Guerra no Médio Oriente. A evolução do conflito entre Israel e o Hamas

por Inês Moreira Santos, Andreia Martins, Mariana Ribeiro Soares, Cristina Sambado, Carlos Santos Neves - RTP

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre o reacender do conflito israelo-palestiniano, após a vaga de ataques do Hamas e a consequente retaliação das forças do Estado hebraico.

Emissão da RTP3


Mohammed Saber - EPA

Mais atualizações Voltar ao topo
por RTP

Israelitas asseguram que detiveram mais de 500 membros do Hamas e Jihad Islâmica

O exército israelita assegurou hoje que no último mês deteve mais de 500 palestinianos na Faixa de Gaza, que considera serem membros dos grupos Hamas e Jihad Islâmica.

“Mais de 500 terroristas do Hamas e da Jihad Islâmica foram detidos por tropas israelitas e do Serviço de Informações Internas [Shin Bet] durante o último mês”, após o que foram transferidos “para serem interrogados”, anunciou um porta-voz militar em comunicado.

Desde o final da trégua de uma semana, que acabou em 01 de dezembro, as forças israelitas “detiveram cerca de 140 terroristas do Hamas e Jihad Islâmica”.

A mesma fonte adiantou que em novembro tinham sido detidos “350 agentes terroristas do Hamas” e “mais de 120 da Jihad Islâmica”.

C/Lusa
pub
Momento-Chave
por RTP

Israel vai ter mais dois postos de controlo de camiões com ajuda a entrar em Gaza

O exército israelita anunciou esta segunda-feira a criação de dois postos de controlo adicionais para a inspeção da ajuda humanitária internacional antes desta entrar em território palestiniano, através de Rafah.

Este ponto de passagem no Egito é o único que as organizações internacionais podem utilizar para entregar ajuda à população de Gaza.
pub
por RTP

Jerusalém. Na Cidade Velha, cristãos e muçulmanos pedem paz

Foto: Ammar Awad - Reuters

Na cidade velha de Jerusalém, todos pedem paz. Os enviados especiais da RTP a Jerusalém, Paulo Jerónimo e José Pinto Dias, foram ouvir as pessoas.

pub
por RTP

Familiares temem morte dos reféns retidos pelo Hamas

Os enviados especiais da RTP, Paulo Jerónimo e José Pinto Dias, estão em Israel a acompanhar a reação dos familiares à ameaça do Hamas. Em caso de morte, responsabilizam o grupo terrorista, mas também o governo israelita.

pub
por RTP

Hamas avisa que reféns serão mortos se Israel não aceitar acordo

Foto: Yossi Zeliger - Reuters

O Hamas ameaçou matar os reféns israelitas que raptou durante o massacre de 7 de outubro. O movimento jihadista disse que só não os executará se Israel aceitar as condições impostas para a troca por prisioneiros palestinianos.

pub
por RTP

Al Jazeera acusa Israel de atacar casa de um jornalista

A Al Jazeera acusou o exército israelita de atacar a casa de um jornalista na Faixa de Gaza, Anas al-Sharif, resultando na morte do seu pai.

"Apelamos à comunidade internacional para que tome medidas urgentes para impedir os massacres de jornalistas e civis em Gaza pelo exército de ocupação". defendeu a televisão sediada no Catar.
pub
Momento-Chave
por RTP

Situação "apocalíptica". Josep Borrell compara Gaza à destruição da Alemanha na II Guerra Mundial

O alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, considerou esta segunda-feira que a situação em Gaza é "catastrófica" e "apocalíptica", com a destruição proporcionalmente "ainda maior" do que a Alemanha sofreu na II Guerra Mundial.

Josep Borrell considerou ainda que o sofrimento humano constituia um "desafio sem precedentes".

Os chefes da diplomacia da UE discutiram sanções adicionais contra o Hamas com base numa proposta de França, Itália e Alemanha, às quais "não houve objeções".

Por outro lado, foram discutidas possíveis sanções contra extremistas israelitas na Cisjordânia mas "não houve unanimidade".
pub
por Antena 1

Palestinianos em protesto contra ofensiva israelita em Gaza

Foto: Luís Peixoto - Antena 1

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental foi dia de greve. Os palestinianos saíram à rua em Ramallah para protestarem contra a guerra em Gaza e o veto dos Estados Unidos ao cessar-fogo.

