Guerra no Médio Oriente. A evolução do conflito entre Israel e o Hamas ao minuto

por Inês Moreira Santos, Mariana Ribeiro Soares, Cristina Sambado, Carlos Santos Neves - RTP

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre o reacender do conflito israelo-palestiniano, após a vaga de ataques do Hamas e a consequente retaliação das forças do Estado hebraico.

Emissão da RTP3


Reuters

Mais atualizações Voltar ao topo
por Antena 1

Gaza, o local mais perigoso do mundo para se ser uma criança

REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

São palavras da diretora executiva da Unicef numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Mais de cinco mil e trezentas crianças palestinianas terão sido mortas nestes 46 dias de guerra entre Israel e o Hamas.

A jornalista Sara Araújo de Almeida faz-nos o ponto de situação.
pub
Momento-Chave
por RTP

Libertação de reféns israelitas não começa antes de sexta-feira

A libertação de reféns israelitas não vai começar antes de sexta-feira, disse já esta noite o conselheiro de Segurança Nacional israelita. Por essa razão também o cessar-fogo não entra amanhã em vigor.
pub
por RTP

Huthis reivindicam ataque com míssil de cruzeiro intercetado por forças israelitas

Os rebeldes Huthis do Iémen reivindicaram o disparo de um míssil de cruzeiro lançado contra o sul de Israel e que foi intercetado pela aviação israelita.

"As nossas forças lançaram mísseis contra vários alvos militares da entidade israelita", escreveu o porta-voz do grupo armado apoiado pelo Irão no X.

"Continuaremos a realizar operações militares até que a agressão israelita contra o povo palestiniano em Gaza e na Cisjordânia termine", acrescentou.

Recorde-se que, horas antes o Exército israelita já tinha afirmado ter intercetado um míssil de cruzeiro que avançava em direção ao sul do país.
pub
por RTP

ONU "pode servir de porta-voz do Hamas"

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Eli Cohen, sustentou hoje que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, "pode servir de porta-voz do [movimento islamita palestiniano] Hamas".

"Na minha opinião, o secretário-geral da ONU pode servir de porta-voz do Hamas", declarou Cohen, acusando Guterres de "ser conhecido pela sua parcialidade contra Israel".

Segundo o chefe da diplomacia israelita, na terça-feira Guterres "foi convidado a ver o vídeo das atrocidades [cometidas pelo Hamas no ataque de 07 de outubro a Israel], que foi projetado na ONU, e negou-se a assistir".
pub
por RTP

Acordo para troca de reféns por prisioneiros palestinianos festejado na Cisjordânia

Foto: José Pinto Dias - RTP

A troca de reféns israelitas por prisioneiros palestinianos deveria começar esta quinta-feira, mas será protelada por 24 horas. O Governo Israelita aprovou o acordo com o Hamas para a libertação de 50 reféns, mulheres e crianças. Um entendimento saudado na Cisjordânia.

Em Ramallah, a população saiu à rua para festejar a libertação de centenas de presos palestinianos, como contam os enviados especiais da RTP Paulo Jerónimo e José Pinto Dias.
pub
por RTP

Seis palestinianos mortos após ataque de `drone` israelita na Cisjordânia

Seis palestinianos morreram no ataque de um `drone` e numa incursão do exército israelita, esta quarta-feira, no campo de refugiados de Tulkarem, um dos principais pontos das milícias palestinianas na Cisjordânia ocupada.
pub
por RTP

Hezbollah reivindica 12 novos ataques contra Israel, dois com mísseis balísticos

O grupo xiita libanês Hezbollah anunciou ter efetuado 12 ataques contra o norte de Israel, dois deles com mísseis balísticos, a poucas horas do início de uma trégua temporária na Faixa de Gaza à qual também admitiu aderir.

Estas ações incluíram o lançamento de dois mísseis balísticos "Burkan", de elevado calibre e que foram dirigidos contra objetivos militares do Estado judaico, indicou em diversos comunicados o movimento político libanês, que possui uma ala militar.
pub
por RTP

Chefe da diplomacia palestiniana acredita que trégua pode ser início do fim da guerra

Foto: Reuters

O embaixador de Israel admite que este acordo tem vários riscos e diz que a guerra não vai terminar enquanto não aniquilarem com o Hamas. Já o chefe da diplomacia da Palestina em Portugal acredita que esta trégua pode ditar o fim da guerra.

pub
por RTP

Comunidade internacional reage com satisfação a acordo entre Israel e Hamas

Foto: Reuters

Do Ocidente aos países árabes, há votos para que este seja o primeiro passo para o fim do conflito que já dura há mais de seis semanas.

pub
por RTP

Troca de reféns por prisioneiros deve acontecer na manhã de quinta-feira

A troca de reféns israelitas por prisioneiros palestinianos deve acontecer a partir da manhã de quinta-feira. O Governo de Israel aprovou o acordo com o Hamas para a libertação de 50 reféns, mulheres e crianças.
pub
por RTP

Governo de Israel aprovou acordo com o Hamas

São 50 as mulheres e crianças israelitas que vão ser libertadas esta quinta-feira de manhã por troca de 150 prisioneiros palestinianos. A Autoridade Palestiniana acredita que isto pode significar uma viragem no conflito, mas Benjamin Netanyahu já reafirmou que vai retomar a guerra depois do cessar-fogo de quatro dias.

pub
por RTP

Netanyahu garante estar a trabalhar pelo regresso de todos os reféns

Numa conferência de imprensa sobre o acordo de tréguas na Faixa de Gaza, Benjamin Netanyahu começou por falar nos reféns israelitas sequestrados pelo Hamas, a 7 de outubro, referindo que viu a fotografia de cada vítima. 

“Trabalhamos sem hesitação desde o início da guerra para os trazer todos”, afirmou o primeiro-ministro de Israel. “Já delineámos de forma clara os objetivos desta guerra: a eliminação do Hamas, a libertação dos reféns e garantir que o Hamas não volta a ser ameaça para Israel”.

 O que resultou neste acordo, continuou, foi com base em “dois grandes esforços”: “a grande pressão militar, constante, contra o Hamas” e a “pressão política que continuamos a exercer”.

O primeiro-ministro israelita deixou ainda claro que a guerra contra o grupo militante palestiniano Hamas continua, apesar do acordo para um breve cessar-fogo e da libertação de alguns reféns.

“A guerra continua”, disse Netanyahu. “Continuamos até alcançarmos a vitória completa”.
pub
por Lusa

Trégua positiva mas Netanyahu é "perdedor" e retomará combates, diz diplomata palestiniano

O chefe da missão diplomática da Palestina em Lisboa considerou hoje a trégua no conflito entre Israel e Hamas "uma boa notícia", mas lamentou que o primeiro-ministro israelita tenha afirmado que, após o cessar-fogo, retomará os combates.

"É uma boa notícia porque, a cada minuto, a cada dia, olhamos para a televisão e vemos o número de pessoas mortas e a destruição em Gaza. Hoje é a notícia da esperança de que muitos reféns ou prisioneiros serão libertados e tenho a certeza de que haverá sorrisos nos rostos de algumas pessoas, por parte das suas famílias de ambos os lados", disse à agência Lusa Nabil Abuznaid, que participou hoje numa iniciativa de estudantes universitários em favor da Palestina.

