Artur Mas condenado a dois anos de inelegibilidade por referendo à independência da Catalunha

| Mundo

|

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha condenou o ex-presidente do governo catalão Artur Mas a dois anos de inelegibilidade. O ex-presidente da Generalitat foi condenado por ter desobedecido à ordem do Tribunal Constitucional e mantido o referendo à independência da Catalunha que se realizou a 9 de novembro de 2014.

Para além de Artur Más, também a ex-vice-presidente Joana Ortega foi condenada a um ano e nove meses sem poder ser eleita para cargos públicos. Irene Rigau, ex-responsável da Educação no governo autonómico, também foi condenada mas a um ano e seis meses.

As penas são inferiores àquelas que eram pedidas pela procuradoria: dez anos de inelegibilidade para Artur Mas e nove para Ortega e Rigau. O El País avança que os três condenados pretendem recorrer da decisão judicial.

A consulta popular à independência da Catalunha realizou-se a 9 de novembro de 2014, tendo levado às urnas 2,3 milhões de pessoas. Mais de 80 por cento dos votantes manifestaram-se favoráveis à independência da Catalunha.

A consulta realizou-se apesar de o Tribunal Constitucional ter decretado, de forma unânime, a sua suspensão no dia 4 de novembro.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foram mais de três horas de debate a cinco mas sem grandes novidades. Le Pen defendeu o fim da imigração. Macron foi atacado pelas ligações à banca.

Onde reside "o verdadeiro problema estrutural" da UE? O comentador da RTP Filipe Vasconcelos Romão situa-o na "incapacidade" do projeto europeu para estabeler laços com os cidadãos.

Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".

    Em São Bento, uma fotografia denuncia a localização da Fundação Mário Soares, uma instituição de utilidade pública, cujo futuro está ainda a ser pensado.