O enviado especial da Antena 1 Luís Peixoto acompanhou a manifestação.
pub
Momento-Chave
por RTP

Israel não tem intenção de permanecer em Gaza, afirma o ministro da Defesa

O ministro israelita da Defesa, Yoav Gallant, adiantou esta segunda-feira que Telavive não tem intenção de permanecer na Faixa de Gaza e que está disponível para discutir alternativas sobre quem poderá assumir controlo do território, desde que não seja um grupo hostil a Israel.

De igual forma, o ministro israelita indicou que o país está aberto à negociação de um acordo com o Hezbollah, do Líbano, sob condição de chegar a acordo sobre uma zona segura ao longo da fronteira entre os dois países.
pub
por RTP

UE vai propor a aplicação de sanções contra a violência cometida por colonos israelitas na Cisjordânia

A União Europeia vai propor aos vários governos da UE que imponham sanções a colonos extremistas que cometam atos de violência contra palestinianos na Cisjordânia ocupada.

A informação foi confirmada pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell. "Vamos trabalhar para propor sanções aos colonos extremistas na Cisjordânia", adiantou o responsável europeu numa conferência de imprensa.
pub
por RTP

Em Portugal, vários deputados apelaram ao cessar-fogo "imediato, duradouro e sustentado"

Um grupo de deputados do PS, PCP e Bloco de Esquerda apelaram a um "cessar-fogo imediato, duradouro e sustentado" para travar a escalada de violência na Faixa de Gaza, Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Israel.

O apelo é assinado por 18 deputados do PS, três do PCP e uma deputada do Bloco, adianta a agência Lusa, que teve acesso ao documento.

De acordo com a agência, os deputados recordam que a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou no final de outubro uma resolução sobre a proteção dos civis e o cumprimento das obrigações legais e humanitárias tendo em conta "a deterioração da situação na Faixa de Gaza e nos restantes territórios palestinianos ocupados, incluindo Jerusalém Leste, e em Israel".
pub
por RTP

Casa Branca assume preocupação com relatos de uso de fósforo branco pelo exército israelita

Os Estados Unidos assumiram esta segunda-feira preocupação com relatos sobre o uso de fósforo branco por parte do exército israelita na guerra contra o Hamas.

"Vimos os relatórios. É claro que estamos preocupados com isso. Colocaremos perguntas para tentar saber um pouco mais", inidicou o porta-voz da Casa Branca, John Kirby, em declarações aos jornalistas a bordo do Air Force One.
pub
Momento-Chave
por RTP

Novo balanço. Pelo menos 18.205 mortos em Gaza, avança o Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde do Hamas anunciou esta segunda-feira que os bombardeamentos israelitas provocaram pelo menos 18.205 mortos desde o início da guerra, a 7 de outubro.

O governo estima ainda que pelo menos 49.645 pessoas ficaram feridas desde o início do conflito.
pub
Em Rafah, no sul da Faixa de Gaza
por RTP

Voluntários do Crescente Vermelho Palestiniano iniciam preparativos para hospital de campanha

O Crescente Vermelho Palestino (PRCS) afirma que os voluntários começaram os preparativos iniciais para estabelecer um hospital de campanha em Rafah, no sul de Gaza.

O hospital de campanha cedido pelo Catar terá uma sala de operações, uma unidade de cuidados intensivos e um departamento de radiologia. Terá também uma capacidade de 50 camas.

O grupo disse também que o hospital será gerido pelo seu pessoal no Hospital al-Quda.
pub
Momento-Chave
Localidade no sul do Líbano
por RTP

Presidente da câmara de Taybeh, no Líbano, morreu em ataque israelita

Hussein Mansour, preisdente da câmara de Taybeh, localidade no sul do Líbano, foi morto por um ataque israelita esta segunda-feira, avança a Reuters que cita a agência noticiosa estatal libanesa.

A fronteira entre o Líbano e Israel tem sido palco de confrontos cada vez mais intensos entre o exército israelita e o Hezbollah.

Ao início da tarde, a agência estatal libanesa, ANI, confirmou a morte de um "responsável local de Taybeh, Hussein Mansour, de 80 anos, quando o inimigo israelita atacou" a aldeia libanesa, situada a quase dois quilómetros da fronteira com Israel.

Hussein Mansour estava em casa quando foi atingido por uma granada que não chegou a explodir.
pub
Momento-Chave
por RTP

Hamas estava preparado para resistir a dois meses de intensos bombardeamentos

O Hamas estava muito bem preparado para resistir a dois meses de intensos bombardeamentos sobre a Faixa de Gaza e incursões terrestres, como conta o enviado da RTP a Israel, Paulo Jerónimo.

