Guerra no Médio Oriente. A evolução do conflito entre Israel e o Hamas

por Andreia Martins, Joana Raposo Santos - RTP

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre o reacender do conflito israelo-palestiniano, após a vaga de ataques do Hamas e a consequente retaliação das forças do Estado hebraico.

Emissão da RTP3


Bassam Masoud - Reuters

Mais atualizações Voltar ao topo
por RTP

Israel reage favoravelmente ao veto dos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU

Foto: David Dee Delgado - Reuters

Depois do veto dos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU que acabou por chumbar a resolução de António Guterres para um cessar-fogo humanitário em Gaza, Israel disse que para haver o fim do Hamas não pode haver o fim da guerra.

pub
Momento-Chave
por RTP

Reféns israelitas libertados apresentam marcas psicológicas profundas

Foto: Clodagh Kilcoyne - Reuters

Os reféns que foram libertados trazem marcas profundas, físicas e psicológicas. Há casos de famílias que continuam em desespero. Parte já regressou a Israel mas os homens, mesmo de mais idade, continuam em Gaza.

pub
Momento-Chave
por RTP

Programa Alimentar Mundial diz que metade da população de Gaza está a passar fome

Ibraheem Abu Mustafa - Reuters

O Programa Alimentar Mundial diz que metade da população em Gaza está a passar fome. A ONU avança que só três dos 36 hospitais do enclave, conseguem dar os cuidados básicos de saúde aos feridos. As agências internacionais avisam que o colapso total é eminente, mas ainda assim Israel não dá tréguas e os combates prosseguem.

pub
Momento-Chave
por RTP

Netanyahu saúda "posição adequada" dos EUA no Conselho de Segurança da ONU

Em reação ao veto norte-americano que bloqueou a exigência de um cessar-fogo na guerra entre Israel e o Hamas, o primeiro-ministro israelita diz ter apreciado a "decisão adequada" adotada pelos Estados Unidos.

Benjamin Netanyahu considerou ainda que os restantes países "devem compreender que é impossível apoiar a eliminação do Hamas por um lado, e por outro apelar ao fim da guerra, o que impediria a eliminação do Hamas".

"Israel vai continuar a nossa guerra justa para eliminar o Hamas e alcançar os outros objetivos que estabelecermos", vincou.
pub
por RTP

Mais de 7.000 militantes palestinianos mortos, avança Israel

De acordo com o Conselheiro de Segurança Nacional de Israel, Tzachi Hanegbi, mais de sete mil militantes palestinianos morreram na Faixa de Gaza desde o início do conflito.

Em declarações à televisão israelita, o responsável adianta que esta é uma "estimativa conservadora" que não contabiliza os números de locais dos quais não há total conhecimento, nomeadamente nos túneis, adiantou.
pub
por Lusa

Mais de 25% das zonas urbanas de Gaza foram varridas do mapa

Mais de 25% das zonas urbanas de Gaza foram completamente varridas do mapa pelos ataques israelitas desde o início da guerra, em 07 de outubro, disse hoje o ministro das Obras Públicas e Habitação local, Mohamed Ziara.

De acordo com a agência noticiosa oficial da Palestina, a Wafa, citada pela agência espanhola EFE, o governante afirmou que mais de 250 mil casas foram parcial ou totalmente destruídas e quase um terço das infraestruturas, incluindo estradas, condutas de água, esgotos, eletricidade e linhas de comunicação estão inutilizáveis.

O ministro disse que não há combustível para fazer funcionar a maquinaria pesada necessária para remover os destroços de todo o mobiliário urbano destruído, pelo que "os cidadãos recorreram a métodos manuais" para gerir a grande quantidade de ruínas, onde morreram "milhares de civis, a maioria dos quais crianças, mulheres e idosos".

As declarações de Mohamed Ziara à agência noticiosa oficial local surgem no mesmo dia em que o Ministério da Saúde local anunciou que os bombardeamentos israelitas das últimas horas mataram pelo menos 130 pessoas na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas.

Enquanto combate no norte de Gaza, o exército israelita tenta controlar Khan Younis, no sul, que considera um dos principais redutos do Hamas na Faixa de Gaza.

