília, Jorge Cabral. O ministro português da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, "não poderá estar presente, por razões de agenda", segundo o seu gabinete.

Autor de obras como "Lavoura Arcaica" (1975) e "Um Copo de Cólera" (1978), Raduan Nassar foi distinguido em maio de 2016 com o Prémio Camões, por um júri constituído pelos professores, autores e investigadores Sérgio Alcides do Amaral e Flora Süssekind, pelo Brasil, Paula Morão e Pedro Mexia, por Portugal, e Inocência Mata e Lourenço de Rosário, pelos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

Raduan Nassar nasceu em Pindorama, Estado de São Paulo, em 1935, descende de uma família libanesa, estudou Direito e Letras na Universidade de São Paulo, onde acabou por concluir a formação académica em Filosofia.

Hoje, com 81 anos, Raduan Nassar soma perto de três décadas de afastamento dos circuitos literários, quase sem dar entrevistas, com uma bibliografia praticamente inalterada, dedicando-se à vida de fazendeiro.

A obra do autor é curta, mas as edições e traduções, especialmente de "Lavoura Arcaica" e "Um copo de cólera", não param de crescer.

O autor fez parte, no ano passado, da lista inicial (a lista longa) do Man Booker International Prize, com a tradução inglesa de "Um Copo de Cólera".

Em Portugal, Raduan Nassar foi publicado apenas em 1998, quase 20 anos após a edição original de "Um copo de cólera", quando a obra surgiu no catálogo da Relógio d`Água.

Seguir-se-ia, na mesma editora, um ano depois, "Lavoura Arcaica", o romance de estreia do escritor (1975), com um estudo da professora Sabrina Sedlmayer.

Em 2000, a coletânea de contos "Menina a caminho" foi publicada pela editora Livros Cotovia, que, em 2003, recuperaria o escritor para a antologia "Fotografia de grupo", de vários autores.

A obra completa de Raduan Nassar, porém, só ficou disponível em Portugal este mês, com a publicação, pela Companhia das Letras, de uma edição alargada de "Menina a Caminho", com três contos inéditos do escritor brasileiro entretanto descobertos.

A chancela brasileira, que entrou recentemente no mercado português, lançou, logo após a atribuição do Prémio Camões ao autor, a novela "Um Copo de Cólera", seguido do romance "Lavoura Arcaica".

A nova edição de "Menina a Caminho" inclui um capítulo designado "Safrinha", que inclui dois contos e um ensaio nunca antes publicados em português.

Os dois contos, que datam do fim da década de 1960, são "O velho", anteriormente só disponível em francês, e "Monsenhores", um inédito.

Quanto ao ensaio, "A corrente do esforço humano", só havia sido publicado na Alemanha, em 1987.

Ao longo da carreira de Nassar, multiplicaram-se os prémios à sua obra, e seus os livros foram sendo traduzidos para diferentes línguas, como espanhol, francês, italiano, alemão e inglês.

"Lavoura Arcaica" deu-lhe o prémio de Romance da Academia Brasileira de Letras, logo em 1976, quando da publicação da obra. Recebeu ainda o prémio Ficção para "Um copo de cólera" e o prémio Jabuti Revelação, da Câmara Brasileira do Livro, entre outras distinções.

Com o valor de cem mil euros, repartidos igualmente por Portugal e Brasil, o Prémio Camões é a mais importante distinção literária dos países de língua portuguesa, e celebrou no ano passado a 28.ª edição.

O prémio foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir uma obra que contribua para a projeção e reconhecimento da língua portuguesa, e foi atribuído pela primeira vez em 1989 ao escritor Miguel Torga (1907-1995).

Em 2015, o Prémio Camões foi entregue à escritora portuguesa Hélia Correia.

Tópicos:

Alemanha, Brasília, Copo, Cotovia, Ficção, Filosofia, Inocência Mata Lourenço, Jabuti Revelação, Raduan Nassar, Relógio, Sina Sedlmayer, Sérgio Alcides Aal, Torga,

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.