A questão é como é que o grupo armado se preparou, durante dois anos, sem que os países vizinhos se apercebessem. No entanto, o Egito já tinha alertado os EUA para a eventualidade de algo se estar a preparar.

O Hamas afirma que já morreram mais de 18 mil palestinianos desde o início do conflito com Israel.
pub
por RTP

Médio Oriente. "Credibilidade da UE depende da fidelidade aos princípios do Direito Internacional", defende Costa

Foto: Tiago Petinga - Lusa

António Costa considera ainda que a credibilidade da UE depende ainda do dever de não criar duplos critérios em relação ao valor da vida humana.´

Na Assembleia da República, durante o debate preparatório do Conselho Europeu, o primeiro-ministro cessante sustentou que Portugal deve estar ao lado das posições de António Guterres e da ONU.
pub
Momento-Chave
Afirma a coordenadora da organização Médicos Sem Fronteiras
por RTP

Sistema de saúde de Gaza entrou em colapso total

Em declarações à Al Jazeera, a partir do Hospital al-Aqsa no centro de Gaza, Marie-Aure Perreaut, coordenadora de emergência dos Médicos Sem Fronteiras, afirmou que o sistema de saúde no enclave “entrou em colapso total”.

A coordenadora disse que os serviços da organização no enclave devastado pela guerra são extremamente limitados.

"O sistema de saúde está completamente destruído neste momento. É difícil para nós acompanhar o fluxo constante de feridos", acrescentou.

Para Marie-Aure Perreaut, “é extremamente difícil para os colegas passarem pelas urgências porque são eles que estão a ser feridos. Há cerca de uma hora, um dos nossos colegas deu entrada nas urgências gravemente ferido, juntamente com a sua família", e acrescentou. "É extremamente traumatizante".

A coordenadora de emergência dos Médicos Sem Fronteiras disse ainda que muitos dos feridos não têm acesso a tratamento porque os centros de saúde estão a receber ordens de evacuação e as estradas não são seguras para chegar às clínicas disponíveis.
pub
por RTP

Cerca de 50 palestinianos morreram na última noite

Foto: Ibraheem Abu Mustafa - Reuters

Cerca de 50 palestinianos morreram na última noite, na sequência de bombardeamentos na Faixa de Gaza. O exército israelita afirma ter matado um comandante do Hamas e diz que desmantelou várias infraestruturas.

Desde o início do conflito, já terão morrido mais de 18 mil palestinianos.
pub
Momento-Chave
Durante campanha terrestre em Gaza
por RTP

Mais de 100 soldados israelitas mortos e 582 feridos

As forças armadas israelitas publicaram estatísticas atualizadas sobre o número de baixas na sua campanha contra o Hamas em Gaza. Segundo as Forças Armadas israelitas, 104 membros das suas forças foram mortos desde o início da operação terrestre.

Para além disso, as IDF afirmam que 582 soldados foram feridos na Faixa de Gaza.

O número total de baixas desde 7 de outubro é de 433 soldados mortos e 1.645 feridos. Este total inclui provavelmente os mortos diretamente no ataque do Hamas de 7 de outubro no sul de Israel, bem como as baixas no norte de Israel, onde tem havido frequentes trocas de tiros sobre a linha azul traçada pela ONU que separa Israel do Líbano.

O jornal israelita Haaretz refere que, de acordo com os dados das IDF, há atualmente 34 soldados hospitalizados em estado grave, 210 em estado moderado e 149 em bom estado.
pub
Delegação visitou este fim de semana o território palestiniano ocupado e Israel
por RTP

Parlamento Europeu defende caminho para paz com "Estado palestiniano forte"

A delegação do Parlamento Europeu (PE) que visitou este fim de semana o território palestiniano ocupado e Israel considerou hoje que “nada de positivo pode acontecer” sem a concretização dum "Estado palestiniano forte”

Em comunicado, o PE condenou em simultâneo os “crimes desprezíveis” perpetrados pelo movimento islamista Hamas e as ações de Israel contra “os palestinianos inocentes que estão a sofrer as consequências” na Faixa de Gaza, incessantemente bombardeada nos últimos dois meses, e na Cisjordânia, onde os colonos israelitas acentuaram a violência para expulsar pessoas das casas e expandir os colonatos.

“Nada de positivo pode acontecer se não houver um esforço político renovado de reformar a Autoridade Palestiniana e construir um Estado palestiniano forte”, acrescentaram na nota divulgada após a deslocação a Israel e à Cisjordânia.

