Líder dos Republicanos disse que Putin pagava a Trump

| Mundo

Kevin McCarthy Líder dos Republicanos na Câmara dos Representantes, atrás de Donald Trump, à direita na imagem
|

A notícia é um novo exclusivo do Washington Post. O jornal teve acesso ao registo de uma conversa de junho de 2016, em que o líder dos republicanos na Câmara dos Representantes disse acreditar que o Presidente russo pagava a Donald Trump.

"Há duas pessoas a quem acredito que Putin paga: Rohrabacher e Trump", afirmou Kevin McCarthy, numa alegada conversa privada no Capitólio com colegas do partido, a 15 de junho de 2016, referindo-se a Dana Rohrabacher, representante republicana da Califórnia conhecida pela defesa de Putin e da Rússia, e ao actual Presidente.

Na altura, Donald Trump ainda não tinha sido nomeado candidato oficial do Partido Republicano à Casa Branca. Foi um mês depois.
McCarthy é considerado um dos aliados mais próximos de Trump no Congresso. Mas aquela conversa foi interrompida pelo Presidente da Câmara dos Representantes, Paul D.Ryan, que jurou todos os presentes a guardarem segredo, de acordo com um registo escrito publicado pelo Washington Post.

A conversa entre os republicanos girava em torno do financiamento russo do populismo e de Organizações Não-Governamentais, a fim de minar instituições da Europa de Leste pró-ocidentais, especificamente o caso da Ucrânia.


Antes da conversa, McCarthy e Ryan tinham-se reunido em encontros separados no Capitólio com o primeiro ministro ucraniano Vladi­mir Groysman, descrito como uma "tática do Kremlin" de financiamento de políticos populistas.

A partir desse exemplo, McCarthy, Ryan e outro representante, identificado apenas como Rodgers, falam de uma guerra de "propaganda". No meio da conversa generalizada, em que o contexto se perde por diversas vezes, o nome de Trump surge ligado a uma investigação dos democratas ao então magnata e candidato a candidato. 
"Juro por Deus"
Um dia antes o Washington Post tinha publicado um artigo a revelar que piratas do governo russo tinham invadido a rede de computadores do Comité Nacional dos Democratas e roubado a investigação a Trump.

Circunstância que levou McCarthy a desviar a conversa da intervenção russa na Europa para "acontecimentos mais próximos de casa", como refere o jornal.

Depois da referência ao roubo da investigação, McCarthy diz: "Há... há duas pessoas, penso eu, a quem Putin paga: Rohrabacher e Trump", provocando gargalhadas. "Juro por Deus", afirma o líder dos republicanos.

Paul Ryan, entre gargalhadas, responde "isto é off the record! Nada de contar, certo? É desta forma que sabemos que aqui somos uma verdadeira família." "É como sabemos que somos mesmo unidos", diz outro republicano, Scalise, provocando ainda mais gargalhadas.

"O que é dito na família, fica na família", remata Ryan, no final do registo publicado pelo Washington Post.

O jornal não explica como obteve o registo da conversa, apenas diz que foi 'verificado'.

O Washington Post sublinha que a conversa se manteve secreta quase um ano.

Tópicos:

Kevin McCarthy, Kremlin, Paul Ryan, Vladimir Putin, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas ruas das cidades angolanas, as caravanas cruzam-se em ambiente descontraído. O cenário repete-se em M'banza Congo.

Os responsáveis pelo parque prometeram valorizá-lo e vão renovar a frota automóvel e envolver operadores privados nas visitas aos núcleos de gravuras rupestres.

O maior banco francês fez soar os alarmes na Europa ao suspender três fundos de investimento relacionados com créditos nos Estados Unidos.

Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.