Em direto
Guerra no Médio Oriente. A escalada do conflito entre Irão e Israel ao minuto

"A bola está no campo do Hamas". Israel concordou com cessar-fogo, dizem os EUA

por RTP
Foto: Amir Cohen - Reuters

De acordo com um alto funcionário da administração norte-americana, Telavive já aceitou genericamente um acordo de cessar-fogo em Gaza e de libertação dos reféns e cabe agora ao Hamas concordar com a proposta.

Os israelitas aceitaram um cessar-fogo com duração de seis semanas que "pode começar hoje se o Hamas concordar em libertar reféns vulneráveis", incluindo doentes, feridos, idosos e mulheres.

A informação é avançada este sábado por um alto funcionário da administração norte-americana, que garante que continuam as negociações para que seja alcançado um acordo antes do início do Ramadão, na próxima semana. 

"Os israelitas subscreveram basicamente os elementos do acordo. Neste momento, a bola está no campo do Hamas e nós continuamos a insistir tanto quanto possível", acrescentou o responsável.

Adiantou ainda que, após o cessar-fogo de seis semanas, seguir-se-ia para uma fase seguinte, com o objetivo de construir algo "mais duradouro".

“Houve progressos significativos nas últimas semanas, mas como sempre, não há acordo até que tudo esteja decidido”, acrescentou o funcionário-

Nos últimos meses, o Hamas já veio exigir um cessar-fogo final e total e não apenas uma trégua temporária, bem como a retirada total das forças israelitas de Gaza e liberdade de circulação dos palestinianos dentro do enclave.

Esta informação surge no mesmo dia em que terminou, em Jerusalém, uma marcha a pé com as famílias dos reféns. A ação de protesto teve por objetivo exigir um acordo de tréguas com o Hamas que permita o regresso dos reféns, quase cinco meses depois desde o ataque de 7 de outubro.

A marcha decorreu nos últimos quatro dias e teve como ponto de partida Reim, o local ocorreu o massacre perpetrado pelo Hamas. Esta tarde, a ação de protesto com mais de 15 mil pessoas chegou a Jerusalém e deverá ainda passar pela residência do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Também este sábado, os Estados Unidos iniciaram os lançamentos aéreos de ajuda humanitária na Faixa de Gaza, tendo sido entregues mais de 38 mil refeições, de acordo com as autoridades norte-americanas.

Esta ação decorre dois dias após a morte de mais de uma centena de pessoas, em Gaza, quando procuraram receber ajuda alimentar.

O Ministério da Saúde do Hamas acusa o exército israelita de ter disparado sobre uma multidão que aguardava a entrega de comida em Gaza. Para além dos mais de 100 mortos, houve ainda registo de mais de 700 feridos.

Os israelitas já vieram reconhecer que ocorreram "tiroteios limitados", mas que a maioria das vítimas morreu na sequência da debandada da multidão.
Tópicos
pub