O PE quer que haja cooperação entre as autoridades israelitas e palestinianas com as missões da União Europeia no terreno, no “dia logo após” o fim do conflito atual, para ajudar à reconstrução e para estabelecer relações na base do diálogo pacífico.

Os eurodeputados também querem que “haja mais esforços para aumentar a entrada de apoio em Gaza”, completamente cercada pelas tropas israelitas.
pub
por RTP

Ataque do Hamas não é "ponto de partida para a guerra", afirma MNE iraniano

O ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amirabdollahian, afirmou que o ataque de 7 de outubro não deve ser considerado como o ponto de partida da guerra em Gaza.

Amirabdollahian sublinhou que, embora o Irão não tivesse conhecimento do ataque antes de este ter ocorrido, Teerão acredita que o Hamas é um movimento de libertação contra a ocupação israelita.

"É evidente que esta luta já foi alargada à frente libanesa e à frente iemenita e, como é óbvio, estes não são os nossos grupos por procuração", disse, acrescentando que "nem Israel nem os EUA, mesmo que passem mais 10 anos em Gaza, serão capazes de destruir o Hamas".
pub
Momento-Chave
por RTP

Ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros diz que Irão e Israel não acreditam numa solução de dois Estados

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Hossein Amir-Abdollahian, disse esta segunda-feira que tanto Israel como o Irão não acreditam numa solução de dois Estados.

Durante um fórum internacional em Doha, no Catar, Amir-Abdollahian reiterou a proposta do Irão que consiste na realização de um referendo para determinar o destino da Palestina, sendo permitido votar apenas os descendentes daqueles que lá viviam antes de 1948.
pub
Para reduzir sofrimento de civis
por RTP

Alemanha pede a Israel que adapte estratégia de guerra

A Alemanha espera que Israel adapte a sua estratégia militar para melhor prevenir o sofrimento entre os civis palestinianos, disse esta segunda-feira a ministra dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock, acrescentando que muitos já se tornaram vítimas do conflito.

"Esperamos que Israel permita mais ajuda humanitária, especialmente no norte, que as suas ações militares sejam mais direcionadas e causem menos vítimas civis", disse a ministra numa conferência de imprensa no Dubai, à margem da cimeira da ONU sobre o clima.

"A questão de como Israel leva a cabo esta batalha é central para a perspetiva de uma solução política", disse.
pub
Momento-Chave
“Milhões sofrem no território palestiniano ocupado”
por RTP

ONU assinala 75 anos da Declaração dos Direitos Humanos

Na altura em que a ONU assinala os 75 anos da adoção da Declaração Universal dos Direitos do Homem pelas Nações Unidas, em dezembro de 1948, Volker Turk, responsável pelos direitos humanos, recorda os "milhões de pessoas que sofrem insuportavelmente no Território Palestiniano Ocupado, nomeadamente em Gaza, e em Israel".

"Vejo o evento de hoje como um apelo à esperança e um apelo à ação", disse Turk durante o evento de dois dias em Genebra.

"Num momento de tão pouca solidariedade e de tanta divisão e visão míope, vejo-o como um apelo para ultrapassar a polarização."

Nas comunicações sobre o evento, o gabinete de Turk evitou a palavra "celebrar" ao referir-se ao aniversário, preferindo o termo "assinalar".
pub
"Ajuda está lá e as pessoas precisam dela"
por RTP

Israel pede à ONU para fazer "melhor" na ajuda humanitária a Gaza

O órgão do Ministério da Defesa responsável pelos assuntos civis palestinianos afirma que as Nações Unidas têm de fazer mais para processar a ajuda a Gaza e acusa os fornecimentos humanitários de não chegarem à Faixa de Gaza com a rapidez suficiente.

"Expandimos as nossas capacidades para realizar inspeções à ajuda entregue em Gaza. Kerem Shalom vai ser aberto, pelo que o número de inspeções vai duplicar. Mas a ajuda continua à espera na entrada de Rafah", escreve o COGAT no X.
"A ONU tem de fazer melhor - a ajuda está lá e as pessoas precisam dela", afirma o COGAT.

