Salvador Sobral na final do Festival Eurovisão da Canção

| Cultura

|

Salvador Sobral, com a música “Amar pelos dois”, está na final do Festival Eurovisão da Canção. O cantor passou a semifinal que decorreu esta terça-feira em Kiev, na Ucrânia. Sábado vai representar Portugal na final.

Além de Portugal, seguiram para a final: Moldávia, Azerbaijão, Grécia, Suécia, Polónia, Arménia, Austrália, Chipre e Bélgica.

A segunda semifinal, que vai apurar os restantes 10 finalistas, vai decorrer na próxima quinta-feira.


A final de sábado vai ser disputada por representantes de 26 territórios: os 20 qualificados nas semifinais, entre os quais Portugal, os denominados “Cinco Grandes” (França, Itália, Alemanha, Espanha e Reino Unido) e a Ucrânia, o país anfitrião.

Após um ano de ausência, Portugal regressa à Eurovisão, onde se estreou em 1964, em que António Calvário interpretou o tema “Oração”, que não obteve qualquer voto.




A melhor classificação de Portugal no Festival da Eurovisão Canção foi em 1996, quando Lúcia Moniz, com a canção “O meu coração não tem cor”, ficou em sexto lugar.




Portugal não competia na final do Festival Eurovisão da Canção desde 2010, quando Filipa Azevedo com o tema “Há dias assim” ficou em 18.º lugar, numa final que decorreu em Oslo, na Noruega.




“Amar pelos dois”, composto por Luísa Sobral, venceu a 6 de abril a final do Festival da Canção, que decorreu no Coliseu dos Recreios em Lisboa e foi disputada por oito canções.

Um música interpretada por Salvador Vilar Braamcamp Sobral, que nasceu em Lisboa a 28 de dezembro de 1989.

Tópicos:

António Calvário, Festival Eurovisão da Canção, Filipa Azevedo, Kiev, Luísa Sobral, Lúcia Moniz, Ucrânia, Salvador Sobral,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.