Abuznaid salientou esperar que os quatro dias de cessar-fogo possam ser "o início de uma trégua final que ponha fim a esta guerra e que ponha fim à ocupação das terras palestinianas".

Questionado pela Lusa sobre o facto de o primeiro-ministro israelita ter afirmado que, logo após a trégua, continuará as ações com vista à eliminação do Hamas na Faixa de Gaza, o diplomata palestiniano acusou Benjamim Netanyahu de querer "uma vitória a qualquer preço".

"Netanyahu é um perdedor, perdeu a popularidade do seu povo, é acusado de corrupção, não conseguiu sequer proteger Israel no dia 07 de outubro e esta é realmente a situação atual. Está à procura de uma vitória a qualquer preço, o que, na minha opinião, não é possível em guerras. Não conseguiu sequer proteger o seu próprio povo", sustentou.

"Penso que a vitória seria se ele avançasse para a paz para acabar com a ocupação. Penso que foi isso que [Itzhak] Rabin [o quinto primeiro-ministro de Israel, de 1974 a 1977, e de 1992 até ao seu assassínio em 1995] aprendeu com a primeira Intifada. Quando viu a violência e viu a posição da comunidade internacional, pensou que a melhor maneira era falar com o inimigo, os palestinianos, e assinou um acordo de paz com [Yasser] Arafat [presidente da Organização para a Libertação da Palestina -- OLP, e líder da Fatah)", acrescentou Abuznaid.

Para o diplomata palestiniano, ao evitar seguir o caminho de Rabin, o atual primeiro-ministro israelita "deixou de ter credibilidade para continuar a ser um líder" em Israel, pois colocou o país numa "situação difícil".

Israel e o movimento islamita Hamas chegaram a um acordo sobre a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza em troca de prisioneiros palestinianos, e que também prevê uma "pausa humanitária" de quatro dias, como referiu o Qatar, um dos mediadores deste entendimento.

O objetivo é permitir a entrada de mais ajuda humanitária e de emergência, no contexto do cerco total que o enclave palestiniano enfrenta, sem abastecimento de água, eletricidade e combustível.

A 07 de outubro, combatentes do Hamas -- desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia (UE) -- realizaram em território israelita um ataque de dimensões sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.200 mortos, na maioria civis, cerca de 5.000 feridos e mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para "erradicar" o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza.

A guerra entre Israel e o Hamas, que hoje entrou no 47.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza mais de 14 mil mortos, na maioria civis, e mais de 33.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais, e 1,7 milhões de deslocados, segundo a ONU.

pub
por RTP

Hezbollah anuncia que vai aderir à trégua temporária decretada em Gaza

O grupo xiita libanês Hezbollah assegurou que vai aderir à trégua humanitária de quatro dias entre Israel e o movimento islamita palestiniano Hamas, numa pausa temporária na troca de disparos com Israel que decorre há seis semanas no sul do Líbano.

Uma fonte próxima do Hezbollah, citada pela agência noticiosa Efe, assegurou que o movimento xiita respeitará o acordo alcançado pelo seu aliado Hamas e também vai respeitar a trégua de quatro dias, apesar de ainda não ter sido emitido um anúncio oficial.
pub
por Lusa

Portugal quer acolher mais uma dezena de palestinianos que continuam em Gaza

 

Portugal quer retirar de Gaza e acolher mais dez a doze palestinianos que têm relações com o país, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros, que confirmou que todas as pessoas com nacionalidade portuguesa já saíram do território.

Segundo João Gomes Cravinho, o Governo tinha uma "lista prioritária" de 16 pessoas com nacionalidade portuguesa para retirar da Faixa de Gaza e a última saiu na terça-feira.

"Mas continuamos com várias outras pessoas, palestinianas, que gostaríamos também de ver retiradas de Gaza, para poderem estar em segurança e poderem vir para Portugal", afirmou o ministro aos jornalistas, em Madrid, onde hoje esteve numa reunião dos titulares da pasta dos Negócios Estrangeiros do grupo de países do sul da União Europeia (UE), conhecido como MED9.

João Gomes Cravinho disse que são "10, 12 pessoas" que estão em Gaza e que Portugal quer acolher, por razões humanitárias, por terem ligações ao país, como um visto de residência ou familiares em território nacional.

O ministro recusou dar mais pormenores por haver "grande sensibilidade no diálogo com as autoridades" de Israel e Egito, os dois países de que depende a retirada de Gaza.

Na terça-feira, uma bebé de nacionalidade portuguesa foi retirada de Gaza em segurança, sendo a última do grupo de cidadãos sinalizados por Portugal para saírem deste território, segundo indicou fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Esta menor estava autorizada a sair, juntamente com os familiares que morreram na quarta-feira num bombardeamento no sul da Faixa de Gaza, na sequência do conflito entre Israel e o movimento islamita palestiniano Hamas neste enclave.

Uma outra cidadã portuguesa que estava incluída no grupo prioritário optou por ficar em Gaza, referiu a fonte oficial da diplomacia portuguesa.

Na quinta-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros tinha divulgado a saída de oito cidadãos sinalizados por Portugal - dois nacionais e seis familiares - através da passagem de Rafah, a qual está aberta para a retirada de cidadãos estrangeiros de Gaza para o Egito.

Numa nota informativa, a diplomacia portuguesa especificava que a saída da menor ainda não tinha ocorrido devido a dificuldades de comunicação com os seus familiares.

Um bombardeamento no sul da Faixa de Gaza na quarta-feira passada causou a morte de três portugueses, uma adulta e duas crianças, e dois familiares, que estavam incluídos na lista que o Governo português forneceu às autoridades para a retirada da Faixa de Gaza.

A 07 de outubro, combatentes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) - desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel - realizaram em território israelita um ataque de dimensões sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.200 mortos, na maioria civis, cerca de 5.000 feridos e mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para "erradicar" o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza.

A guerra entre Israel e o Hamas fez até agora na Faixa de Gaza mais de 14.000 mortos, na maioria civis, e mais de 30.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais.

Segundo as Nações Unidas, a guerra já provocou 1,7 milhões de deslocados em Gaza.

pub
por RTP

UNICEF alerta: "Gaza é lugar mais perigoso do mundo para ser criança"

Gaza é o "lugar mais perigoso do mundo para se ser criança", lamentou a UNICEF, frisando que cerca de 115 menores morrem diariamente no enclave em 46 dias de guerra entre Israel e o Hamas.

Numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) para abordar os "desenvolvimentos profundamente preocupantes no Território Palestiniano Ocupado e o grave impacto nas mulheres e crianças", a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Catherine Russell, afirmou que as crianças representam 40 por cento das mortes na Faixa de Gaza.

C/ Lusa
pub
por RTP

Forças israelitas afirmam ter intercetado míssil que visava sul do país

O Exército israelita afirmou que intercetou com um avião de combate um míssil de cruzeiro que avançava em direção ao sul do país, em plena guerra contra o movimento islamita palestiniano Hamas na Faixa de Gaza.

“Um caça da Força Aérea Israelita intercetou com sucesso um míssil de cruzeiro que lançado em direção a Israel”, disse em comunicado o Exército, após relatos de uma intrusão no espaço aéreo perto da cidade de Eilat.

