EDP tem projeto-piloto com painéis solares flutuantes em barragem de Montalegre

| Economia

A EDP implementou um projeto-piloto e pioneiro que conjuga energia fotovoltaica e hídrica, num investimento de 450 mil euros que consistiu na instalação de 840 painéis solares flutuantes na albufeira da barragem do Alto Rabagão, em Montalegre.

"É um projeto pioneiro a nível europeu porque é a primeira vez que conjugamos energia fotovoltaica flutuante com a geração hídrica, neste caso a albufeira do Alto Rabagão, uma central que foi construída em 1964. Nesse aspeto é pioneiro na Europa e um dos primeiros no mundo", afirmou o diretor do projeto, Miguel Patena, durante uma visita ao local.

Desta forma verifica-se, segundo a EDP, uma "complementaridade natural e virtuosa entre as energias hidroelétrica e solar: há mais sol quando há menos chuva e vice-versa".

"Nós queremos demonstrar que é possível com esta solução otimizar o recurso solar e o recurso hídrico", sublinhou o responsável.

Paulo Pinto, gestor do projeto, reforçou que este projeto fotovoltaico distingue-se dos outros porque se trata da colocação de painéis sobre uma superfície de água, a que foi designado "fotovoltaico flutuante".

"Depois há outro aspeto que ainda é mais pioneiro porque esta instalação aproveita a infraestrutura existente de uma central hidroelétrica", sustentou.

Na albufeira do Alto Rabagão, no distrito de Vila Real, foram instalados 840 painéis, numa espécie de jangada e com uma potência de 220 quilovolts (KW), e aproveitou-se a infraestrutura já existente na barragem, como os transformadores, os quadros elétricos e a linha de escoamento de energia.

As centrais hidroelétricas dispõem de uma ligação à rede elétrica que não é utilizada a 100% .

Trata-se de uma experiência, que vai ser estudada ao longo de um ano, percorrendo todas as estações. A EDP quer estudar a viabilidade económica desta solução que está já a produzir energia desde novembro.

"Este projeto a esta escala ainda não é viável. A nossa expectativa é estudar o funcionamento, a exploração e os resultados de exploração desta solução e, com uma escala maior, chegar a valores concorrentes com as soluções tradicionais em terra", referiu.

Segundo frisou, as vantagens deste projeto são também de ordem ambiental. O espelho de água já existe, os painéis flutuantes não competem com terrenos utilizados para outros fins, não é preciso desmatar terrenos. Para além disso, em água os painéis podem-se desmontar rapidamente "sem deixar vestígios" e, portanto, "a pegada é nula".

Depois, acrescentou, é ainda aproveitada uma infraestrutura existente, logo não é preciso instalar uma nova linha de escoamento de energia com o inerente impacto ambiental e o custo associado, não só económico como ambiental".

"Tem todos os ingredientes para dar certo, uma solução deste tipo", salientou.

O projeto é uma parceria entre a EDP Produção, a EDP Distribuição e a EDP renováveis e o investimento foi suportado pela empresa.

No entanto, o custo de 450 mil euros está, segundo o responsável, "muito acima das soluções tradicionais", em terra.

"Porque a albufeira tem 60 metros de profundidade no leito do rio e tem uma oscilação de 30 metros, isso tudo conjugado obriga a uma solução técnica que é dispendiosa", explicou.

A albufeira pode atingir os 30 metros de variação entre o nível pleno e o nível mais baixo.

Agora, acrescentou Miguel Patena, esta solução técnica tem que ser otimizada e terá que ganhar escala.

"Para já, esta instalação está a vender energia ao abrigo do regime de autoconsumo (...), como unidade de pequena produção, ajuda-nos a viabilizar parte do projeto, mas obviamente precisa de escala para competir com soluções tradicionais", sublinhou.

Se este projeto de complementaridade solar-hidroelétrica funcionar e for viável, a EDP poderá replicá-lo em outras barragens.

Tópicos:

EDP, Rabagão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.