CETA - ou o Cavalo de Tróia do Cavalo de Tróia que era o TTIP

| Economia

|

Recentes declarações quer das lideranças europeias quer do presidente Donald Trump apontam para o fim abrupto do TTIP - Tratado Transatlântico de Livre Comércio, um documento em que o ex-presidente norte-americano Barack Obama se envolveu de forma enérgica. Obama quis selar o compromisso antes de deixar a Casa Branca, mas o timing apertado ditou o seu congelamento. O que é que fica de todo esse esforço de cinco anos? O CETA, o acordo entre a Europa e o Canadá que esta quarta-feira recebeu luz verde do Parlamento Europeu.

Do ponto de vista dos números, as negociações que começaram a ser preparadas em janeiro de 2012 pelos emissários de Bruxelas e Washington - a primeira reunião ocorreu em julho de 2013 - surgem como uma etapa natural para a evolução dos dois maiores mercados do mundo.O CETA foi aprovado no Parlamento Europeu e poderá assim ser aplicado provisoriamente a partir de abril. O acordo apenas entrará em pleno vigor após ratificação pelos parlamentos dos Estados-membros.

A União Europeia e os Estados Unidos representam 800 milhões de habitantes/consumidores, pouco menos de 50 por cento do PIB mundial, 33 por cento do fluxo global de mercadorias e 42 por cento da prestação de serviços.

O actual presidente norte-americano já fizera saber durante a campanha a sua oposição a estes acordos globais, que vê como um mau negócio para a sua América. Sinal disso é o anúncio da renegociação do NAFTA, o acordo entre os Estados Unidos, Canadá e México.

É uma posição que contraria o que parece serem os interesses da grande indústria e das multinacionais norte-americanas. Trata-se, de facto, de um recuo para os planos que estavam a ser desenhados para décadas.
CETA, primo afastado ou irmão gémeo do TTIP?

O que fica então de todo esse esforço negocial em que as multinacionais pareciam ter vergado os burocratas de Bruxelas? Um negócio ali ao lado, o CETA, no original Comprehensive Economic and Trade Agreement, o tratado comercial entre a União Europeia e o Canadá que parece um decalque do clausulado do TTIP e que foi esta quarta-feira aprovado pelo Parlamento Europeu.

Sob a capa de um articulado que visa regular o comércio de mercadorias e de serviços, acesso aos contratos públicos, proteção das indicações geográficas, o processo de resolução de conflitos e, em última instância, libertar as vias de trocas entre os dois lados do atlântico – tal como se pretendia com o TTIP – o CETA acaba por reproduzir em papel oficial todas as preocupações suscitadas pelas linhas do acordo entre estados Unidos e União Europeia.

Rezam as más línguas que é agora perfeitamente indiferente que o TTIP siga em frente, que já não é necessário, visto que o CETA abrange não apenas as empresas e o território canadiano mas todas as empresas que coloquem no Canadá – não a sua sede, não é necessário tanto, mas – uma sucursal.

Eliminação das tarifas aduaneiras e o desbaste das barreiras regulamentares e tarifárias são dois aspectos que surgem desde logo no preâmbulo do CETA – o TTIP também usa esta bandeira como “boa publicidade”. Nada é entretanto referido acerca da possibilidade mais do que real de que venha a verificar-se um corte na regulamentação existente e que fornece aos cidadãos alguma segurança a nível laboral, social e ambiental.

E é aqui que revemos no CETA as críticas antes deixadas ao TTIP: um acordo negociado em segredo, abertura da via negocial aos interesses das grandes multinacionais, abertura dos corredores de Estrasburgo à influência – quando não à predominância – dos lobbies financeiros (já o TTIP dedicara um dos seus mais importantes capítulos ao que chamou de cooperação para a regulamentação), cedência nos princípios europeus de protecção ambiental e alimentar (com o carimbo de permissão à comercialização de produtos e carne canadiana alterados geneticamente - OGM) ou criados à base de hormonas antes proibidas no Velho Continente.

E a velha questão do dirimir das divergências entre empresas e Estados através do mecanismo conhecido no tratado transatlântico por ISDS (Investor State Dispute Settlement), os tribunais arbitrais dominados pelas multinacionais a que essas empresas podem recorrer sempre que considerarem que a legislação aprovada por governos democraticamente eleitos coloca em risco lucros presentes ou futuros.

Em termos de envergadura, o CETA acaba por ultrapassar o TTIP. São 1.598 páginas, distribuídas por 13 capítulos. Em termos de objectivos parece à primeira vista mais modesto. O acordo assinado em 30 de Outubro passado aponta para um impacto anual de 12 mil milhões de euros para a União Europeia e de oito mil milhões para o Canadá.

Talvez os números subam em flecha se os norte-americanos, órfãos do TTIP, apostarem no CETA como novo Cavalo de Troia para cavalgar os mercados europeus. Parece ser esta a percepção de todos quanto abjuraram o TTIP.
Juncker saúda acordo com ecos no PS, PSD e CDS
Anteriormente um defensor do TTIP, o presidente da Comissão Europeia saudou já a aprovação no Parlamento Europeu do CETA. Para Jean-Claude Juncker, trata-se aqui de “um acordo progressivo que é uma oportunidade para moldarmos juntos a globalização e influenciarmos a preparação de regras globais de comércio”.

