Última Hora
António Costa com luz verde para o Conselho Europeu

Ramos Horta realça que portugueses aceitaram a independência das colónias

por RTP

O presidente da República de Timor- Leste elogiou a tenacidade e coragem da luta contra o regime de ditadura em Portugal, mas também nas colónias, e elogiou o facto de depois da revolução não houvesse ódios e vinganças. "A reconciliação foi um processo natural", frisou.

Ramos Horta agradeceu o apoio para mais tarde conseguirem a independência.

O presidente timorense aproveitou para criticar o papel "vazio" do Conselho de Segurança das Nações Unidas, incapaz de reagir com eficácia. "Deixou de representar o mundo do século XXI", diz Ramos Horta.

Portugal soube reconhecer a derrota colonial e que a reconciliação com os países vencedores aconteceu rápida, imediata e naturalmente.

"Os portugueses souberam reagir às mudanças sem ódio nem vinganças, sem fuzilamentos, sem guerra civil, aceitaram as independências e lutaram connosco pelo longínquo Timor", disse Ramos-Horta durante a sua intervenção na cerimónia de comemoração dos 50 anos do 25 de Abril, que juntou todos os presidente dos países africanos lusófonos, hoje em Lisboa.

"[Os portugueses] não viraram as costas, e as sociedades e os líderes das novas nações independentes souberam igualmente, com verdadeira grandeza de vencedores, saudar Portugal e as relações de amizade foram consolidadas", acrescentou o chefe de Estado timorense, notando que "a normalização das relações com o antigo poder colonial foi imediata, a reconciliação foi natural e o processo foi célere".

Na intervenção, Ramos-Horta fez a distinção entre o Portugal antes da revolução, "asfixiado e isolado", com o país que se seguiu, exclamando: "Quanto mudou para melhor, para muito melhor, em todas as vertentes!".

Criticando as guerras que ocupam as primeiras páginas dos jornais "e as outras em todo o mundo que não chegam à comunicação social", Ramos-Horta disse que a cerimónia de hoje em Lisboa "honra a coragem de quem lutou pela liberdade e renova os compromissos com valores democráticos que definem as nossas nações".

Na intervenção feita esta tarde em Lisboa, o Presidente timorense disse ter "orgulho nos PALOP" (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e disse que os timorenses são "eternamente gratos pela fraterna solidariedade durante os anos negros da jornada pela independência".

Com Lusa
pub