“Nenhuma infiltração em território israelita foi identificada”, disse o comunicado.

C/Lusa
pub
por RTP

Israel anuncia destruição de "cerca de 400 acessos a túneis" em Gaza

O Exército israelita anunciou ter destruído “cerca de 400 acessos a túneis” utilizados pelo movimento islamita palestiniano Hamas na Faixa de Gaza.

“Até agora, as forças localizaram e destruíram cerca de 400 entradas de túneis”, declarou o Exército israelita num comunicado divulgado na sua página da Internet, antes de sublinhar que os militares “estão a dedicar uma parte significativa do seu tempo” à realização destas operações.

Afirmou também que “o Hamas usa intermediários civis e constrói infraestruturas terroristas subterrâneas no coração de bairros civis, perto de habitações, escolas, hospitais, cemitérios e zonas agrícolas”.

“As Forças de Defesa de Israel (FDI) continuam a combater na Faixa de Gaza”, frisou, horas após o anúncio de um acordo entre Israel e o Hamas para uma trégua de quatro dias em troca da libertação de 50 pessoas sequestradas pelo grupo islamita.

C/Lusa
pub
Momento-Chave
por RTP

Governo Federal da Suíça vai considerar o Hamas grupo terrorista

O Governo Federal suíço decidiu proibir o movimento palestiniano Hamas através de um projeto de lei apresentado ao Parlamento que vai ser votado em 2024, indica hoje um comunicado oficial.

O Conselho Federal (Governo) "decidiu redigir a lei com o objetivo de proibir o Hamas, considerando que esta opção é a melhor solução para a situação que se vive desde 7 de outubro no Médio Oriente" e para os ataques sem precedentes do movimento em território israelita.
pub
Momento-Chave
Em encontro com o papa
por RTP

Familiares de reféns dizem que Israel e Hamas são incomparáveis

Um dos familiares de um refém israelita em Gaza declarou hoje que Israel e o Hamas são incomparáveis, já que o grupo islamita palestiniano é uma organização terrorista, após encontrar-se hoje com o Papa no Vaticano.

“Não pode haver comparação entre o Hamas, que é uma organização terrorista e se escuda por trás de civis, e Israel, que defende os civis”, afirmou Nadav aos jornalistas numa conferência de imprensa em Roma.

O homem é um dos 12 familiares de civis israelitas reféns do Hamas, raptados durante o ataque de 7 de outubro em Israel, que se encontraram hoje com o Papa Francisco.

Outro familiar de um refém israelita, Yehuda, expressou deceção porque Francisco supostamente “não mencionou o Hamas e não falou deste como uma organização terrorista”.

“Apenas disse que a guerra tinha de acabar”, referiu Yehuda, acrescentando que “não houve tempo para lhe contar a [sua] história”.

No entanto, Yair Rotem, outro familiar da delegação israelita, considerou que a reunião foi eficaz porque Francisco ouviu os familiares dos reféns.

Posteriormente, Francisco também se reuniu com uma delegação de dez palestinianos, cristãos e muçulmanos, que têm familiares em Gaza.

“Eles sofrem muito e senti como ambos sofrem: as guerras fazem isto, mas aqui fomos além das guerras, isto não é fazer guerra, isto é terrorismo”, afirmou Francisco no final de ambos os encontros, realizados antes da audiência geral de quarta-feira, no Vaticano.

“Rezem pela paz, rezem muito pela paz (...)”, afirmou Francisco.
pub
Momento-Chave
por RTP

Líder do Irão afirma que Hamas "derrubou" Israel com ataques

O líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, declarou hoje que o Hamas "derrubou" Israel com os ataques de 7 de outubro e sublinhou que o bombardeamento israelita da Faixa de Gaza "encurtou a vida do regime usurpador".

"Um grupo palestiniano de resistentes, e não um governo ou um país bem equipado, conseguiu derrubar o regime usurpador sionista, que dispunha de muitos recursos", afirmou Khamenei durante um encontro com atletas iranianos, a quem aplaudiu a decisão de não competir contra Israel em eventos internacionais, indicou um comunicado divulgado pelo seu gabinete.

"Mostram força ao retaliarem bombardeando hospitais e escolas em Gaza. Isto é semelhante a um atleta que perde uma competição e responde agredindo e insultando os adeptos da equipa rival", disse Khamenei, que sublinhou que Israel "deve saber que a opressão e as atrocidades não ficarão sem resposta".

"Estes bombardeamentos encurtam a vida do regime usurpador", afirmou.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, afirmou que "o futuro de Gaza e da Palestina será decidido apenas pelo povo palestiniano".

"Ouvimos os líderes da resistência na região dizer que os seus dedos estarão no gatilho até que os direitos do povo palestiniano sejam cumpridos", disse o chefe da diplomacia iraniana no Líbano, onde se encontra em visita oficial.

"Estamos em Beirute para consultar as autoridades libanesas sobre a forma de aumentar a segurança na região e de concretizar os direitos dos palestinianos", afirmou, horas depois de Israel e o Hamas terem anunciado um acordo para uma trégua de quatro dias em Gaza, em troca da libertação de 50 pessoas feitas reféns pelo movimento de resistência islâmico a 7 de outubro.

c/Lusa
pub
Momento-Chave
por RTP

Duas escolas da UNRWA em Gaza completamente destruídas

A agência das Nações Unidas para a assistência aos refugiados palestinianos afirma que, desde o início da guerra a 7 de outubro, pelo menos 798 pessoas abrigadas nas suas escolas em Gaza ficaram feridas e 191 morreram. Dois dos estabelecimentos foram completamente destruídos na sequência dos ataques israelitas.

A UNRWA refere ainda que, em pelo menos cinco situações, as suas instalações foram usadas pelos militares israelitas, incluindo a entrada de tanques, a de franco-atiradores, e a realização de interrogatórios e detenções.

A agência avança que 89 incidentes ocorreram em 69 das instalações. Pelo menos 23 das instalações atingidas sofreram ataques diretos.
A agência das Nações Unidas alertou também para o facto de a sobrelotação dos abrigos improvisados estar "a conduzir a uma propagação significativa de doenças, incluindo doenças respiratórias agudas e diarreia, a levantar problemas ambientais e de saúde e a limitar a capacidade da Agência para prestar serviços".

"As pessoas nos abrigos não dispõem de alimentos suficientes e de artigos básicos de sobrevivência. Os níveis de higiene são baixos e os problemas de saúde mental são predominantes", continua referindo que, em média, há uma unidade de duche para cada 700 pessoas nos abrigos da UNRWA.

O número de casas de banho difere de um abrigo para outro. "Em geral, há 30 a 50 casas de banho por escola (incluindo as destinadas a pessoas com deficiência). Em média, 160 pessoas abrigadas nas escolas da UNRWA partilham uma única casa de banho".
pub
Momento-Chave
por RTP

Acordo de cessar-fogo entre Israel e Hamas entra em vigor na quinta-feira

O acordo de cessar-fogo, que se prevê que dure quatro dias, entra em vigor às 10h00 (8h00 em Lisboa). Para o Hamas é urgente travar a máquina de guerra israelita, como assinalam os enviados especiais da RTP Paulo Jerónimo e José Pinto Dias.

