Diretor de jornal independente detido na Rússia por desacreditar forças armadas

por Lusa

O diretor do jornal independente russo Novaya Gazeta foi detido hoje em Moscovo por ter sido acusado de desacreditar as forças armadas russas, informou o jornal.

Sergei Sokolov foi detido por agentes do Centro de Combate ao Extremismo da Rússia, informou o Novaya Gazeta, citado pela agência norte-americana AP.

As acusações, que são administrativas e normalmente puníveis com uma multa ou uma curta pena de prisão, estão relacionadas com um artigo publicado pelo jornal, segundo o Novaya Gazeta.

A data da audiência de Sokolov ainda não é conhecida.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), numa declaração nas redes sociais, protestou contra a detenção de Sokolov, considerando que "testemunha a violência da censura na Rússia".

Sokolov assumiu a direção do Novaya Gazeta em setembro de 2023, depois de o anterior diretor de longa data, o Prémio Nobel da Paz Dmitry Muratov, ter sido considerado um "agente estrangeiro" pelas autoridades russas.

Em setembro de 2022, um tribunal de Moscovo revogou a licença do jornal, que há anos critica o regime, como parte da contínua repressão das autoridades contra a dissidência.

Logo após a invasão da Ucrânia, há dois anos, o parlamento russo aprovou legislação que proíbe críticas às forças armadas ou a divulgação de "informações falsas" sobre as ações do país no teatro de guerra.

Em consequência, dezenas de meios de comunicação social russos independentes foram proibidos, enquanto outros anunciaram a suspensão da cobertura da guerra contra a Ucrânia.

Em março de 2022, o Novaya Gazeta anunciou a suspensão das atividades enquanto durassem os combates na Ucrânia.

Alguns dos seus jornalistas que se mudaram para o estrangeiro lançaram um novo projeto, Novaya Gazeta Europe, que tem criticado fortemente a invasão do país vizinho da Rússia.

Tópicos
pub