Numa tentativa de facilitar o aumento do número de camiões de ajuda humanitária que podem entrar em Gaza todos os dias, na semana passada Israel anunciou que iria abrir o cruzamento de Kerem Shalom com Gaza para a inspeção de camiões de ajuda humanitária antes de entrarem em Gaza através do cruzamento egípcio de Rafah.
pub
por Carla Quirino - RTP

Arrisca pena de morte. Funcionário sueco da UE acusado no Irão de espionagem para Israel

Amir-abbas Ghasemi - Mizan/ Wana via Reuters

Começou o julgamento de Johan Floderus no Irão, onde está acusado dos crimes de espionagem para Israel e "corrupção na Terra", um dos mais graves na arquitetura judicial do regime dos ayatollahs. O funcionário sueco da União Europeia foi detido no aeroporto de Teerão em abril do ano passado.

As autoridades iranianas alegam que Johan Floderus esteve em contato com vários suspeitos europeus e não europeus no Irão e visitou Israel, sugerindo ainda que a Suécia desenvolve "espionagem por procuração para Israel".

“O réu tem atuado contra a República Islâmica do Irão no campo da recolha de informações em benefício do regime sionista sob a forma de projetos subversivos”, relatou a Mizan, agência do poder judiciário iraniano, num relatório divulgado online.

Citando a acusação, a Mizan acrescenta que “Johan Floderus é acusado de extensas medidas contra a segurança do país, extensa cooperação de inteligência com o regime sionista e corrupção na Terra”.A corrupção na Terra é um dos crimes mais graves do Irão e pode implicar uma pena máxima de morte.

Floderus, de 33 anos, cidadão sueco a trabalhar para o serviço diplomático da União Europeia, está preso há mais de 600 dias. Foi detido a 17 de abril de 2022, no aeroporto de Teerão, quando regressava ao Irão de uma viagem ao exterior, e está detido na prisão de Evin, na capital do país.

Floderus estará envolvido em atividades generalizadas contra a segurança nacional [e] desenvolve uma “ampla cooperação de inteligência com o regime sionista”, uma referência a Israel, reportou ainda a Mizan.

A acusação alega que Floderus teria recolhido informações sobre os programas nucleares e de enriquecimento do Irão, realizado “projetos subversivos” em benefício de Israel e estabelecido uma rede de “agentes do serviço de espionagem sueco”.

Foi ainda alegado que o cidadão sueco estava envolvido na “cooperação e comunicação de inteligência com a União Europeia” e no grupo de oposição exilado Mujahedin do Povo (MEK).


A agência Mizan publicou fotos de Floderus diante dos juízes em farda de prisão azul claro enquanto as acusações eram lidas | Amir-abbas Ghasemi - Mizan/ Wana via Reuters

O ministro sueco dos Negócios Estrangeiros, Tobias Billstrom, confirmou no sábado que o julgamento começou no Irão e defendeu que “não há qualquer sustentação para manter Johan Floderus detido, muito menos levá-lo a julgamento”.

A detenção do funcionário sueco ocorreu na mesma altura que um cidadão iraniano, Hamid Noury, estava a ser julgado na Suécia pela execução em massa de dissidentes em Teerão, um crime referente a 1988. Noury acabou por ser condenado a prisão perpétua em julho de 2022. Porém, já recorreu da sentença e aguarda veredito do tribunal de recurso da Suécia, a 17 de dezembro próximo.
pub
Momento-Chave
101 desde o início da ofensiva
por RTP

Israel anuncia a morte de mais soldados

Três foram mortos em combate no sul da Faixa de Gaza no domingo. O número total de baixas desde a ofensiva eleva-se a 101.
pub
Fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza
por RTP

Conselho de Segurança da ONU visita Rafah

Representantes dos países membros do Conselho de Segurança da ONU deverão visitar hoje a fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza, de acordo com relatos, dias depois de uma resolução do Conselho que apelava a um cessar-fogo humanitário no território ter sido derrotada por um veto dos Estados Unidos.

A visita ao posto fronteiriço de Rafah está a ser organizada pelos Emirados Árabes Unidos - que redigiram a resolução da semana passada -, cuja embaixadora na ONU, Lana Nusseibeh, afirmou que o objetivo da viagem é "aprender em primeira mão o que é necessário em termos de intensificação das operações humanitárias".

O porta-voz dos EUA disse à Reuters que está a "trabalhar sem parar para tentar melhorar a situação no terreno".
pub
Momento-Chave
Perto de Damasco
por RTP

Dois combatentes do Hezbollah mortos em ataques israelitas

Dois combatentes do Hezbollah foram mortos, anunciou o grupo libanês num comunicado, sem especificar o local e a data do ataque.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) acrescentou que, para além dos dois combatentes, dois sírios que trabalhavam com o grupo foram mortos por ataques israelitas durante a noite perto de Damasco.