O primeiro-ministro israelita teve de se comprometer com a ala mais radical do seu Governo de que, apesar do acordo de cessar-fogo, a guerra não vai terminar e que na próxima terça-feira os ataques à Faixa de Gaza são retomados.
pub
por RTP

Bruxelas vê janela de oportunidade para reforçar ajuda a Gaza

A Comissão Europeia quer aproveitar a trégua de quatro dias no Médio Oriente para intensificar a ajuda humanitária a Gaza.

pub
por RTP

Israel e Hamas selam acordo. Reféns serão trocados por prisioneiros

Após 47 dias de guerra, esforços diplomáticos e pressão das famílias dos reféns, Israel e o Hamas chegaram a um acordo.

Numa primeira fase, vão ser libertados 50 reféns israelitas em troca da libertação de cerca de 150 prisioneiros palestinianos, durante uma trégua de quatro dias.

O processo pode arrancar já esta quinta-feira.

Numa segunda fase, a libertação de cada dez reféns adicionais resultará num dia adicional de trégua.
pub
por RTP

Acordo com Hamas. Biden elogia Netanyahu

Há muito que a comunidade internacional pedia para que a trégua acontecesse. Joe Biden elogia Benjamin Netanyahu pelo compromisso assumido.

O presidente dos Estados Unidos espera que todos os pontos do acordo sejam agora cumpridos.
pub
Momento-Chave
por RTP

Israel confirma que cessar-fogo tem início às 10h00 (8h00 em Lisboa) de quinta-feira

A trégua entre Israel e Hamas deve começar às 10h00 locais (08h00 em Lisboa) de quinta-feira, revelou à CNN um funcionário israelita.
pub
Momento-Chave
Números do Comité para a Proteção dos Jornalistas
por RTP

Pelo menos 53 profissionais mortos desde o início do conflito

O número de jornalistas mortos no conflito entre Israel e o Hamas desde 7 de outubro aumentou para pelo menos 53, segundo o Comité para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

O CPJ afirmou que ainda está a investigar numerosos relatos não confirmados de outros jornalistas mortos, desaparecidos, detidos ou feridos.

Na terça-feira, a repórter Farah Omar e o operador de câmara Rabih al Mamari, da Al Mayadeen, foram mortos por um ataque israelita no sul do Líbano. O exército israelita declarou que "esta é uma zona de hostilidades ativas, onde ocorrem trocas de tiros. A presença na zona é perigosa" a propósito do incidente. O canal de televisão acusou Israel de visar deliberadamente os seus trabalhadores.

Segundo o CPJ, o número de jornalistas mortos inclui 46 palestinianos, quatro jornalistas de Israel e três do Líbano.
pub
Momento-Chave
por RTP

Turquia espera que acordo entre Israel e Hamas “ajude a acabar totalmente com o conflito”

A Turquia espera que o acordo entre Israel e o Hamas para a libertação de reféns e uma trégua nos combates em Gaza ajude a "acabar totalmente" com a guerra entre o Estado hebraico e o movimento islâmico palestiniano.

“Esperamos que esta trégua humanitária contribua para acabar totalmente com o conflito o mais rapidamente possível e iniciar um processo rumo a uma paz justa e duradoura”, afirmou o Ministério turco dos Negócios Estrangeiros em comunicado.
pub
Momento-Chave
por Joana Raposo Santos - RTP

Acordo com o Hamas. Quem são os prisioneiros palestinianos que Israel vai libertar?

Das três centenas de nomes da lista, em hebraico, 123 são menores. Mussa Qawasma - Reuters

Ao fim de seis semanas de guerra no Médio Oriente, Israel e Hamas chegaram a um acordo. O grupo extremista comprometeu-se a libertar pelo menos 50 reféns que se encontram em Gaza. Em troca, Israel vai libertar 150 palestinianos da prisão, para além de interromper os bombardeamentos no sul de Gaza durante quatro dias e de deixar entrar nessa região ajuda humanitária.

Apesar de o acordo ser para a libertação de 150 palestinianos, a lista divulgada esta quarta-feira pelo Ministério da Justiça de Israel inclui 300 nomes. Isto para dar ao Hamas a possibilidade de libertar mais reféns do que o previsto, em troca de mais prisioneiros.Agora, os cidadãos israelitas têm um dia para recorrer da decisão do tribunal.

Das três centenas de nomes da lista, em hebraico, 123 são menores. Cinco deles têm 14 anos e foram detidos por crimes que vão de fogo posto ao lançamento de bombas.

Uma das cidadãs palestinianas da lista é Misoun Mussa, condenada em 2015 a 15 anos de prisão por esfaquear um soldado israelita em Jerusalém. Outra é Marah Bakeer, detida no mesmo ano por esfaquear um agente da polícia fronteiriça e sentenciada a oito anos e meio de prisão.

O diário Haaretz refere também o caso de Asra Jabas, palestiniana que fez explodir um depósito de combustível, acabando por deixar um polícia ferido. A mulher mais velha da lista, com 59 anos, está detida por crimes relacionados com segurança. Já Samira Harbawi, de 53 anos, foi presa por “danos físicos graves” a terceiros e por “transporte e fabrico” de armas brancas.
Condenados por homicídio ficaram fora da lista
Israel recusou libertar prisioneiros condenados por homicídio. Concordou, porém, em deixar sair em liberdade condenados por tentativa de homicídio e atividades terroristas, assim como crimes menos graves, como danos a propriedades, interferência na atividade policial, reuniões ilegais, ataques a polícias ou posse de armas e explosivos.

Segundo o Haaretz, os prisioneiros palestinianos pertencem aos grupos Hamas, Fatah, Jihad Islâmica e Frente Popular. No entanto, muitos deles terão agido em nome próprio. Vários dos detidos não chegaram a ser julgados.

Algumas das 300 pessoas incluídas na lista são residentes de Jerusalém e possuem bilhetes de identidade israelitas.

O Governo israelita decidiu que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa, Yoav Gallant, e o líder da oposição e membro do Governo de emergência Benny Gantz vão determinar que prisioneiros serão libertados em cada fase.

Está também nas mãos dos três homens a data para o fim do cessar-fogo, desde que este não se prolongue por mais de dez dias.
pub
Momento-Chave
por Lusa

Hamas anuncia que tréguas em Gaza entrarão em vigor às 10h00 de quinta-feira

O movimento islamita Hamas anunciou hoje que as tréguas de quatro dias acordadas com Israel em troca da libertação de 50 reféns entrarão em vigor às 10:00 locais de quinta-feira (08:00 em Lisboa).

"A trégua na Faixa de Gaza começará às 10h00 de amanhã [quinta-feira]", declarou Musa Abou Marzouk, membro sénior da ala política do Hamas, à cadeia de televisão Al Jazeera do Qatar.

Marzouk adiantou que o Hamas "está preparado para um cessar-fogo global e para uma troca de prisioneiros", antes de indicar que "a maior parte" dos reféns feitos durante os ataques de 7 de outubro a libertar "são estrangeiros", sem dar mais pormenores.

 

JSD //APN

Lusa/Fim

pub
Momento-Chave
por RTP

ONU considera que acordo entre Israel e Hamas "é um importante passo em frente" mas "ainda há muito a fazer"

O acordo entre Israel e o Hamas para a libertação de reféns e uma trégua nos combates em Gaza é "um passo importante na direção certa, mas ainda há muito a fazer", afirmou o porta-voz do secretário-geral da ONU.

