Roque da Cunha acusa ministro de ter pouca força

| Maria Flor Pedroso
Roque da Cunha acusa ministro de ter pouca força

O secretário-geral do Sindicado Independente dos Médicos, Jorge Roque da Cunha, acusa o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, de ter pouca força para se impor a Mário Centeno, responsável pela pasta das Finanças no atual Governo. Declarações em entrevista à jornalista da Antena 1, Maria Flor Pedroso.

O sindicalista Jorge Roque da Cunha diz-se "desapontado com o ministro da Saúde" porque, apesar do "chá, simpatia e conhecimento profundo do sector", pensava "que tivesse uma capacidade e uma força política maior junto do primeiro-ministro e do ministro das Finanças”.

Uma semana depois da greve dos médicos, que teve uma adesão de 90%, dados que o Ministério da Saúde não contestou, Jorge Roque da Cunha acrescenta, nesta entrevista à Antena 1, "que não quer fragilizar o ministro", com quem se reuniu esta semana, alcançando o compromisso, por parte do Governo, de que as principais reivindicações dos médicos serão satisfeitas até ao final da legislatura.

Roque da Cunha é da opinião que Adalberto Campos Fernandes terá pensado que "as circunstâncias de anestesia que o país atravessa fariam com que os médicos não fizessem greve”.



Roque da Cunha afirma que o ministro "é um político com alguma habilidade" e critica a pouca transparência de todo o processo. Por isso, acrescenta, não garante que não haja uma nova greve até 2019.



De forma incisiva, o secretário-geral do SIM coloca também em cima da mesa das negociações a disparidade de pagamentos no SNS (Serviço Nacional de Saúde). Acusa o Governo de em 2016 ter gasto mas de 100 milhões de euros com empresas de prestação de serviço e exemplifica: em Chaves um médico é pago ao fim de semana 8,5 euros/hora e em Vila Real, com a empresa de prestação de serviços, um médico recebe 50 euros/hora.



PCP e BE são os partidos mais atentos ao sector

Roque da Cunha é social-democrata, agora só militante de base, esteve nas comissões politicas dos PSD de Fernando Nogueira e Marques Mendes, foi número dois de Pedro Passos Coelho na Juventude Social Democrata, deputado uma dúzia de anos, mas, apesar disso, critica o seu partido, afirmando que "a oposição ao Governo tem tido uma atitude um pouco mais retraída, mas é compreensível porque não estão a governar”.



Passos vai às eleições de 2019

Roque da Cunha anunciou nesta entrevista que se vai recandidatar à liderança do SIM - o mandato termina em 2018 -, o que significa que vai continuar afastado da política ativa. Amigo pessoal e político de Pedro Passos Coelho, confessa nesta entrevista à Antena 1 que, independentemente das autárquicas, Passos será o candidato do PSD nas legislativas de 2019 "e será primeiro-ministro se tiver maioria absoluta".




A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.