China quer crescimento económico de 5% em 2024

por Lusa
Os políticos chineses mantém a expectativa do crescimento do consumo EPA

A meta oficial de crescimento da China para este ano é de cerca de 5%, afirmou esta terça-feira o primeiro-ministro, Li Qiang, no relatório anual sobre os planos e o desempenho do governo.

Li disse que o governo vai emitir 1 bilião de yuan (cerca de 128 mil milhões de euros) em "obrigações do tesouro especiais ultra longas" em 2024 e ao longo de cada um dos próximos anos - uma promessa, há muito esperada, de despesas públicas para ajudar a apoiar o crescimento em declínio.

O Partido Comunista, no poder, tem vindo a sublinhar a necessidade de aumentar as despesas dos consumidores para impulsionar a economia. Mas a recuperação liderada pelo consumo com que contava após o fim da política de "zero casos" de covid-19, no final de 2022, vacilou em meados do ano passado.

A queda dos preços da habitação e as preocupações com o emprego deixaram muitas famílias relutantes ou incapazes de gastar mais.

Atingir uma taxa de crescimento de 5% não será tão fácil como o ano passado devido ao efeito de base comparativa, uma vez que em 2022 o produto interno bruto (PIB) da segunda maior economia do mundo cresceu apenas 3%, face às duras restrições e confinamentos impostos pela política chinesa durante a pandemia da covid-19.

Li disse que a liderança vai esforçar-se para melhorar a gestão das políticas.

"Devemos comunicar as políticas ao público de forma bem direcionada para criar um ambiente político estável, transparente e previsível", disse Li, num discurso sobre os planos do governo, na abertura da sessão anual da Assembleia Popular Nacional, o órgão máximo legislativo da China.

Li disse que o governo vai continuar com uma "política fiscal pró-ativa e uma política monetária prudente", sugerindo que não vão haver grandes mudanças na abordagem da liderança para atingir o que designou como desenvolvimento de "alta qualidade".

Ele afirmou que as políticas devem ser mais direcionadas e eficazes e refletir "as expectativas das empresas e das pessoas quando decidem sobre o trabalho e as prioridades políticas".

Li dirigiu-se aos cerca de 3.000 delegados da Assembleia Popular Nacional e aos cerca de 2.000 membros de um órgão consultivo paralelo no Grande Palácio do Povo, adjacente à Praça Tiananmen, em Pequim.

 

Tópicos
pub