“O voto no Parlamento Europeu é um importante marco no processo democrático de ratificação do acordo alcançado com o Canadá [que] permite que entre provisoriamente em vigor” um acordo que “foi sujeito a um profundo escrutínio parlamentar”, acrescentou Juncker, num elogio esperado que mereceu o coro do Governo português. PSD, PS, CDS-PP, MPT e o deputado Marinho Pinto votaram a favor; Bloco, PCP e a eurodeputada do PS Ana Gomes votaram contra.

Margarida Marques, a secretária de Estado para os Assuntos Europeus, considera que se trata de um acordo “muito positivo” para o país. A governante sublinhou numa declaração registada pela Lusa que a balança comercial com o Canadá é “tradicionalmente favorável a Portugal, quer em bens, quer em serviços”, mas que há um grande potencial por explorar.

Numa entrevista de Junho de 2016 para a RTP, a governante socialista via, da mesma forma, o TTIP como um desafio à maior capacidade de penetração das empresas e dos produtores nacionais no mercado norte-americano.


Mas o PS não está isolado no apoio ao CETA: PSD e CDS-PP não escondem o seu apoio a este tipo de tratados.

Para Portugal, a questão assume entretanto contornos políticos particulares, já que os partidos da chamada “geringonça” não estão alinhados com o PS sobre a aprovação deste tipo de tratados comerciais. E há-de chegar o momento em que será necessário ratificar o CETA nos parlamentos nacionais de cada um dos Estados-membros, apesar de poder vir a ser aplicado a partir de Abril de forma provisória.

O economista Francisco Louçã, fundador do Bloco de Esquerda e antigo dirigente bloquista, referia em Junho passado em relação ao TTIP que, do ponto de vista do BE, não haveria à esquerda muito espaço de manobra para negociar os termos do Tratado Transatlântico com o PS, que tem aqui – como no CETA – uma posição semelhante à do PSD.

Uma voz dissonante no Parlamento Europeu foi a da socialista Ana Gomes, que alinhou com BE e PCP na barreira ao CETA. Os argumentos rondaram o índex há muito tecido pelos críticos; por exemplo, os contornos da negociação, que assinalam ter sido feita em segredo logo desde o início, em 2009, para apresentarem depois os contornos finais do documento em 2014.
O CETA em perguntas e respostas rápidas
O que quer dizer CETA?


O acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Canadá é conhecido como CETA, acrónimo, em inglês, de 'Comprehensive Economic and Trade Agreement'.

O acordo está dividido em 13 capítulos, em 1.598 páginas, e Bruxelas e Otava estimam que terá um impacto anual de 12 mil milhões de euros para a UE, com 508 milhões de habitantes, e de oito mil milhões de euros para o Canadá, que tem 35 milhões de habitantes.

Quando começou a ser negociado?

A Comissão Europeia e o Governo do Canadá começaram a negociar em maio de 2009. O acordo foi conseguido em 2014 e o executivo comunitário publicou a ata da negociação em agosto de 2015.

O acordo foi assinado no dia 30 de outubro de 2016, em Bruxelas.

Qual o enquadramento do acordo?


A UE é o segundo parceiro comercial do Canadá, atrás dos Estados Unidos, enquanto o Canadá ocupa o lugar número 12 para a UE. Em 2014, os países da União exportaram para o Canadá bens no valor de 31.700 milhões de euros e compraram bens canadianos avaliados em 27.400 milhões.

Canadá e países da UE pertencem a organizações como a NATO, OCDE e OSCE, entre outros.

O CETA é o primeiro acordo económico da UE após o Tratado de Lisboa a incluir um capítulo inteiramente dedicado aos investimentos.

O que prevê o acordo?

O tratado regula o comércio de mercadorias e de serviços, o acesso aos contratos públicos, a proteção das indicações geográficas e o processo de resolução de litígios relativos a investimentos.

O CETA eliminará praticamente todos os direitos aduaneiros e prevê o reconhecimento mútuo dos "certificados de avaliação da conformidade" em vários produtos: desde artigos elétricos até brinquedos. Assim, devem baixar os custos para os produtores que exportam para o Canadá.

As empresas europeias poderão candidatar-se a concursos públicos para o fornecimento de mercadorias e serviços.
O Canadá ganha mais e melhor acesso a um mercado de 500 milhões de pessoas.

As empresas portuguesas podem economizar mais de 500 milhões de euros por ano em impostos e aumentar a sua quota de acesso a concursos públicos no Canadá, em mercados como as telecomunicações, energia e transportes.

A proteção de patentes europeias no Canadá passa de 20 para 22 anos, reforçam-se direitos de autor, é melhorada a validação de títulos universitários e profissionais e facilitada a expatriação de trabalhadores.

O tratado cria um novo modelo de resolução de litígios em matéria de investimentos de caráter permanente e um mecanismo de recurso, que substituirá o antigo sistema de arbitragem.

O que fica de fora do acordo?

Não entram no CETA os serviços públicos, serviços audiovisuais e serviços de transporte, e aplicam-se restrições a outros setores como o audiovisual.

Certos produtos agrícolas ficam fora do tratado, como aves e ovos. Os produtos considerados sensíveis estarão sujeitos a quotas.

Também permite as exportações canadianas de organismos geneticamente modificados (OGM) ou carne de vaca tratada com hormonas.


c/ Lusa

Tópicos:

Acordo, CETA, Parlamento Europeu,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.