Em Direto
Euro2024. Acompanhe aqui ao minuto o jogo Portugal - Chéquia

Criado grupo de trabalho para dar "nova visão estratégica" à CPLP

por Lusa

Díli, 23 jul (Lusa) - A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa decidiu hoje em Díli, capital de Timor-Leste, formar um grupo de trabalho para uma "nova visão estratégica" da organização.

Na X Conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, que hoje decorre em Díli, os líderes dos países lusófonos decidiram criar "um Grupo de Trabalho, constituído por representantes dos estados membros junto da CPLP, com o apoio do Secretariado Executivo", cabendo a definição das medidas ao Comité de Concertação Permanente.

A este grupo de trabalho, caberá "propor ao Conselho de Ministros diretrizes e políticas que servirão de base para a aprovação, na XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, da nova Visão Estratégica que guiará a Comunidade na sua terceira década de existência".

O objetivo é assegurar a existência de um plano que venha a "a ser examinado na Reunião Ordinária do Conselho de Ministros, precedendo a XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP", dentro de dois anos.

Os líderes consideram que a realidade mundial exige uma "reflexão aprofundada sobre os caminhos a serem trilhados a partir da terceira década de existência da Comunidade", tendo "em conta que novos desafios", provocados pelas "profundas alterações estruturais na cena mundial e nos contextos nacionais dos Estados membros".

Os países-membros recordam as conclusões dos dois últimos Conselhos de Ministros da CPLP, em Maputo e em Díli.

Em Maputo, os chefes de diplomacia, que recomendaram a entrada da Guiné Equatorial na CPLP, já tinham defendido uma "nova visão estratégica" para a organização.

Agora, tendo em conta essas recomendações, os países-membros propõem "uma participação, mais efetiva, da CPLP no processo de desenvolvimento dos Estados-membros, através da realização de ações de maior impacto no seio das comunidades, particularmente junto aos grupos mais vulneráveis".

Os chefes de Estado e de Governo defendem uma maior necessidade de "solidariedade e coesão no espaço da CPLP", embora salientem os "progressos obtidos na cooperação para o desenvolvimento e as suas contribuições para o desenvolvimento sustentável dos Estados-membros".

A X cimeira da CPLP decorreu hoje em Díli, Timor-Leste, e ficou marcada pela adesão formal da Guiné Equatorial como membro de pleno direito da organização.

Integram agora a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Tópicos
pub