Líder dos Republicanos disse que Putin pagava a Trump

| Mundo

Kevin McCarthy Líder dos Republicanos na Câmara dos Representantes, atrás de Donald Trump, à direita na imagem
|

A notícia é um novo exclusivo do Washington Post. O jornal teve acesso ao registo de uma conversa de junho de 2016, em que o líder dos republicanos na Câmara dos Representantes disse acreditar que o Presidente russo pagava a Donald Trump.

"Há duas pessoas a quem acredito que Putin paga: Rohrabacher e Trump", afirmou Kevin McCarthy, numa alegada conversa privada no Capitólio com colegas do partido, a 15 de junho de 2016, referindo-se a Dana Rohrabacher, representante republicana da Califórnia conhecida pela defesa de Putin e da Rússia, e ao actual Presidente.

Na altura, Donald Trump ainda não tinha sido nomeado candidato oficial do Partido Republicano à Casa Branca. Foi um mês depois.
McCarthy é considerado um dos aliados mais próximos de Trump no Congresso. Mas aquela conversa foi interrompida pelo Presidente da Câmara dos Representantes, Paul D.Ryan, que jurou todos os presentes a guardarem segredo, de acordo com um registo escrito publicado pelo Washington Post.

A conversa entre os republicanos girava em torno do financiamento russo do populismo e de Organizações Não-Governamentais, a fim de minar instituições da Europa de Leste pró-ocidentais, especificamente o caso da Ucrânia.


Antes da conversa, McCarthy e Ryan tinham-se reunido em encontros separados no Capitólio com o primeiro ministro ucraniano Vladi­mir Groysman, descrito como uma "tática do Kremlin" de financiamento de políticos populistas.

A partir desse exemplo, McCarthy, Ryan e outro representante, identificado apenas como Rodgers, falam de uma guerra de "propaganda". No meio da conversa generalizada, em que o contexto se perde por diversas vezes, o nome de Trump surge ligado a uma investigação dos democratas ao então magnata e candidato a candidato. 
"Juro por Deus"
Um dia antes o Washington Post tinha publicado um artigo a revelar que piratas do governo russo tinham invadido a rede de computadores do Comité Nacional dos Democratas e roubado a investigação a Trump.

Circunstância que levou McCarthy a desviar a conversa da intervenção russa na Europa para "acontecimentos mais próximos de casa", como refere o jornal.

Depois da referência ao roubo da investigação, McCarthy diz: "Há... há duas pessoas, penso eu, a quem Putin paga: Rohrabacher e Trump", provocando gargalhadas. "Juro por Deus", afirma o líder dos republicanos.

Paul Ryan, entre gargalhadas, responde "isto é off the record! Nada de contar, certo? É desta forma que sabemos que aqui somos uma verdadeira família." "É como sabemos que somos mesmo unidos", diz outro republicano, Scalise, provocando ainda mais gargalhadas.

"O que é dito na família, fica na família", remata Ryan, no final do registo publicado pelo Washington Post.

O jornal não explica como obteve o registo da conversa, apenas diz que foi 'verificado'.

O Washington Post sublinha que a conversa se manteve secreta quase um ano.

Tópicos:

Kevin McCarthy, Kremlin, Paul Ryan, Vladimir Putin, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.