Évora com ligação directa em Intercidades a Lisboa a partir de domingo

| Economia

O troço ferroviário Casa Branca-Évora, que foi remodelado e modernizado, é inaugurado domingo pela CP, marcando o início da circulação de comboios Intercidades entre aquela cidade alentejana e Lisboa, numa ligação de uma hora e quarenta e cinco minutos.

Segundo a CP, a inauguração daquele troço ferroviário é assinalada com um comboio especial Intercidades (IC) Lisboa-Évora, com partida da Estação do Or iente, às 10:02.

Essa primeira viagem, realça a empresa, conta com a secretária de Estad o dos Transportes, Ana Paula Vitorino, e os presidentes da CP e da REFER como "p assageiros" especiais, acompanhados de jornalistas.

"A renovação do troço Casa Branca-Évora permite à CP introduzir, a part ir de domingo, seis comboios IC entre Lisboa e Évora (três em cada sentido)", as segura a empresa.

Esses novos comboios, que permitem a ligação directa entre a cidade ale ntejana e a capital, numa viagem que vai durar 1:45, significam "ganhos elevado s de rapidez e conforto" aos utentes do transporte ferroviário.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Évor a, José Ernesto Oliveira, congratulou-se com a reabertura daquele troço ferroviá rio, assegurando que a cidade fica "mais perto" de Lisboa.

"Évora vai passar a ter um estatuto de centralidade na rede ferroviária Intercidades e nas ligações a Lisboa e Espanha", afirmou José Ernesto Oliveira, anunciando ainda a futura criação de uma "grande zona intermodal" de transporte s na cidade.

A renovação da via entre Casa Branca e Évora constitui um dos três troç os da linha ferroviária para mercadorias entre Sines e Elvas/Badajoz, num total de 220 quilómetros, cuja construção deverá estar concluída até 2012.

Com o troço a inaugurar domingo, a CP salienta que vai poder ainda cria r um "serviço regional adequado aos padrões de mobilidade locais", que inclui, d iariamente, oito comboios nas ligações Beja-Évora e dois comboios entre Barreiro-Vendas Novas-Beja.

Quanto ao percurso Beja-Funcheira, será assegurado por quatro comboios diários, para garantir a ligação ao serviço de longo curso para o Algarve.

Além disso, a CP mantém também os quatro comboios Intercidades, diariam ente, entre Beja e Lisboa (dois em cada sentido).

Contudo, a sub Comissão de Trabalhadores (CT) da CP da Linha do Sado e Sul, em comunicado, criticou as alterações nas ligações regionais, garantindo qu e "as populações que vivem fora das grandes cidades são prejudicadas".

"Há um aumento da oferta no percurso Évora-Beja, mas a desgraça verific a-se no eixo Pinhal Novo-Beja, cujas paragens servem os lugares do Poceirão, Fer nando Pó, Pegões, Craveiras (todas no concelho do Montijo) e Vendas Novas", diz o comunicado.

Confrontada hoje pela Lusa quanto a estas críticas, a CP esclareceu que entre o Barreiro e Beja "continua a existir um serviço regional com dois comboi os por dia, menos três do que actualmente, o que, na maioria dos casos, é compen sado com a nova oferta IC".

A empresa alude às vantagens proporcionadas pelos seus novos comboios I C no eixo Lisboa/Évora e a continuidade dos que ligam Lisboa e Beja, assim como destaca o "reforço da oferta regional" entre as duas capitais de distrito alente janas.

"Não há uma redução de serviços, mas sim uma alteração de conceito. A C P decidiu reforçar a sua oferta entre Lisboa e o Alentejo, mais concretamente Év ora e Beja, apostando na qualidade e conforto das suas viagens", sustenta a empr esa, garantindo a continuidade dos comboios regionais nos quais o "fluxo de pass ageiros era um pouco mais elevado".

Em declarações à Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas , José Figueira, garantiu que, no caso do seu concelho, a "população fica agora melhor servida", sem "qualquer prejuízo nas ligações a Beja, Évora ou Lisboa".

"Ficamos com mais e melhores comboios e em horários acessíveis, de manhã até à noite, tendo a CP garantido ainda que os utentes com passe para o serviço regional o podem utilizar no IC, sem custos acrescidos", afirmou.


A informação mais vista

+ Em Foco

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.