António Guterres "congratula-se com o acordo alcançado entre Israel e o Hamas, com a mediação do Qatar, apoiado pelo Egito e pelos Estados Unidos", afirmou o porta-voz numa breve declaração recebida em Genebra, acrescentando que a ONU fará tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar à sua implementação.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, saudou igualmente o acordo na rede social X, mas também insistiu que “isto não é suficiente para pôr fim ao sofrimento dos civis”.

Tedros pediu a libertação de todos os reféns e reiterou “que aqueles que ainda estão reféns devem receber todos os cuidados médicos necessários”.

pub
Momento-Chave
Avança MNE de Israel
por RTP

Processo de transferência de reféns deve começar amanhã

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Eli Cohen, disse à Rádio do Exército em Israel que o processo de transferência de reféns do Hamas para Israel deverá começar amanhã.

Eli Cohen não deu pormenores exatos sobre o número de reféns que serão trocados no início, nem sobre a data.
pub
Arábia Saudita, Egito e Jordânia
por RTP

Nações árabes defendem tréguas prolongadas e reforço da ajuda humanitária

Os ministros árabes dos Negócios Estrangeiros árabes receberam bem um acordo para uma trégua temporária entre Israel e o grupo militante Hamas em Gaza, mas disseram que deveria ser alargado e tornar-se um primeiro passo para uma cessação total das hostilidades.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Arábia Saudita, do Egito e da Jordânia disseram numa conferência de imprensa em Londres que o acordo, que inclui a libertação de reféns e o aumento da ajuda à devastada Faixa de Gaza, deveria também conduzir a um reatamento das conversações para uma solução de dois Estados.

O ministro saudita dos Negócios Estrangeiros, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, afirmou que a ajuda humanitária deve ser mantida e alargada e que não deve depender da libertação de novos reféns.

"Qualquer que seja o acesso humanitário que agora aumente em resultado deste acordo sobre os reféns, deve manter-se e deve ser desenvolvido", afirmou.

"Em nenhum momento deve haver uma redução deste acesso com base em progressos para a libertação de mais reféns ... Punir a população civil de Gaza pela manutenção desses reféns é absolutamente inaceitável".
pub
Momento-Chave
Túneis na mira de Israel
por RTP

Exército israelita clama ter "exposto e destruído aproximadamente 400 poços" de entrada para túneis do Hamas

Em mensagem divulgada no Telegram, lê-se que "a unidade de forças especiais Yahalom do Corpo de Engenharia desempenhou um papel significativo na descoberta e na destruição destes poços, utilizando vários métodos".

"O Hamas instalou a sua rede de túneis terroristas abaixo dos centros populacionais da Faixa de Gaza. Muitos dos poços que levam a esta rede de túneis estão localizados dentro de hospitais civis, escolas e residências", reiteram as Forças de Defesa de Israel.
pub
Momento-Chave
por Joana Raposo Santos - RTP

Gaza. O que se sabe sobre o acordo entre Israel e Hamas para a libertação de reféns

O Governo de Netanyahu prometeu uma trégua de quatro dias em troca da libertação de 50 reféns. José Pinto Dias e Paulo Jerónimo - RTP

Quarenta e cinco dias depois do reacender do conflito no Médio Oriente, Israel e Hamas chegaram a um acordo para a libertação de reféns que implica um curto cessar-fogo. As negociações foram complexas e duraram várias semanas, contando com o apoio do Catar, Estados Unidos e Egito.

O que foi negociado?
A pausa nas hostilidades começa com a libertação de pelo menos meia centena de mulheres e crianças feitas reféns pelo Hamas em Gaza. Deverão ser libertados entre dez a 12 reféns por dia entre quinta e segunda-feira.

Israel está já a preparar seis hospitais onde estas 30 crianças e 20 mulheres serão recebidas e avaliadas. Se estiverem saudáveis, poderão regressar às famílias. Segundo os EUA, deverão ser libertados três americanos, incluindo uma menina de três anos.

Em troca, o Governo de Benjamin Netanyahu prometeu uma trégua de quatro dias, a libertação de 150 mulheres e crianças palestinianas de uma prisão israelita e a permissão da entrada de ajuda humanitária em Gaza, nomeadamente alimentos, água, medicamentos e combustível.

Os prisioneiros palestinianos apenas serão libertados depois de os primeiros reféns do Hamas chegarem às suas casas. Já a pausa nos ataques aéreos israelitas apenas se aplica ao sul de Gaza. No norte vão continuar, mas num máximo de seis horas por dia.

Além disso, as forças israelitas concordaram em não levar mais veículos militares para o território nem realizar mais detenções enquanto durar o cessar-fogo.
E depois?
Após libertados os primeiros 50 reféns, continuarão em Gaza cerca de 200 israelitas e pessoas de outras nacionalidades nessa condição.

Por essa razão, apesar de este acordo inicial ter sido alcançado, as negociações continuam. Em cima da mesa está um plano para prolongar o cessar-fogo caso o Hamas aceite libertar outros dez reféns israelitas por cada dia de pausa nos ataques e bombardeamentos contra Gaza.
O acordo afeta a estratégia militar de Israel?
A aceitação da pausa humanitária representa, para Israel, um recuo na promessa inicial. Ao lançarem a incursão sobre Gaza, a intenção das forças israelitas era trazerem de volta os reféns enquanto destruíam o Hamas.

Agora, porém, esta pausa nos ataques vai permitir a esse grupo voltar a juntar-se após seis semanas de bombardeamentos e, eventualmente, acertar uma nova estratégia.

As forças israelitas já avisaram que, assim que terminar o cessar-fogo, vão virar as suas atenções do norte para o sul de Gaza, onde acreditam que os líderes do Hamas se encontram escondidos, em túneis subterrâneos.
A ajuda a Gaza vai ser suficiente?
Mesmo com a ajuda que vai agora chegar a Gaza, esse território palestiniano continuará a debater-se com um desastre humanitário, segundo vários grupos internacionais de Direitos Humanos.

Grande parte de Gaza está em ruínas e há uma necessidade urgente de comida, água e medicamentos, que em quatro dias não conseguirão ser entregues em quantidade suficiente.

Além disso, analistas já avisaram que, mesmo que a comunidade internacional conseguisse entregar bens de primeira necessidade em quantidade suficiente, as equipas de apoio humanitário iriam continuar sem conseguir distribuí-los devido à falta de combustível.

Há neste momento mais de um milhão de deslocados, neste momento abrigados em tendas, abrigos e escolas agora sobrelotados no sul do território.
Como é que os israelitas estão a ver este acordo?
As sondagens indicam que, em Israel, a maioria da população apoia o acordo para a libertação de reféns. Nas últimas semanas, aliás, as famílias dos reféns têm realizado protestos em Telavive e Jerusalém para exigirem ao Governo de Netanyahu que “pague o preço que tiver de pagar” para a libertação dessas pessoas.

Por todo o território israelita, cartazes com fotografias dos reféns foram colados pelas ruas e estradas com um apelo: “Tragam-nos para casa”.