"Dois combatentes libaneses do Hezbollah e dois guardas sírios" que trabalhavam numa das instalações do grupo foram mortos, enquanto três outros combatentes e três civis ficaram feridos, disse o SOHR, com sede no Reino Unido.

Pelo menos 95 combatentes do Hezbollah foram mortos desde 7 de outubro, segundo o grupo.
pub
Momento-Chave
Pela primeira vez desde 2006
por RTP

Forças de Defesa de Israel enviam equipamento por via aérea para as tropas

As Forças de Defesa de Israel (FDI) afirmam que lançaram por via aérea cerca de sete toneladas de equipamento para centenas de tropas da Brigada de Comandos da 98ª Divisão que estão a operar na área de Khan Younis, no sul de Gaza.

É a primeira vez, desde a Segunda Guerra do Líbano, em 2006, que as FDI lançam equipamento por via aérea para as tropas.

Um vídeo publicado pelas IDF mostra um avião de transporte C-130J do 103º Esquadrão da Força Aérea Israelita a largar o equipamento.
pub
Numa carta conjunta dirigida a Josep Borrell
por RTP

Roma, Paris e Berlim pedem sanções da UE contra o Hamas

Itália, França e Alemanha pediram à União Europeia que imponha sanções ad hoc contra o Hamas e os seus apoiantes, escreveram os ministros dos Negócios Estrangeiros dos três países numa carta conjunta dirigida ao chefe da política externa da UE, Josep Borrell.

"Manifestamos o nosso total apoio à proposta de criação de um regime de sanções ad hoc contra o Hamas e os seus apoiantes", escrevem na carta a que a Reuters teve acesso.

"A rápida adoção deste regime de sanções permitir-nos-á enviar uma mensagem política forte sobre o compromisso da União Europeia contra o Hamas e a nossa solidariedade para com Israel", acrescenta a missiva.
pub
Momento-Chave
Greve geral na Cisjordânia
por RTP

No território ocupado por Israel, realiza-se esta segunda-feira uma paralisação em protesto contra a guerra em Gaza

A agência palestiniana Wafa noticia que "a greve local, convocada pelas forças nacionais e islâmicas da Cisjordânia, paralisou todos os aspetos da vida, incluindo os transportes públicos, educação, o sector financeiro, lojas e todos os tipos de negócios, entre apelos a protestos em massa em todas as cidades".
pub
Perspetiva militar
por RTP

Antigo subcomandante da divisão de Gaza do exército israelita estima que Tsahal está perto do "controlo total" no norte de Gaza

Em declarações à BBC, a partir de Telavive, Amir Avivi antevê que o conflito perdure por mais dois meses.

"Estamos agora num momento crucial. Mais e mais terroristas estão a render-se. Dentro de uma semana ou duas, as IDF [Forças de Defesa de Israel] terão o controlo total da parte norte da Faixa de Gaza. É uma área muito densa, um bastião do Hamas, mas geograficamente é apenas 20 por cento da Faixa de Gaza", observou.
pub
Momento-Chave
Novo balanço
por RTP

Ministério da Saúde da Faixa de Gaza refere 18.007 mortos, dos quais 70 por cento mulheres e crianças, e pelo menos 49.229 feridos

No mais recente relatório, o Ministério controlado pelo Hamas repete o alerta para a situação do sistema de saúde em Gaza, com perto de 300 mortos entre o pessoal médico, mais de 300 feridos e uma ocupação de camas de 276 por cento, das quais 233 em cuidados intensivos.

"Os profissionais de saúde fazem o que podem face à falta de medicamentos, à escassez de água e combustível ou à ausência de segurança", realça o Ministério.
pub
Momento-Chave
por Luís Peixoto - Antena 1

Líderes religiosos em Jerusalém divididos com a guerra em Gaza

Foto: Yahya Arhab - EPA

O conflito entre Israel e o Hamas está a dividir os líderes religiosos. Há quem sinta que esta guerra já ultrapassou a justificação pela qual começou, mas há também quem continue a defender o contrário.

A reportagem é do enviado especial da Antena 1, Luís Peixoto.
pub
Momento-Chave
Projéteis a partir do Líbano
por RTP

Foram detetados pelo menos oito lançamentos de território libanês contra a região da Galileia

Seis destes projéteis foram intercetados e os restantes dois caíram em zonas desocupadas, noticia a edição online do jornal israelita Haaretz.


