Macron recebe primeiro-ministro italiano em Paris apesar das tensões

| Mundo

Emmanuel Macron e Giuseppe Conte estiveram reunidos na passada sexta-feira durante a cimeira do G7
|

O Presidente francês vai reunir-se com o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte no Eliseu esta sexta-feira. A confirmação surge na sequência de um telefonema conciliatório entre os dois dirigentes após uma azeda troca de palavras entre responsáveis franceses e italianos acerca do navio Aquarius.

O encontro marcado para sexta-feira entre Giuseppe Conte e Emmanuel Macron vai mesmo realizar-se, segundo confirmaram as autoridades dos dois países esta quinta-feira através do mesmo comunicado.

Antes, o executivo italiano tinha ameaçado que cancelaria a reunião na ausência de um pedido de desculpas por parte do chefe de Estado francês, tal como fora exigido pelas autoridades italianas.
 
Na quarta-feira, um porta-voz do Governo francês acusava o executivo italiano de “cinismo e irresponsabilidade face a uma situação humanitária dramática”, em referência ao navio “Aquarius", que transporta mais de 600 migrantes e que foi rejeitado por Roma no início da semana.  
 
A resposta chegou pela voz de Matteo Salvini, ministro italiano do Interior, que destacou a “história de solidariedade, generosidade e voluntariado” de Itália.  
 
“Espero que (os membros do Governo francês) venham pedir desculpas oficiais o mais depressa possível”, exigiu o responsável.  
 
O comunicado desta quinta-feira salienta que o Presidente francês esclareceu por telefone que não pretendia “ofender a Itália ou os italianos” com as declarações e recorda ainda “que sempre defendeu a necessidade de uma maior solidariedade europeia para com o povo italiano”.  
 
O comunicado das autoridades francesas e italianas refere que os líderes dos dois países acordaram a manutenção do encontro de amanhã também devido ao Conselho Europeu, que se realiza nos dias 28 e 29 de junho, e que deverá ser dominado pela temática da imigração.  
 
“A Itália e a França devem aprofundar a cooperação ao nível bilateral e europeu de forma a conduzir a uma política migratória eficaz com os países de origem e de trânsito, para uma melhor gestão europeia comum das fronteiras e de um mecanismo europeu de solidariedade para com os refugiados”, refere o texto divulgado esta quinta-feira pelas duas lideranças.

O encontro de sexta-feira decorrerá durante o almoço e será seguido de conferência de imprensa conjunta, refere ainda o texto.    Cumplicidade francesa?
A querela franco-italiana, como lhe chama a agência France-Presse, teve origem depois da crise com o navio Aquarius. No domingo, o governo italiano recusou-se a receber a embarcação, que transporta imigrantes ilegais resgatados de barcos de borracha no Mar Mediterrâneo por organizações não-governamentais.
 
A bordo seguem 629 migrantes, entre os quais mais de 123 menores desacompanhados, onze bebés e pelo menos sete mulheres grávidas.  
 
Depois da recusa por parte do recém-empossado Governo italiano, conotado com as forças da extrema-direita – Matteo Salvini, ministro do Interior, é o líder da Liga – também Malta rejeitou a atracagem do barco no seu porto, alegando que recebe muitos mais migrantes que Itália, tendo em conta a proporção dos dois países.  
 
Perante o impasse, o Governo espanhol ofereceu-se na segunda-feira para acolher o navio parado no meio do Mar Mediterrâneo. O Aquarius é agora aguardado no porto de Valência e a chegada está prevista para o próximo sábado durante a noite. Com ele seguem outros dois navios da Guarda Costeira e da Marinha italiana, para os quais foram deslocados alguns dos mais de 600 migrantes.  
 
Na quarta-feira, em resposta às declarações proferidas pelo porta-voz do Governo francês, o ministro Matteo Salvini acusou Paris de não cumprir com as quotas de acolhimento de migrantes definidas por Bruxelas.  
 
“Peço ao Presidente Macron que passe das palavras aos factos e que acolha, amanhã de manhã, os nove mil migrantes que França prometeu acolher”, apontou o ministro.  
 
Emmanuel Macron foi igualmente criticado pela classe política francesa por não ter mostrado a disponibilidade de França para acolher o barco errante. Para muitos, as autoridades francesas foram as grandes ausentes na resolução desta crise, e as reprovações saíram desde logo do partido La Republique En Marche!, fundado pelo Presidente francês, na voz de figuras como Fiona Lazaar, Sonia Krimi ou Anne-Christine Lang.
 
Também a representação dos Médicos Sem Fronteiras em França criticou a reação do Presidente francês, que se recusa a reconhecer como crimes contra a humanidade a “persecução dos migrantes na Líbia” e que se “absteve” no caso do Aquarius, arriscando “ser cúmplice” na ausência de assistência aos migrantes.  
 

Em resposta a estas críticas, o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, garantiu que França “está evidentemente pronta para ajudar as autoridades espanholas no acolhimento e análise das situações das pessoas” que possam beneficiar do estatuto de refugiado.  
 
Já o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, Jean-Baptiste Lemoyne, assegurou que  a França “não está inerte” e que está envolvida “na estabilização da situação” em território líbio.  

Nathalie Loiseau, ministra francesa dos Assuntos Europeus, disse esta quinta-feira em entrevista à rádio Europe 1, que Macron e Conte “tiveram uma conversa cordial por telefone” e que “ninguém dá lições a ninguém” na questão migratória, salientando ainda que, neste processo, também a Itália proferiu “declarações lamentáveis” sobre Paris.  

“A França foi o país que registou um número de recorde de requerentes de asilo, vindos da Grécia e da Itália. Estamos a fazer a nossa parte, estamos a trabalhar com a Itália. (…) Mas a Europa deve fazer mais e melhor para ajudar a Itália”, considerou a ministra.

Tópicos:

Aquarius, Emmanuel Macron, Giuseppe Conte, Itália, Paris, Roma, França,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.