Desde o início do conflito, pelo menos 17.620 pessoas foram confirmadas como mortas e 46.739 feridas em Gaza, segundo as autoridades de Gaza.

O ataque do Hamas sem precedentes em solo israelita, em 7 de outubro, matou 1.200 pessoas, segundo as autoridades israelitas, desencadeando uma espiral de violência na região.

pub
Momento-Chave
por RTP

Administração Biden aprova ajuda a Israel sem passar pelo Congresso

O Pentágono revelou este sábado que a Administração Biden fez uso de uma autorização de emergência para aprovar a venda de 14 mil projéteis para tanques a Israel sem a necessidade de passar pelo Congresso.

De acordo com a agência Reuters, o Departamento de Estado norte-americano recorreu na sexta-feira à Lei de Controlo de Exportação de Armas para a entrega imediata de armas no valor de 106,5 milhões de dólares.
pub
Momento-Chave
por Lusa

ONG Save the Children acusa Israel de usar a fome como arma de guerra em Gaza

A Organização Não-Governamental (ONG) Save the Children acusou hoje Israel de estar a usar a fome como uma arma de guerra contra a população civil de Gaza, apelando a um "cessar-fogo imediato e definitivo".

"Afastar deliberadamente a população civil de comida, água e combustível e impedir propositadamente os mantimentos de chegarem às populações é usar a fome como arma de guerra, o que inevitavelmente tem um impacto mortal nas crianças", alertou esta ONG, citando vários casos de crianças e famílias que não têm acesso a água, abrigo e comida durante vários dias seguidos.

Esta ONG está a "apelar à comunidade internacional para garantir um cessar-fogo imediato e definitivo e ao Governo de Israel para reverter as condições que tornaram a resposta humanitária praticamente impossível, incluindo o acesso direto a toda a região de Gaza, e o regresso da entrada do comércio em Gaza", lê-se num comunicado colocado no site desta organização.

"A fome nunca deve ser usada como um método de guerra", disse ainda a Save the Children, que dá conta de "vários relatos de colaboradores que falam de famílias que estão vários dias sem comida, abrigo, água ou acesso a cuidados de saúde, incluindo na chamada `zona segura` de Al-Mawasi".

No comunicado, aponta-se ainda que as mudanças consecutivas a que os habitantes de Gaza são sujeitos por ordem dos militares israelitas "estão a empurrar os civis para `zonas seguras` mortais, que só colocam os civis ainda mais em perigo, porque são empurrados para zonas que não os conseguem acomodar ou garantir os serviços básicos necessários, e nas quais continuam a ser atacados".

A ONG cita a Organização Mundial da Saúde para sublinhar que o aumento das doenças motivado pela falta de acesso a alimentos e água potável pode ser mais mortal do que os próprios bombardeamentos, e lamenta que as crianças de Gaza estejam encurraladas "entre bombardeamentos, fome e doenças".

No princípio deste mês, as Nações Unidas disseram que quase 7.700 crianças com menos de cinco anos sofriam de desnutrição severa, a mais mortífera forma de má nutrição, e num relatório separado também citado no comunicado, o Programa Alimentar Mundial alerta que nove em cada dez pessoas em Gaza admitiram ter passado pelo menos 24 horas sem comida, com quase um quinto a terem passado por isso mais de dez dias no último mês.

As estruturas do Hamas publicaram hoje um balanço global de 17.490 pessoas mortas pelos bombardeamentos israelitas contra a Faixa de Gaza.

O ataque do Hamas sem precedentes em solo israelita, em 7 de outubro, matou 1.200 pessoas, segundo as autoridades israelitas.

pub
Momento-Chave
por RTP

Novo balanço. Pelo menos 17.700 mortos na sequência dos ataques em Gaza

O Ministério da Saúde, controlado pelo Hamas, deu conta este sábado do novo balanço de vítimas mortais: pelo menos 17.700 pessoas morreram e 48.780 ficaram feridas desde 7 de outubro.