Por sua vez, o correspondente do jornal Times of Israel Emanuel Fabian publicou um vídeo, na rede social X, que mostra o sistema de defesa Iron Dome (cúpula de ferro) a atuar no norte do Estado hebraico.
pub
Momento-Chave
Combates em Khan Younis
por RTP

Crescente Vermelho afirma que a zona do hospital Al-Amal é teatro de guerra

"Hoje, ao amanhecer, aviões da ocupação lançaram vários ataques violentos nas proximidades do hospital Al-Amal e continuaram os disparos de artilharia contra o centro da cidade e nas áreas, a norte, do quartel-general da associação, que abriga 13 mil pessoas deslocadas", denuncia na rede social X a Sociedade do Crescimento Vermelho Palestiniano.
pub
Momento-Chave
Ponto de situação
por RTP

Netanyahu exige capitulação. Hamas vincula sobrevivência de reféns a cedência israelita

  • As Nações Unidas deverão votar na terça-feira se querem um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza. O pedido volta a surgir após o veto dos Estados Unidos ao fim dos combates, na passada sexta-feira, no Conselho de Segurança. Desta feita, a trégua será votada na forma de um projeto de resolução em Assembleia Geral. Este fim de semana, o secretário-geral da ONU, António Guterres, garantiu que não vai desistir de promover o calar das armas no Médio Oriente;

  • Várias organizações internacionais têm vindo a reforçar, de resto, os pedidos para um cessar-fogo em Gaza. Por sua vez, a Organização Mundial da Saúde avisa que a assistência médica no território palestiniano debaixo da contraofensiva israelita está à beira do colapso;

  • O secretário de Estado norte-americano exortou Israel a redobrar esforços para proteger os civis palestinianos. Em entrevista à CNN, no domingo, Antony Blinken reconheceu que "não haverá segurança duradoura para Israel enquanto as aspirações políticas palestinianas não forem acolhidas";

  • Prosseguem os esforços de mediação para obter um novo período de trégua que permita a libertação de reféns do Hamas. Isto apesar dos bombardeamentos contínuos, por parte da máquina de guerra do Estado hebraico, que "estão a apertar a janela" para a diplomacia, nas palavras do primeiro-ministro do Catar, Mohammed bin Abdulrahman al-Thani;

  • Uma nova vaga de bombardeamentos aéreos israelitas abateu-se esta segunda-feira sobre Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, segundo o relato de um correspondente da agência France Presse. Por sua vez, o exército israelita reportou disparos de rockets contra Israel, nas últimas horas, a partir de Gaza, onde estarão a ser travados intensos combates, tal como em Khan Younis;

  • Em declarações reproduzidas pela Associated Press, o conslheiro israelita de segurança nacional Tzachi Hanegbi adiantou que os Estados Unidos não estabeleceram qualquer prazo para que Israel alcance os seus objetivos na Faixa de Gaza: "A avaliação de que isto não pode ser medido em semanas está correta e não tenho a certeza de que possa ser medido em meses";

  • O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, conversou no domingo com o presidente russo, Vladimir Putin, a quem transmitiu insatisfação como "posições anti-Israel" por parte de Moscovo, de acordo com um comunicado de Telavive;

  • Benjamin Netanyahu instou também o Hamas a depor as armas e "a render-se agora". "A guerra continua, mas é o princípio do fim para o Hamas. Digo-o aos terrotistas do Hamas: acabou. Não morram por Sinwar. Rendam-se agora", lançou;

  • Um porta-voz do Hamas deixou um aviso sobre as vidas dos reféns que permanecem cativos do movimento radical palestiniano em Gaza. Israel, afirmou, não vai receber "os seus prisioneiros vivos sem uma troca, negociações e ir ao encontro das exigências da resistência". Haverá ainda 137 reféns em território palestiniano. O número de palestinianos detidos em cadeias israelitas ronda os sete mil.
pub
Momento-Chave
por RTP

"Diferença entre intenção e resultados". Blinken reafirma preocupação com civis

Foto: Wu Hao - EPA

O secretário de Estado norte-americano aponta uma "lacuna" entre a intenção e os resultados de Israel no que se refere à proteção de civis em Gaza. Antony Blinken garante que os Estados Unidos estão a tentar colmatar essa falha.

pub
por RTP

Papa apela à proteção de Direitos Humanos em teatros de guerra

Foto: Claudio Peri - EPA

O papa Francisco apelou para que os povo martirizados da Ucrânia, dos territórios palestinianos e de Israel não sejam esquecidos.

pub
por Lusa

Cinquenta palestinianos mortos em bombardeamentos na Faixa de Gaza

Meia centena de palestinianos morreram no domingo à noite, na sequência de bombardeamentos na Faixa de Gaza Reuters

Cinquenta palestinianos foram mortos no domingo à noite, na sequência de bombardeamentos na Faixa de Gaza, sendo que o exército israelita afirmou ter matado um comandante do movimento islamita Hamas.

