Hamas anuncia morte de sete reféns devido a bombardeamentos israelitas em Gaza

por RTP
As brigadas Al-Qassam indicam que morreram já mais de 70 israelitas devido às operações militares de Israel em Gaza. Exército israelita via Reuters

Sete israelitas que eram mantidos reféns na Faixa de Gaza morreram em sequência de um bombardeamento do exército israelita contra o território palestiniano. A indicação foi deixada esta sexta-feira por Abu Ubaida, porta-voz das brigadas al-Qassam, o braço armado do Hamas, mas não é certo quando ocorreram as mortes.

O enclave palestiniano de Gaza está a ser ininterruptamente bombardeado há quase cinco meses, à exceção de um curto período de trégua negociado para a troca de reféns israelitas por prisioneiros palestinianos. Razão que contribui para a impossibilidade de estabelecer de imediato quando e em que bombardeamento morreram os sete israelitas.

Nessa trégua de uma semana no final de novembro, o Hamas libertou uma centena de israelitas em troca de 240 prisioneiros palestinianos.

Entretanto, num sumário do que têm sido estes meses, as brigadas Al-Qassam confirmaram que o número de reféns mortos devido às operações militares de Israel em Gaza já ultrapassou os 70 prisioneiros, de acordo com um comunicado de Abu Ubaida no Telegram.

"Tentámos mantê-los vivos, mas [o primeiro-ministro israelita] Benjamin Netanyahu insistiu em matá-los, todos os sete, através de ataques do exército israelita", acrescentou Abu Ubaida.

Israel lançou uma campanha militar por ar, terra e mar contra a Faixa de Gaza após um ataque do Hamas a 7 de outubro ter feito cerca de 1.200 mortos no sul de Israel, ao que se seguiu a tomada de duas centenas e meia de reféns.

A resposta de Israel resultou na morte até ao momento de mais de 30.000 palestinianos, de acordo com o Ministério da Saúde dirigido pelo Hamas, a maior parte crianças.
Tópicos
pub