De acordo com o porta-voz do Hamas, dois paramédicos ficaram feridos nas últimas horas enquanto tentavam retirar pacientes feridos de um hospital em Gaza.
pub
por RTP

Houthis do Iémen ameaçam navios do Mar Vermelho que se dirijam a Israel

Um porta-voz militar dos Houthis do Iémen alertou neste sábado todas as empresas marítimas contra a cooperação com Israel, alertando que as embarcações que passarem o Mar Vermelho em direção ao país serão atingidas.

"Se Gaza não receber os alimentos e medicamentos de que necessita, todos os navios no Mar Vermelho com destino aos portos israelitas, independentemente da sua nacionalidade, tornar-se-ão um alvo para as nossas forças armadas", alertou Yahya Saree.

Os Houthis são considerados próximos do Irão e tem disparado contra navios no Mar Vermelho e também contra Israel desde o início da guerra. Nas últimas semanas, os navios de guerra dos Estados Unidos têm derrubado vários projéteis deste grupo.
pub
por RTP

Familiares de refém confirmam a sua morte

Um israelita feito refém pelo Hamas a 7 de outubro foi "assassinado" em Gaza, disseram os seus familiares este sábado. "É com grande tristeza e com o coração partido que anunciamos que Sahar Baruch (25 anos) foi assassinado", lamentaram em comunicado.
pub
Momento-Chave
por RTP

Irão alerta que veto norte-americano poderá conduzir Médio Oriente a uma guerra generalizada

Foto: Ibraheem Abu Mustafa - Reuters

Multiplicam-se as reações ao veto dos EUA a um cessar-fogo, desde logo no Médio Oriente. Paulo Jerónimo e José Pinto Dias estão em Telavive a acompanhar a evolução dos acontecimentos.

pub
por RTP

Israel bombardeia Khan Younis e Rafah

Foto: Ibraheem Abu Mustafa - Reuters

Sem diálogo na Faixa de Gaza há novos avisos sobre ataques iminentes. Já este sábado raides israelitas provocaram mais morte e destruição em Rafah e Khan Younis.

A população vive com receio. Repetem-se os apelos à comunidade internacional e acusações contra os Estados Unidos de condenarem os Direitos Humanos à morte, depois de vetarem o um cessar fogo humanitário proposta pela ONU.
pub
por Lusa

Países árabes e Turquia pedem maior pressão dos EUA para um cessar-fogo

Os chefes da diplomacia de cinco países árabes e da Turquia apelaram hoje pessoalmente ao homólogo norte-americano, Antony Blinken, para que pressione mais Israel a aceitar um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

O apelo foi feito na chamada Cimeira Conjunta Árabe-Islâmica, que decorreu no Qatar com a presença de Blinken, um dia depois de Washington ter vetado uma resolução do Conselho de Segurança sobre um cessar-fogo em Gaza.

Blinken foi convidado a participar na cimeira pelos homólogos do Qatar, Arábia Saudita, Jordânia, Egito, Palestina e Turquia.

Os seis ministros pediram a Blinken um "papel mais alargado" dos Estados Unidos "na pressão sobre a ocupação israelita para que se chegue a um cessar-fogo imediato", segundo a agência espanhola Europa Press.

Também manifestaram desapontamento por o Conselho de Segurança não ter votado, pela segunda vez, uma resolução para um cessar-fogo imediato em Gaza por razões humanitárias, "depois de os Estados Unidos terem usado o poder de veto".

"Os membros do comité ministerial renovaram a posição unificada sobre a rejeição da continuação das operações militares pelas forças de ocupação israelitas na Faixa de Gaza, renovando o apelo à necessidade de um cessar-fogo imediato e abrangente", afirmaram.

Reiteraram ainda o empenho na "criação de um verdadeiro clima político conducente a uma solução de dois Estados e à criação de um Estado palestiniano".

Os Estados Unidos vetaram na sexta-feira uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que apelava para um cessar-fogo entre Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas em Gaza, em guerra desde 07 de outubro.

A resolução resultou de o secretário-geral da ONU, António Guterres, ter invocado pela primeira vez o artigo 99.º da Carta das Nações Unidas.

