"Homicídios bárbaros". Reino Unido vai classificar grupo Wagner como organização terrorista

por Joana Raposo Santos - RTP
O Kremlin já lembrou que, de um ponto de vista legal, o grupo Wagner não existe. Anton Vaganov - Reuters

O Governo britânico vai declarar a Wagner como organização terrorista, fazendo com que seja ilegal ser membro ou apoiante deste grupo de mercenários. A violação da lei pode resultar em pena de até 14 anos de prisão. A informação foi avançada esta quarta-feira pelo Ministério do Interior do Reino Unido.

O projeto de lei do Governo britânico, que vai ainda ser apresentado ao Parlamento, permitirá que os bens do grupo Wagner sejam categorizados como terroristas e apreendidos, indicou o Ministério do Interior em comunicado.

"Eles são terroristas, pura e simplesmente. E esta proibição torna isso claro na lei do Reino Unido", explicou Suella Braverman, ministra do Interior do país, falando num grupo "violento e destrutivo" que "atuou como uma ferramenta militar de Vladimir Putin no estrangeiro".

Braverman referiu anda que a Wagner tem estado envolvida em pilhagens, tortura e "homicídios bárbaros" na Ucrânia, Médio Oriente e África, representando uma ameaça à segurança global.

O Kremlin já reagiu à decisão do Reino Unido, lembrando que, de um ponto de vista legal, o grupo Wagner não existe.

O grupo tem sido acusado de vários crimes, incluindo matar e torturar cidadãos ucranianos. Em 2020, os Estados Unidos avançaram que soldados da Wagner colocaram minas em redor da capital da Líbia, Tripoli.O nome da Wagner vai juntar-se à lista onde se encontram organizações como o Hamas (Palestina) ou Boko Haram (Nigéria).

O projeto de lei do Reino Unido deverá ser aplicado a 13 de setembro, data a partir da qual se torna crime pertencer ou promover o grupo de mercenários, organizar ou participar em reuniões do mesmo ou até usar o seu logotipo em público.

A violação da lei antiterrorismo no país pode valer pena de até 14 anos de prisão ou multa de até cinco mil libras (cerca de 5.850 euros).
Oposição quer Putin em Tribunal Especial
A oposição do Governo britânico veio já considerar a decisão "tardia", mas positiva.

"Agora o Governo deveria pressionar para que um Tribunal Especial julgue Putin pelo seu crime de agressão", defendeu na rede social X (ex-Twitter) David Lamy, ministro dos Negócios Estrangeiros "sombra" e membro do Partido dos Trabalhadores.

O grupo Wagner tem levado a cabo operações na Síria, Líbia e várias nações africanas. Na Ucrânia, recrutou milhares de reclusos libertados de prisões russas para lutar na guerra lançada por Moscovo em fevereiro do ano passado.

Em junho deste ano, o grupo liderado até há pouco tempo por Yevgeny Prigozhin protagonizou uma rebelião contra a Rússia, ato descrito pelo presidente Vladimir Putin como "traição". No mês seguinte, o chefe da Wagner morreu na queda de um avião na Rússia.

O Reino Unido já tinha sancionado Prigozhin em 2020 e todo o grupo Wagner em 2022. Em julho deste ano, sancionou vários indivíduos e organizações ligadas ao grupo de mercenários na República Centro-Africana, Mali e Sudão.

c/ agências
Tópicos
pub