Ajuda a Moçambique. Alimentação, água e produtos de higiene são prioritários

| Mundo

A ajuda pode ser canalizada para Moçambique através da Cruz Vermelha portuguesa, da Câmara Municipal de Lisboa e dos CTT.
|

De acordo com o embaixador de Moçambique em Portugal, Joaquim Simeão Bule, o que a população mais precisa nesta altura são produtos alimentícios, produtos para o tratamento de água e ainda produtos de higiene e limpeza. Devido às dificuldades de energia e comunicação, após a passagem do ciclone Idai, trinta portugueses continuam por localizar.

Em declarações à RTP, Joaquim Simeão Bule refere que é necessária ajuda sobretudo ao nível da alimentação: pedem-se enlatados com prazo de validade dilatado, tendo em conta que a sua recolha até ao destino final pode levar tempo.

São também necessários produtos para o tratamento de água. “Na Beira não há água potável. Vai ser necessário trazer água de algum lado, ou a água que lá existe tem de ser tratada”, explica o embaixador. 

Os produtos de higiene e limpeza são igualmente prioritários nesta altura, uma vez que grande parte das casas e bens da população ficaram alagados.

Existem neste momento três canais principais estruturados para o envio de ajuda de Portugal para Moçambique, garantindo que os produtos são canalizados para o destino final.  

O primeiro é o da Cruz Vermelha portuguesa, entidade que está em interação efetiva com a Cruz Vermelha de Moçambique, que faz parte do sistema de ajuda humanitária através do instituto nacional de gestão de calamidades.  

Há ainda dois canais alternativos, sobre os quais a Embaixada irá ainda esta quinta-feira emitir um comunicado. Um deles é o da Câmara Municipal de Lisboa, com os comandos e sapadores de bombeiros de Lisboa estruturados e organizados para receber ajuda que se pretende canalizar para a Beira.

Para o envio de ajuda existe ainda o canal dos Correios CTT, que farão chegar a ajuda através dos Correios de Moçambique.
30 portugueses por localizar

O embaixador Joaquim Simeão Bule refere que o Governo moçambicano tem mantido o esforço de restabelecimento de energia no território mais afetado pelo ciclone Idai e ainda hoje poderá ser reposta em parte.

Assim, espera-se que parte das comunicações móveis e fixas possam ficar reestabelecidas ainda esta quinta-feira

Na quarta-feira à noite, o Presidente da República esteve em Figo Maduro, em Lisboa, na partida da força de reação imediata portuguesa, constituída por 25 elementos dos fuzileiros, dez do exército, três da força aérea e dois da GNR, a bordo de um avião C-130, para apoiar as operações em Moçambique.

Marcelo Rebelo de Sousa acredita que a questão dos 30 portugueses desaparecidos em Moçambique depois do ciclone poderá ter que ver com os problemas de comunicação e de energia que se têm registado no território moçambicano.

Ainda esta quinta-feira, o secretário de Estado José Luís Carneiro, em Moçambique desde terça-feira, vai estar reunido com a comunidade portuguesa da Beira.

Na quarta-feira à noite, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, confirmava que não havia registo de cidadãos portugueses entre as vítimas do ciclone Idai, nem em Moçambique nem no Zimbábue, onde também vive uma comunidade portuguesa relevante.

O ministro ressalvou ainda que os problemas de comunicação nas zonas mais afetadas motivaram dificuldades no contacto com a equipa consular portuguesa na Beira e com os próprios cidadãos portugueses.

"O facto de haver neste momento na embaixada de Portugal em Moçambique trinta pedidos de localização de portugueses cujos familiares ainda não conseguiram contactar, não quer dizer outra coisa que não que ainda não possível estabelecer comunicação", salientou.

Existem no centro e norte de Moçambique mais de seis mil portugueses inscritos nos serviços consulares. Cerca de dois mil vivem na zona da Beira, a mais afetada pelo ciclone.

Nas últimas horas, o Governo moçambicano atualizou o balanço de vítimas mortais. Pelo menos 217 pessoas morreram devido à passagem do ciclone Idai por Moçambique, mas as autoridades estimam que o número poderá ser bastante superior. Cerca de 15 mil pessoas precisam de socorro imediato.

Tópicos:

Ajuda, Beira, Ciclone, Idai, Moçambique,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.