O artigo em causa permite ao secretário-geral chamar a atenção do Conselho de Segurança para uma questão que pode pôr em perigo a paz e a segurança internacionais.

pub
Momento-Chave
por RTP

Erdogan diz que Conselho de Segurança da ONU precisa de ser reformado

O presidente turco, Tayyip Erdogan, pediu este sábado a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas, condenando o facto de os Estados Unidos poderem vetar uma proposta de cessar-fogo em Gaza, apesar do esmagador apoio dos outros países.

"A exigência de cessar-fogo do Conselho de Segurança das Nações Unidas é rejeitada apenas pelo veto dos EUA. Isto é justiça?", questionou Erdogan numa conferência sobre Direitos Humanos em Istambul.

"O Conselho de Segurança da ONU precisa de ser reformado", defendeu.

pub
Momento-Chave
por Luís Peixoto - Antena 1

Israel intensifica incursões em várias zonas da Cisjordânia

Yosri Aljamal - Reuters

As forças israelitas continuam a avançar em Gaza. No terreno, além das investidas nessa cidade, Israel intensifica também as incursões em várias zonas da Cisjordânia. O relato é do enviado especial da Antena 1 ao Médio Oriente, Luís Peixoto.

pub
Momento-Chave
por RTP

Autoridade Palestiniana responsabiliza EUA por sangue derramado em Gaza

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse este sábado que o veto dos Estados Unidos à resolução do Conselho de Segurança da ONU para exigir um cessar-fogo humanitário em Gaza tornou o país cúmplice de "crimes de guerra contra os palestinianos".

Em comunicado citado pela agência Reuters, Abbas responsabiliza ainda os EUA pelo derramamento de sangue de crianças, mulheres e idosos palestinianos na Faixa de Gaza.
pub
por RTP

Ataque de drone israelita na Síria terá matado três membros do Hezbollah

Três membros do grupo libanês Hezbollah, apoiado pelo Irão, terão morrido num ataque com drones israelitas no sudoeste da Síria na sexta-feira, de acordo com duas fontes próximas a Damasco que falaram com a agência Reuters. O ataque terá também matado um sírio que os acompanhava.
pub
por Lusa

Ofensiva prossegue no dia a seguir a veto dos EUA a um cessar-fogo

Israel manteve hoje a ofensiva contra o Hamas em Gaza, depois de os Estados Unidos terem vetado uma resolução sem precedentes do Conselho de Segurança da ONU que apelava para um "cessar-fogo humanitário imediato".

O Hamas "condenou veementemente" o veto norte-americano numa declaração divulgada hoje por Ezzat al-Rishq, um alto dirigente político grupo islamita palestiniano.

Al-Rishq descreveu o veto como uma "posição imoral e desumana" e como uma "participação direta" na morte dos palestinianos na Faixa de Gaza, segundo a agência francesa AFP.

A resolução, preparada pelos Emirados Árabes Unidos, recebeu 13 votos a favor, o veto dos Estados Unidos e uma abstenção (Reino Unido), depois de o secretário-geral ter invocado o artigo 99.º da Carta das Nações Unidas.

O artigo em causa permite ao secretário-geral chamar a atenção do Conselho de Segurança para uma questão que pode pôr em perigo a paz e a segurança internacionais.

As autoridades de saúde do Hamas disseram na sexta-feira que os bombardeamentos israelitas tinham matado mais de 17.400 pessoas, mas já hoje deram conta de mais de uma centena de mortos nas últimas horas.

O Hospital Al-Aqsa, no centro do enclave palestiniano, registou 71 mortos e 160 feridos durante as últimas 24 horas em bombardeamentos israelitas, de acordo com um comunicado do Ministério da Saúde controlado pelo Hamas.