Há, no entanto, quem se tenha oposto a esta trégua. Os ministros de extrema-direita da coligação do primeiro-ministro israelita votaram contra o acordo na última noite, argumentando que este é mau por não assegurar o regresso de todos os reféns e diminuir as hipóteses de atacar o Hamas.
pub
Hospital al-Shifa
por RTP

Crescente Vermelho Palestiniano está a retirar mais doentes da maior unidade hospitalar de Gaza

No Facebook, a Sociedade do Crescente Vermelho Palestiniano indica que "14 ambulâncias", acompanhadas "pelas Nações Unidas e pelos Médicos Sem Fronteiras, chegaram para retirar doentes e feridos do Hospital al-Shifa para hospitais do sul" da Faixa de Gaza.

Os doentes renais "serão transferidos para o Hospital Abu Youssef Al-Najjar, em Rafah", e os feridos estão a ser transportados para o Hospital Europeu, a sul de Khan Younis.
pub
Momento-Chave
Aviação israelita ataca Hezbollah
por RTP

Forças de Defesa de Israel revelam ter bombardeado posições do movimento xiita libanês

No Telegram, a máquina de guerra do Estado hebraico adianta que "caças das Forças de Defesa de Israel atingiram vários alvos terroristas do Hezbollah no Líbano". Os alvos atingidos terão sido "infraestruturas e um posto militar" do movimento xiita libanês.
pub
Momento-Chave
Kremlin saúda acordo
por RTP

Presidência russa refere-se ao entendimento para a libertação de reféns israelitas como "a primeira boa notícia em muito tempo"

O gabinete de Vladimir Putin afirma, numa tomada de posição citada pela Reuters, que as pausas humanitárias na contraofensiva israelita são a única forma de envidar esforços para uma solução duradoura e sustentável.
pub
Dados da destruição
por RTP

Josep Borrell ficou a saber junto da Autoridade Palestiniana que 40% das habitações em Gaza caíram por terra

Ao cabo de cinco dias de um périplo que o levou a Israel, Cisjordânia, Catar, Bahrain e Jordânia, o alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, quis partilhar uma mensagem de "absoluta urgência" face à "dramática situação em Gaza" e à "esperança ténue" de conversações de paz que permitam uma solução política duradoura para o Médio Oriente.

Os números que Borrell obteve junto da Autoridade Palestiniana, na Cisjordânia, "confirmam os piores receios" relativamente a Gaza.


O responsável afirmou ainda que os seus encontros com famílias de reféns tornou "completamente compreensível o choque que a sociedade israelita sofreu" com a ofensiva desencadeada a 7 de outubro pelo Hamas.
pub
por Lusa

Jordânia diz que trégua temporária deve ser um passo para acabar com a guerra

A Jordânia exigiu hoje que a trégua temporária entre Israel e o movimento islamita Hamas seja um passo rumo à "cessação total da guerra" e agradeceu os esforços de mediação do Qatar, Egito e Estados Unidos para a alcançar.

"É importante que esta trégua seja um passo que conduza à cessação total da guerra contra a Faixa de Gaza e que contribua para a cessação da escalada dos ataques contra civis e da sua deslocação forçada", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Jordânia, Sufyan al Qudah.

O responsável destacou a "importância do acordo para garantir a chegada da ajuda humanitária a todas as regiões da Faixa de Gaza de uma forma que responda a todas as necessidades e assegure a estabilidade e permanência nas suas casas aos habitantes de Gaza".

A trégua, que entrará em vigor nas próximas 24 horas, permitirá ao Hamas libertar 50 mulheres e crianças, mantidas reféns em Gaza desde o ataque do Hamas a Israel em 07 de outubro, em troca da libertação, por parte de Israel, de um número indeterminado de "mulheres e crianças palestinianas detidas em prisões israelitas".

A pausa, de quatro dias, prorrogável, permitirá também a entrada no enclave palestiniano de "um maior número de comboios humanitários e de ajuda, incluindo combustível destinado a necessidades humanitárias", segundo um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Qatar.

A Jordânia, que assinou a paz com Israel em 1994 e é o segundo Estado árabe a fazê-lo, depois do Egito (1979), é um dos países que mais rejeitou a ofensiva de Israel em Gaza, tendo retirado há três semanas o seu embaixador de Telavive com a condição de devolvê-lo assim que a guerra terminasse.

Tanto Amã como o Cairo rejeitaram categoricamente o deslocamento forçado da população de Gaza para território egípcio ou jordano, algo que disseram que considerariam uma "declaração de guerra" e uma "ameaça".

pub
Momento-Chave
por RTP

Gaza. Cinquenta reféns do Hamas serão libertados até segunda-feira

O acordo entre Israel e Hamas para a libertação de reféns em Gaza foi selado durante a última madrugada. O Governo de Benjamin Netanyahu, composto por partidos da direita à esquerda, conseguiu um entendimento para que o acordo se materializasse. A contrapartida será a libertação de 150 prisioneiros palestinianos, número aventado pelo movimento radical.

Dez de 50 reféns serão libertados já na quinta-feira, com os restantes a saírem em liberdade nos dias seguintes, até segunda-feira. São 30 crianças e 20 mulheres.

Israel está já a preparar seis hospitais onde estas cinco dezenas de pessoas serão recebidas e avaliadas. Se estiverem saudáveis, poderão regressar às famílias.

O acordo inclui ainda um cessar-fogo de quatro dias, assim como a entrega de bens para a Faixa de Gaza ao cuidado do Hamas, nomeadamente alimentos, água, medicamentos e combustível.
pub
Momento-Chave
Operações israelitas prosseguem
por RTP

Campanha em Gaza ainda não parou. Há relatos de intensos bombardeamentos nas últimas horas

Na plataforma de mensagens Telegram, as Forças de Defesa de Israel afirmam que "continuam a operar na Faixa de Gaza, a atacar infraestruturas terroristas, a matar terroristas e a localizar armas".

"No último dia, as tropas das IDF dirigiram aviões para atacar infraestruturas terroristas a partir das quais saíram disparos contra as nossas forças. Vários terroristas foram mortos no ataque", acrescentam. As tropas terrestres israelitas efetuaram ainda "incursões em Sheikh Za’id, no noroeste de Jabalya".

"Nos últimos dias, as tropas das IDF efetuaram incursões na área de Beit Hanoun. Durente a operação, as tropas localizaram numerosas armas, espingardas AK-47, machados e munições armazenados numa residência civil. As tropas envolveram-se em combates e eliminaram várias células terroristas", conclui o Tsahal.
pub
por Lusa

Von der Leyen saúda acordo de trégua temporária e libertação de reféns

Os presidentes da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Conselho Europeu saudaram hoje o acordo sobre a anunciada trégua em Gaza e a libertação dos reféns indicando que a pausa deve ser aproveitada para "intensificar" a ajuda humanitária.

"A Comissão Europeia fará todo o possível para aproveitar esta pausa para uma onda humanitária para Gaza", disse a presidente da Comissão Europeia, Úrsula Von der Leyen, em comunicado, adiantando que pediu ao seu comissário para a Gestão de Crises, Janez Lenarcic, que intensificasse os envios de ajuda e o "mais rápido possível para aliviar a crise humanitária".

Ursula von der Leyen saudou também com "grande satisfação" o acordo alcançado para a libertação de 50 reféns e a pausa nas hostilidades.

