Moçambicana Gita Welch é a nova directora do PNUD em Angola

| Mundo

A moçambicana Gita Honwana Welch chegou domingo a Luanda para assumir o cargo de directora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, anunciou hoje aquela agência da ONU na capital angolana.

Esta é a primeira vez que o PNUD em Angola passa a ser dirigido por um director específico para o país, na sequência de uma alteração no organograma desta agência das Nações Unidas.

A nova directora do PNUD em Angola dirigia desde Novembro de 2001 o Grupo de Governação Democrática no Bureau de Políticas de Desenvolvimento do PNUD, na sede deste organismo, em Nova Iorque.

Gita Welch é licenciada em Direito pela Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, possuindo ainda um mestrado em Direito pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque, Estados Unidos da América, e um doutoramento em Direito Internacional e Direitos Humanos pela Universidade de Oxford, em Inglaterra.

No seu país natal, exerceu entre 1978 e 1989 as funções de Delegada do Ministério Público, juíza no Tribunal Provincial de Maputo e directora do Departamento de Investigação e Legislação do Ministério da Justiça de Moçambique.

Gita Welch iniciou a sua carreira nas Nações Unidas há cerca de 11 anos, desempenhando as funções de representante para a África Austral do Fundo de Desenvolvimento da ONU para a Mulher.

Antes de entrar para o PNUD, em Novembro de 2001, integrou o Gabinete de Transição de Timor-Leste como ministra da Justiça, por parte da Administração de Transição da ONU (UNTAET).


A informação mais vista

+ Em Foco

Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.