No sul de Gaza, o Hospital Nasser registou 62 mortos e 99 feridos, segundo a mesma fonte, citada pela agência espanhola EFE.

pub
por RTP

Cessar-fogo em Gaza. Portugal lamenta veto dos EUA e insiste em diálogo

Foto: David Dee Delgado - Reuters

O ministro português dos Negócios Estrangeiros lamenta a decisão dos Estados Unidos de rejeitarem a resolução de cessar-fogo imediato em Gaza e insiste na via do diálogo.

pub
Momento-Chave
por RTP

Resolução chumbada. EUA vetaram cessar-fogo humanitário em Gaza

Foto: David Dee Delgado - Reuters

Os Estados Unidos vetaram um cessar-fogo humanitário imediato em Gaza. Washington bloqueou o projeto de resolução, alegando que, embora apoie os apelos a uma paz duradoura, um cessar-fogo apenas plantaria as sementes para a próxima guerra.

pub
por RTP

Blinken reuniu-se com líderes árabes

O secretário de Estado norte-americano reuniu-se, ontem, com uma delegação de líderes árabes e muçulmanos em Washington.

O encontro juntou representantes da Autoridade Palestiniana, do Egipto, da Jordânia, do Catar e da Arábia Saudita.

Decorreu já depois do Conselho de Segurança das Nações Unidas não ter conseguido aprovar a resolução que pedia um cessar-fogo imediato em Gaza.

pub
Momento-Chave
por RTP

Intensificam-se os ataques de Israel no sul da Faixa de Gaza

Dois ataques israelitas no sul da Faixa de Gaza provocaram onze mortos. Em Khan Younis, morreram seis pessoas e, em Rafah, mais cinco. As informações são do Ministério da Saúde, administrado pelo Hamas.

Entretanto, a organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch diz que Washington arrisca acusações de "cumplicidade em crimes de guerra".

Já os Médicos Sem Fronteiras acusam os Estados Unidos de serem cúmplices de uma carnificina em Gaza.

pub
por Lusa

China dececionada com veto dos EUA na ONU a cessar-fogo em Gaza

A China expressou hoje "profunda deceção" com o veto dos EUA a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para um cessar-fogo imediato em Gaza, apresentada pelos Emirados Árabes Unidos e patrocinada por 97 países membros.

A proposta "reflete o apelo universal da comunidade internacional e representa a direção certa para o restabelecimento da paz", afirmou o embaixador chinês na ONU, Zhang Jun, citado pela televisão estatal CGTN.

"A China apoia totalmente esta iniciativa e juntou-se à pressão para a elaboração deste projeto de resolução", acrescentou Zhang, que acusou Washington de empregar "dois pesos e duas medidas" ao falar da proteção das mulheres, das crianças e dos direitos humanos, enquanto "consente" na continuação do conflito.

Zhang apelou ainda a Israel para que ponha fim à "punição coletiva do povo de Gaza".

Esta é a segunda vez, desde o início da guerra em Gaza, que os EUA vetam uma resolução no mesmo sentido - fizeram-no a 18 de outubro - alinhando assim com Israel, que argumenta que um cessar-fogo deste tipo ajudaria o Hamas a rearmar-se e a manter em cativeiro os 138 reféns na Faixa de Gaza.

A 18 de outubro, os EUA vetaram também, sozinhos, uma resolução de cessar-fogo semelhante apresentada pelo Brasil, argumentando que não mencionava o direito de auto-defesa de Israel.

Esta última votação foi realizada a pedido do próprio secretário-geral da ONU, António Guterres, que esta semana recorreu a um mecanismo excecional da carta fundadora do organismo, o artigo 99, que lhe dá poderes para solicitar a intervenção do Conselho de Segurança em casos de ameaças graves à paz e à segurança no mundo.

pub
Momento-Chave
por RTP

Chumbada resolução proposta para um cessar-fogo

Foi chumbada a resolução proposta para um cessar-fogo humanitário em Gaza. Os Estados Unidos, que têm poder de veto, votaram contra e bloquearam a adoção de uma trégua humanitária proposta por António Guterres. O Reino Unido e 13 países votaram a favor mas a moção do cessar fogo acabou por ser chumbada.
pub
Momento-Chave
por RTP

Bebé luso-palestiniana salva dos bombardeamentos em Gaza já está em casa com o pai

Esteve internada no hospital de Santa Maria durante duas semanas por questões sociais. O pai da bebé pede agora ao governo português que aceite o resto da família que ainda está em Gaza como refugiados de guerra.

pub