"Cada dia que estas mães e crianças são mantidas reféns por terroristas é demais. Partilho a alegria das famílias que em breve poderão voltar a abraçar os seus entes queridos", acrescentou Von der Leyen.

A presidente da Comissão Europeia disse estar também "muito grata a todos aqueles que trabalharam incansavelmente através dos canais diplomáticos nas últimas semanas para negociar este acordo" e apelou ao Hamas para "libertar imediatamente todos os reféns e permitir-lhes regressar a casa em segurança".

Também os presidentes do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, e do Conselho Europeu, Charles Michel, manifestaram a sua satisfação com o acordo para uma pausa humanitária nas hostilidades em Gaza e a libertação dos reféns.

Roberta Metsola disse numa mensagem na rede social X (antigo Twitter) que a libertação dos reféns dá "alguma esperança às famílias devastadas em Israel e algum alívio aos palestinianos em Gaza".

A presidente do Parlamento Europeu apelou ainda para que se aproveite este momento para "redobrar esforços para devolver todos os refugiados às suas casas, intensificar a ajuda humanitária e aproveitar este raio de esperança para encontrar uma solução duradoura e sustentável e uma verdadeira visão de paz que reconstrua o horizonte político".

Por sua vez, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, agradeceu especialmente ao Qatar e ao Egito por ajudarem na negociação do acordo e apelou ao Hamas para libertar "todos" os refugiados.

O antigo primeiro-ministro belga também considerou "crucial" aproveitar esta pausa nas hostilidades para permitir que o máximo de ajuda humanitária chegue ao que é necessário em Gaza.

O Qatar disse hoje que vai ser anunciado nas próximas 24 horas o início da trégua de quatro dias entre Israel e o movimento islamita Hamas, que prevê a libertação de reféns em Gaza e de prisioneiros palestinianos.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros catari descreveu as conversações que produziram o acordo para uma "pausa humanitária" como o resultado de uma mediação do Egito, dos EUA e do Qatar.

"O acordo inclui a libertação de 50 reféns, mulheres e crianças civis, atualmente detidas na Faixa de Gaza, em troca da libertação de um número de mulheres e crianças palestinianas detidas em prisões israelitas", referiu o ministério.

O Qatar sublinhou que o cessar-fogo "irá permitir a entrada de um maior número de comboios humanitários e ajuda humanitária, incluindo combustível designado para necessidades humanitárias".

Israel aceitou na terça-feira o acordo, com todos os membros do executivo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, a votarem a favor, exceto os três ministros do Partido do Poder Judaico (Otzma Yehudit), de extrema-direita, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir.

O Hamas saudou hoje o acordo, mas garantiu que a luta não terminou.

Telavive declarou guerra ao Hamas depois de o grupo islamita ter lançado um ataque contra Israel a 07 de outubro, no qual morreram mais de 1.200 pessoas e 240 foram raptadas e levadas para Gaza.

pub
por Lusa

Presidente israelita apoia acordo com Hamas para trégua e libertação de 50 reféns

O Presidente de Israel, Isaac Herzog, disse hoje apoiar o acordo assinado com o movimento islamita Hamas para uma trégua de quatro dias, que prevê a libertação de reféns em Gaza e de prisioneiros palestinianos.

"As reservas são compreensíveis, dolorosas e difíceis, mas dadas as circunstâncias apoio a decisão do primeiro-ministro [Benjamin Netanyahu] e do Governo de continuar com o acordo de libertação de reféns", disse Herzog.

Numa nota publicada na rede social X (antigo Twitter), o chefe de Estado disse esperar que o acordo "seja o primeiro passo para devolver todos os reféns a casa".

"O Estado de Israel, o exército e as forças de segurança continuarão a agir por todos os meios para atingir este objetivo, juntamente com o regresso da segurança absoluta para os cidadãos de Israel", acrescentou Herzog.

Israel aceitou na terça-feira o acordo, com todos os membros do executivo de Netanyahu a votarem a favor, exceto os três ministros do Partido do Poder Judaico (Otzma Yehudit), de extrema-direita, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir.

O Qatar disse hoje que vai ser anunciado nas próximas 24 horas o início da trégua de quatro dias entre Israel e o movimento islamita Hamas, que prevê a libertação de reféns em Gaza e de prisioneiros palestinianos.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros catari descreveu as conversações que produziram o acordo para uma "pausa humanitária" como o resultado de uma mediação do Egito, dos EUA e do Qatar.

"O início da pausa será anunciado nas próximas 24 horas e terá a duração de quatro dias, sujeito a prorrogação", referiu o comunicado.

"O acordo inclui a libertação de 50 reféns, mulheres e crianças civis, atualmente detidas na Faixa de Gaza, em troca da libertação de um número de mulheres e crianças palestinianas detidas em prisões israelitas", referiu o ministério.

"O número de pessoas libertadas irá aumentar em fases posteriores da implementação do acordo", acrescentou o comunicado.

O Qatar sublinhou que o cessar-fogo "irá permitir a entrada de um maior número de comboios humanitários e ajuda humanitária, incluindo combustível designado para necessidades humanitárias".

O Hamas saudou hoje o acordo, mas garantiu que a luta não terminou. "Confirmamos que as nossas mãos continuarão no gatilho e que os nossos batalhões triunfantes continuarão atentos", alertou o grupo, num comunicado.

Esta trégua surge após semanas de pressão crescente por parte da comunidade internacional e dos principais organismos internacionais, como as Nações Unidas, para pôr termo aos ataques incessantes, que também já causaram mais de 1,5 milhões de deslocados.

Telavive declarou guerra ao Hamas depois de o grupo islamita ter lançado um ataque contra Israel a 07 de outubro, no qual morreram mais de 1.200 pessoas e 240 foram raptadas e levadas para Gaza.

pub
Momento-Chave
Ponto de situação
por RTP

Gaza à espera de trégua após acordo para libertação de reféns em troca de prisioneiros

  • Israel e o Hamas chegaram a acordo para a libertação de reféns em Gaza. Cinquenta pessoas - mulheres e crianças - poderão partir em troca da libertação de 150 prisioneiros palestinianos, número avançado pelo movimento radical;

  • O compromisso prevê um cessar-fogo de quatro dias. Será o momento mais significativo de pausa no conflito que já perdura há cinco semanas. A 7 de outubro, o Hamas fez pelo menos 240 reféns durante um ataque a um festival;

  • A pausa na contraofensiva israelita pode prolongar-se por mais de quatro dias. O Governo de Telavive diz que, por cada dez reféns libertados além dos primeiros 50, a trégua estender-se-á por mais um dia;

  • O Hamas sublinha que se trata de um acordo para uma trégua humanitária. O Catar, no centro da mediação, confirmou a pausa nas hostilidades. O início da interrupção dos combates deverá ser anunciado nas próximas 24 horas;

  • Os Estados Unidos estiveram envolvidos na negociação e já aplaudiram este acordo. Fonte da Administração Biden confirma que, entre os reféns a libertar, estão três mulheres com nacionalidade norte-americana. Há duas semanas que Washington e o Cairo trabalham em conjunto com o Catar para conseguirem a libertação de reféns;

  • O primeiro-ministro israelita diz que esta pausa na ofensiva foi a decisão certa para conseguir libertar reféns. Ainda assim, Benjamin Netanyahu sublinha que a guerra vai continuar até Israel alcançar os seus objetivos, a começar pela "eliminação do Hamas";

  • O Catar adianta que Gaza receberá uma extensa coluna de camiões carregados com material humanitário, além de combustível.
pub
por Lusa

EUA e Rússia saúdam acordo para trégua e libertação de reféns do Hamas

Reuters

Os EUA e a Rússia saudaram o acordo confirmado hoje entre Israel e o movimento islamita Hamas para uma trégua de quatro dias, que prevê a libertação de reféns em Gaza e de prisioneiros palestinianos.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, disse que estava "extraordinariamente satisfeito" com a possível libertação de reféns sequestrados em Israel por militantes do Hamas em 07 de outubro, no âmbito de um acordo aprovado pelo governo israelita.

