Artur Mas condenado a dois anos de inelegibilidade por referendo à independência da Catalunha

| Mundo

|

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha condenou o ex-presidente do governo catalão Artur Mas a dois anos de inelegibilidade. O ex-presidente da Generalitat foi condenado por ter desobedecido à ordem do Tribunal Constitucional e mantido o referendo à independência da Catalunha que se realizou a 9 de novembro de 2014.

Para além de Artur Más, também a ex-vice-presidente Joana Ortega foi condenada a um ano e nove meses sem poder ser eleita para cargos públicos. Irene Rigau, ex-responsável da Educação no governo autonómico, também foi condenada mas a um ano e seis meses.

As penas são inferiores àquelas que eram pedidas pela procuradoria: dez anos de inelegibilidade para Artur Mas e nove para Ortega e Rigau. O El País avança que os três condenados pretendem recorrer da decisão judicial.

A consulta popular à independência da Catalunha realizou-se a 9 de novembro de 2014, tendo levado às urnas 2,3 milhões de pessoas. Mais de 80 por cento dos votantes manifestaram-se favoráveis à independência da Catalunha.

A consulta realizou-se apesar de o Tribunal Constitucional ter decretado, de forma unânime, a sua suspensão no dia 4 de novembro.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.