Jornalistas mortos no Líbano. Incidente ocorreu em "zona de combate", diz Israel

por RTP

O atentado que matou um jornalista da Reuters e feriu outras seis pessoas, incluindo dois trabalhadores da agência France Presse, a 13 de outubro no sul do Líbano, ocorreu "numa zona de combate ativo", disse hoje o exército israelita à AFP.

Uma investigação desta agência de notícias sobre o atentado, publicada na quinta-feira, apontava para um projétil vindo de um tanque israelita. Já a investigação da agência Reuters, também publicada na quinta-feira, concluiu igualmente que houve disparos de tanques israelitas.

Questionado sobre estas descobertas, um porta-voz do exército de Israel sublinhou que o local onde os jornalistas se encontravam era "uma zona de combate ativa, onde ocorrem trocas de tiros" e que "estar nesta região é perigoso".

"O incidente está a ser examinado", disse este porta-voz à AFP, acrescentando que o exército tinha solicitado ao Líbano no dia anterior às mortes dos jornalistas, 12 de outubro, que verificasse "se não havia civis na zona de combate".

pub