"As Forças de Defesa de Israel (FDI), guiadas pelos serviços secretos, eliminaram num ataque aéreo Emad Karika, que servia como novo comandante do batalhão de Shejaiya para a organização terrorista Hamas, depois de o antecessor ter sido morto em combate", publicaram as FDI na rede social X (antigo Twitter).

Um bombardeamento numa praça no acampamento de Maghazi, no centro do enclave, causou a morte de 22 civis, informou a agência de notícias palestiniana Wafa.

Pelo menos cinco palestinianos foram mortos no campo de refugiados de Nuseirat, também no centro da Faixa de Gaza. Já no campo de Deir al-Bala, uma mulher e uma criança morreram na sequência de um bombardeamento, informou o diário palestiniano Filastin na plataforma de mensagens Telegram.

Nas cidades de Khan Yunis e Rafah (sul), aviões israelitas mataram quatro e seis pessoas, respetivamente, depois de terem atingido edifícios residenciais.

Em 7 de outubro, Israel lançou um ataque em larga escala na Faixa de Gaza em resposta a um ataque de comandos do Hamas em solo israelita, infiltrados a partir de Gaza, no qual foram mortas 1.200, de acordo com as autoridades israelitas.

O Hamas também fez cerca de 240 reféns, 138 das quais permanecem em cativeiro.

Em resposta, Israel prometeu aniquilar o Hamas, no poder na Faixa de Gaza desde 2007 e classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel.

Na sequência da guerra declarada por Israel, já morreram cerca de 18 mil palestinianos só na Faixa de Gaza, indicou o Ministério da Saúde palestiniano, controlado pelo Hamas.

 

pub
por Lusa

Mais de 100 soldados israelitas mortos desde o início da operação em Gaza

Athit Perawongmetha - Reuters

Mais de cem soldados israelitas foram mortos desde o início da atual ofensiva terrestre na Faixa de Gaza, disse o exército israelita.

Na segunda-feira, o exército divulgou a identidade de mais três soldados mortos nos combates na Faixa de Gaza.

O exército israelita afirmou que, até à data, 101 soldados tinham sido mortos na ofensiva terrestre.

Israel lançou um ataque em larga escala na Faixa de Gaza em resposta a um ataque, a 07 de outubro, de comandos do movimento islamita palestiniano Hamas em solo israelita, infiltrados a partir de Gaza, no qual foram mortas 1.200 pessoas, de acordo com as autoridades israelitas.

O Hamas também fez cerca de 240 reféns, 138 das quais permanecem em cativeiro.

Em resposta, Israel prometeu aniquilar o Hamas, no poder na Faixa de Gaza desde 2007 e classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel.

Na sequência da guerra declarada por Israel, já morreram cerca de 18 mil palestinianos só na Faixa de Gaza, indicou o Ministério da Saúde palestiniano, controlado pelo Hamas.

pub
Momento-Chave
por RTP

Gaza. Várias organizações internacionais reforçaram pedido para cessar-fogo

Foto: Ibraheem Abu Mustafa - Reuters

Várias organizações internacionais reforçaram os pedidos para um cessar fogo em Gaza. Israel responde com o anúncio de reforço da ofensiva a sul. A Organização Mundial da Saúde avisa que a assistência médica está à beira do colapso.

pub
Momento-Chave
por RTP

Médio Oriente. Conflito muito perto de passar fronteiras para o Líbano

O Hezbollah disse este domingo que a guerra com Israel está a escalar e a guerra israelita contra o Hamas está prestes a passar novas fronteiras: a do sul do Líbano.

pub
Momento-Chave
por RTP

Cidade de Belém não celebra o Natal em solidariedade com palestinianos

Foto: Mussa Qawasma - Reuters

A duas semanas do Natal, os enviados da RTP a Israel, Paulo Jerónimo e José Pinto Dias, foram a Belém, berço de Jesus Cristo, ver como está a ser feita a preparação da festa mais importante para os cristãos. A cidade está triste. As tradicionais luzes e enfeites foram retirados em solidariedade com os palestinianos de Gaza que têm estado a morrer com a guerra.

pub