Atentado em Manchester: o que já se sabe

| Mundo

Autoridades tentam perceber se homem que se fez explodir agiu sozinho
|

Pelo menos 22 pessoas morreram e 59 ficaram feridas na sequência de um atentado suicida no fim de um concerto da artista Ariana Grande em Manchester. A polícia acredita que o indivíduo agiu sozinho, com recurso a um engenho "improvisado". As investigações prosseguem.

A explosão ocorreu quando eram 22h35 em Lisboa, no fim de um concerto da artista pop Ariana Grande. A polícia de Manchester informou desde logo que tinham sido acionados os serviços de socorro perante os relatos de que teria havido uma explosão na Manchester Arena, a sala com capacidade para 21 mil pessoas onde decorria o concerto.



Esta manhã, a polícia confirmou que há pelo menos 22 vítimas mortais e 59 feridos e que há crianças entre as vítimas. As autoridades policiais revelaram também que o atacante morreu na explosão. A polícia acredita que o atacante agiu sozinho, tendo se feito explodir com recurso a um engenho "improvisado". As investigações prosseguem para apurar se fazia parte de alguma rede mais vasta. 


A primeira-ministra britânica já anunciou que o incidente desta noite está a ser “tratado pela polícia como um terrível ataque terrorista”. Num comunicado emitido já de madrugada, Theresa May acrescentou que todos os seus pensamentos estão com as vítimas e as famílias dos que foram afetados.

O ataque ainda não foi reivindicado por nenhum grupo terrorista. No entanto, apoiantes do Estado Islâmico celebraram esta explosão nas redes sociais com mensagens de incitamento a que sejam levados a cabo ações semelhantes.
 
Este ataque é já o atentado mais mortífero em território britânico desde 2005. Os ataques de julho desse ano, em Londres, em estações de metro e num autocarro, provocaram 56 mortos.
Testemunhos

Uma testemunha que esteve no concerto de Ariana Grande, ouvida pela Reuters, diz ter ouvido uma grande explosão quando abandonava a sala: “Estávamos a sair e já na porta deu-se uma explosão gigantesca e começou toda a gente a gritar”.

“Foi uma explosão gigantesca, podíamos sentir o impacto no peito. Foi caótico. Toda a gente começou a correr aos gritos e a tentar chegar às saídas”, acrescentou. "Havia sangue por todo o lado", declarou outra testemunha, citada pela CNN.


Na rede social Twitter, a cantora Ariana Grande afirmou estar "destroçada" perante os acontecimentos. "Do fundo do meu coração, lamento imenso. Não tenho palavras", escreveu a cantora norte-americana.



A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.