Apanha de areia, uma ameaça ambiental que alimenta muitas famílias em Cabo Verde

por Lusa

Praia, 29 mai (Lusa) - Há décadas que a apanha de areia põe comida na mesa de muitas famílias cabo-verdianas, mas a ameaça ambiental levou o Governo a proibir a atividade, deixando populações quase inteiras divididas entre violar a lei ou passar fome.

Os montes de areia e de brita à beira mar dão as `boas-vindas` na Ribeira da Barca, localidade a noroeste do interior da ilha cabo-verdiana de Santiago, no concelho de Santa Catarina.

Homens, mulheres e crianças amontoam-se num instante e começam a desabafar sobre o seu meio de sustento que constituiu, também, o seu maior problema de saúde: a apanha de areia.

Isalina Semedo, 37 anos, e Jorgina Sanches, 60 anos, são duas das muitas mulheres que dedicaram boa parte da sua via a apanhar areia e brita na praia a menos de cinco metros de casa.

"Sabemos que é proibido e que nos causa muitas doenças, mas extraímos areia porque não temos alternativa", desabafou à agência Lusa Isalina Semedo, no ofício desde criança, e com mais intensidade desde que deixou de estudar, à sexta classe.

Vestida de preto e com um bebé às costas, Isalina Semedo aponta para a cabeça, que lhe dói sempre, afirmando que não deixou o trabalho porque ainda não apareceu outro.

"Gostaria de ter um trabalho fixo, mesmo ganhando 200 escudos por dia (1.81 euros), deixava a apanha de areia", garantiu, dizendo-se consciente dos danos provocados ao ambiente.

Ultimamente, Isalina afirmou que vai menos vezes à praia por causa das dores de cabeça, mas recorda que com a venda de areia já construiu a própria casa e pagou os estudos dos filhos.

Jorgina Sanches começou por vender peixe, mas o negócio entrou em crise e teve de "se fazer ao mar", agora para apanhar areia com as próprias mãos.

"Se não fosse a apanha de areia poderíamos morrer de fome. Sabemos que é prejudicial, mas temos de sobreviver. Se tivermos outras condições deixávamos de fazer isso", garantiu a sexagenária, apontando as feridas e cicatrizes nas pernas depois de horas dentro do mar.

Lenço amarrado na cabeça, Jorgina Sanches denuncia a exploração de que diz serem vítimas as mulheres que vivem da extração de areia.

"Vende-se por muito pouco dinheiro e às vezes ficam com os montes por mais de dois meses à porta de casa", disse, criticando a falta de atenção das autoridades locais e centrais.

O presidente da associação dos armadores de pesca de Ribeira da Barca, José Rui Oliveira, partilha as mesmas angústias e preocupações, sublinhando que a melhor forma de acabar com o problema seria os governos - local e central - investirem na localidade.

E dá alguns exemplos, como formação na área da culinária, urbanização, construção de um cais de pesca, de um muro de proteção, de um liceu ou calcetamento de ruas.

Em declarações à Lusa, a presidente da cédula cabo-verdiana da Associação das Mulheres da África Ocidental (RA-AMAO), Josefina Chantre, mostrou-se preocupada com a saúde das mulheres que vivem da apanha de areia, revelam problemas como artrite, artroses, cegueira, infeções vaginais e surdez.

Sem dados sobre o número de mulheres envolvidas na atividade, a presidente da RA-AMAO, indicou que as localidades mais afetadas estão na ilha de Santiago, sendo além de Ribeira da Barca, Rincão, também em Santa Catarina, e Ribeira da Prata, no Tarrafal.

A presidente da RA-AMAO, umas das organizações que trabalha com o reforço da capacidade das mulheres, afirmou que as extratoras não têm nenhum tipo de segurança social, pelo que a curto, médio e longo prazo o Governo enfrentar um problema de saúde pública.

Considerando que "não basta proibir", Josefina Chantre pediu, por isso, ao Governo "programas e projetos duráveis e sustentáveis" e "medidas atempadas e coerentes".

Em fevereiro, o ministro e porta-voz do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, anunciou uma resolução que decretou a "suspensão imediata" da extração de areia nas praias do país, para disciplinar a prática e incentivar os privados a produzir areia mecanicamente.

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde, Gilberto Silva, apontou à Lusa a apanha de areia como um dos principais problemas ambientais no arquipélago, dizendo que o Governo já está a trabalhar no sentido de criar britadeiras para produzir o material.

"Há um conjunto de ações em andamento. Sabemos que não é de noite para dia que vamos conseguir isso, há, primeiro, que criar as condições. Não é só com decreto, mas também com investimentos concretos e têm que ser com privados", mostrou, indicando que já há propostas para licenciar britadeiras nas ilhas do Fogo, Sal e São Vicente.

Depois de criar as condições técnicas para produção de areia, o ministro disse que o Executivo irá atuar "fortemente" na sensibilização ambiental, consolidação e melhoria da legislação, fazer maior fiscalização nas praias e tomar medidas coercivas.

"Estamos a discutir isso com uma tese: a pobreza não pode constituir razão para estarmos a dar cabo do ambiente. Vamos ajudar as pessoas a encontrar soluções, alternativas, mas não podemos negociar o ambiente desta forma", disse Gilberto Silva, considerando que as medidas devem ser integradas e envolvendo várias outras entidades cabo-verdianas.

Enquanto isso, e sem fiscalização à vista, as mulheres de Ribeira da Barca e de outros pontos do país continuam diariamente a procurar o sustento nas praias locais.

Tópicos