Cyril Ramaphosa é o novo Presidente da África do Sul

| Mundo

|

O parlamento sul-africano nomeou, esta quinta-feira, Cyril Ramaphosa como Presidente, numa sessão sem a presença de dois dos principais partidos da oposição. A votação aconteceu depois de Jacob Zuma ter anunciado na quarta-feira que renunciava ao cargo com “efeitos imediatos”.

Cyril Ramaphosa era o único candidato, apresentado pelo ANC. Foi confirmado pelo parlamento e declarado eleito pelo juiz-federal sul-africano Mogoeng Mogoeng.


Ramaphosa, de 65 anos e até agora vice-presidente do país, colocou no topo das suas prioridades a erradicação da corrupção e a revitalização do crescimento económico.

Ramaphosa já deu indicações de que, na noite de sexta-feira, irá dirigir-se ao país, num discurso em que irá abordar o Estado da Nação, intervenção que esteve prevista para início da semana e para ser pronunciada por Zuma.

Com a aprovação do Parlamento, Ramaphosa assegura a presidência do país até às eleições de 2019. Este milionário, antigo homem de negócios, chega à presidência da África do Sul num momento difícil da história recente do país.

Ramaphosa, antigo ativista anti-apartheid que chegou a trabalhar com Nelson Mandela, foi eleito presidente do Congresso Nacional Africano (ANC) em dezembro de 2017, e faz parte da fação moderada e reformista do ANC, partido que governa a África do Sul desde as primeiras eleições livres, em 1994.

Desde 1994 que o ANC tem obtido a maioria absoluta no Parlamento, tendo sido presidido sucessivamente por Nelson Mandela (maio de 1994 a junho de 1999), Thabo Mbeki (junho de 1999 a setembro de 2008), Kgalema Motlanthe (interino, setembro de 2008 a maio de 2009) e Jacob Zuma (maio de 2009 a fevereiro de 2018).Quem é Cyril Ramaphosa?
O líder do ANC, Cyril Ramaphosa, começou como dirigente sindical, tendo agora a ambição de se tornar chefe de Estado nas eleições de 2019.

Matamela Cyril Ramaphosa, 65 anos, natural do Soweto (arredores de Joanesburgo), onde nasceu a 17 de novembro de 1952.

Vice-presidente de Zuma desde 25 de maio de 2014, Ramaphosa aproveitou a “margem de manobra” dada pelo agora ex-presidente, acusado de vários atos de corrupção, lavagem de capitais e de subornos, para, na campanha para a liderança do ANC, aplicar uma estratégia de combate aos atos ilícitos.

Esta era a óbvia forma de voltar a convencer o tradicional eleitorado do partido, já muito descontente com o regime de Zuma, para evitar o que seria uma derrota humilhante do ANC nas eleições presidenciais de 2019, devendo, para tal, aproveitar o pouco mais de um ano para recuperar a credibilidade.

Desde que o ANC conquistou o poder, em 1994, Ramaphosa torna-se no quinto presidente da África do Sul, depois do “histórico” Nelson Mandela (maio de 1994 a junho de 1999), de Thabo Mbeki (junho de 1999 a setembro de 2008), de Kgalema Motlanthe (interino, setembro de 2008 a maio de 2009) e de Jacob Zuma (maio de 2009 a fevereiro de 2019).

De líder sindical, ainda nos tempos do sistema de segregação racial (apartheid) que vigorou até 1991 e que lhe valeu a atribuição do Prémio Olof Palme em 1987), a empresário (em 2007 surgiu na revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do ano no mundo), Ramaphosa tem agora o caminho livre para se tornar presidente efetivo da África do Sul.

Ramaphosa tem agora inúmeros desafios pela frente, sobretudo o de levantar um país economicamente debilitado.

Milhares de pessoas ainda vivem sem eletricidade e sem instalações sanitárias, as escolas e hospitais são frequentemente rudimentares e uma recente sondagem deu conta de que oito em cada 10 crianças são iliteradas, além da já tradicionalmente elevada criminalidade violenta.

C/Lusa

Tópicos:

Cyril Ramaphosa, Jacob Zuma, África do Sul,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.