"Estou extraordinariamente satisfeito que muitas destas almas corajosas (...) se reúnam com as suas famílias assim que este acordo for totalmente implementado", disse Biden num comunicado divulgado pela Casa Branca, a presidência dos Estados Unidos da América.

O líder norte-americano elogiou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pelo seu "compromisso" com "uma pausa prolongada para garantir que este acordo possa ser plenamente executado e garantir o fornecimento de ajuda humanitária adicional para aliviar o sofrimento das famílias palestinianas inocentes em Gaza".

"É importante que todos os aspetos deste acordo sejam totalmente implementados", alertou Biden.

O Presidente do EUA indicou também que a "maior prioridade" é garantir a segurança dos reféns norte-americanos.

"Desde os primeiros momentos do ataque brutal do Hamas, a minha equipa de segurança nacional e eu temos trabalhado em estreita colaboração com os parceiros regionais (...) Não vou parar até que todos sejam libertados", sublinhou Biden.

Também Moscovo demonstrou satisfação pelo acordo, resultado da mediação do Egito, dos EUA e do Qatar, sublinhando que "isto é exatamente aquilo a que a Rússia apelou desde o início da escalada do conflito".

A Rússia "saúda o acordo entre Israel e o Hamas sobre uma pausa humanitária de quatro dias", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakarova, citada por agências de notícias do país.

O Qatar disse hoje que vai ser anunciado nas próximas 24 horas o início de uma "pausa humanitária", que "terá a duração de quatro dias, sujeito a prorrogação".

"O acordo inclui a libertação de 50 reféns, mulheres e crianças civis, atualmente detidas na Faixa de Gaza, em troca da libertação de um número de mulheres e crianças palestinianas detidas em prisões israelitas", referiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros catari.

"O número de pessoas libertadas irá aumentar em fases posteriores da implementação do acordo", acrescentou o comunicado.

O Qatar sublinhou que o cessar-fogo "irá permitir a entrada de um maior número de comboios humanitários e ajuda humanitária, incluindo combustível designado para necessidades humanitárias".

Israel aceitou na terça-feira o acordo, com todos os membros do executivo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, a votarem a favor, exceto os três ministros do Partido do Poder Judaico (Otzma Yehudit), de extrema-direita, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir.

O Hamas saudou hoje o acordo, mas garantiu que a luta não terminou. "Confirmamos que as nossas mãos continuarão no gatilho e que os nossos batalhões triunfantes continuarão atentos", alertou o grupo, num comunicado.

Esta trégua surge após semanas de pressão crescente por parte da comunidade internacional e dos principais organismos internacionais, como as Nações Unidas, para pôr termo aos ataques incessantes, que também já causaram mais de 1,5 milhões de deslocados.

Telavive declarou guerra ao Hamas depois de o grupo islamita ter lançado um ataque contra Israel a 07 de outubro, no qual morreram mais de 1.200 pessoas e 240 foram raptadas e levadas para Gaza.

pub
Momento-Chave
por RTP

Libertação de reféns. Netanyahu diz que acordo foi decisão difícil

Foto: EPA

Está traçado o plano para a eventual libertação dos reféns que estão nas mãos do Hamas desde o dia 7 de outubro. Podem ser libertadas ainda esta semana 20 mulheres e 30 crianças.

Os primeiros reféns podem ser libertados na quinta-feira.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, defende que a decisão de suspender ataques para libertar os reféns é a correta, mas avisa que a guerra vai continuar até que sejam atingidos os objetivos do Estado hebraico.
pub
por RTP

Médio Oriente. Acordo firmado ainda precisa de ser concretizado

Apesar de haver um acordo para a libertação de mais de 50 reféns do Hamas, Benjamin Netanyahu apresenta neste momento o plano ao seu governo que apresenta várias fações, muitas delas não estão de acordo. O acordo com a liderança do Hamas ainda terá de ser aprovado pelo Supremo Tribunal de Israel.

pub
por RTP

Supremo Tribunal de Israel terá de validar acordo com o Hamas

Os enviados especiais da RTP, Paulo Jerónimo e José Pinto Dias, estão em Israel a acompanhar os últimos desenvolvimentos em relação ao acordo para a libertação de 53 reféns em cativeiro desde o ataque do Hamas, a 7 de outubro.

O acordo em causa irá necessitar da aprovação por parte do Supremo Tribunal de Israel, uma vez que Telavive terá de transferir 159 pessoas ligadas ao Hamas em troca da libertação de reféns.
pub
Momento-Chave
por RTP

RTP em Israel. Cidades quase desertas devido aos combates

No norte de Israel, junto à fronteira com o Líbano, o confronto com o Hezbollah tem vindo a crescer e devido aos combates muitas cidades israelitas estão agora praticamente desertas.

Reportagem dos enviados especiais da RTP, Paulo Jerónimo e José Pinto Dias.

pub
Momento-Chave
por Lusa

Papa Francisco reúne-se com familiares de israelitas e palestinianos

Os encontros do Papa têm caráter exclusivamente humanitário Guglielmo Mangiapane - Reuters

O Papa Francisco reúne-se esta quarta-feira no Vaticano, em momentos separados, com familiares dos israelitas que permanecem reféns do movimento islamita Hamas e com um grupo de famílias de palestinianos afetados pelo conflito em curso na Faixa de Gaza.

De acordo com a Santa Sé, estes encontros têm um “caráter exclusivamente humanitário”.

O Papa Francisco quer demonstrar a sua proximidade espiritual com o sofrimento de cada um”, assinalou na semana passada o Vaticano.

Após o encontro está prevista uma conferência de imprensa das famílias dos palestinianos residentes em Gaza, segundo as agências internacionais.

A 7 de outubro, combatentes do grupo Hamas – desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel – realizaram em território israelita um ataque de dimensões sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo mais de mil mortos, na maioria civis, cerca de 5.000 feridos e mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza. Desde então, foram registados mais de 14.000 mortos e 33.000 feridos na Faixa de Gaza, segundo o Governo do Hamas, e 1,7 milhões de civis deslocados, segundo a ONU.


pub
Momento-Chave
por RTP

Bebé portuguesa retirada de Gaza

Já saiu da Faixa de Gaza a bebé portuguesa que escapou a três bombardeamentos. Nour Ashour tem e um ano e foi levada para o Egito, onde está agora em segurança.

O pai encontra-se em Portugal e aguarda ansioso o regresso da bebé. Desde o início da guerra perdeu a mulher e mais duas filhas num bombardeamento.
pub