Redes sociais acolhem debates e comentários sobre situação política em Timor-Leste

| Mundo

A incerteza sobre o futuro político de Timor-Leste e os cenários em jogo no caso da queda do Governo, depois do chumbo parlamentar do programa, estão a marcar os debates políticos do país.

Uma situação que se torna particularmente evidente nas redes sociais, especialmente no Facebook, que nos últimos meses têm sido um dos principais palcos de debate político, com muitos dirigentes partidários e políticos, instituições públicas e privadas e cidadãos a usarem perfis para defender as suas posições.

Essa tendência aumentou significativamente durante as campanhas para as eleições presidencial e parlamentar deste ano e tornou-se novamente "acesa" no fim de semana, depois de a oposição ter aprovado um primeiro chumbo do programa do Governo.

A dominar o debate nos últimos dias está a questão dos cenários que se colocam ao país no caso de a oposição voltar a chumbar o programa do Governo que, o executivo disse estar a rever para voltar a apresentar aos deputados.

No caso do segundo chumbo, o Governo cai e cabe ao Presidente timorense, Francisco Guterres Lu-Olo, decidir se convida outro partido a formar Governo, se avança para um Executivo de iniciativa presidencial ou se opta por eleições antecipadas.

A oposição tem vindo a insistir no primeiro cenário argumentando que as três forças que chumbaram o programa do Governo - Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Partido Libertação Popular (PLP) e Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) - se uniram numa Aliança de Maioria Parlamentar (AMP) capaz de garantir estabilidade governativa, que acusam o atual Governo minoritário de não ter.

Dirigentes do CNRT e do PLP têm vindo nos últimos dias a partilhar um excerto de um vídeo de uma declaração de Lu-Olo, na qual o chefe de Estado parece defender que a opção do convite a um novo partido para formar Governo teria precedente sobre a opção de eleições antecipadas.

Em resposta, dirigentes da Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente e do Partido Democrático (Fretilin e PD, partidos do Governo) usaram os seus perfis para partilhar o vídeo da entrevista na íntegra, afirmando que o comentário está a ser "tirado de contexto". Insistiram ainda na opção de eleições antecipadas e, muitos militantes, já estão em `campanha` nas redes sociais.

O assunto chegou mesmo à Igreja com o presidente da Conferência Episcopal Timorense, bispo Basílio do Nascimento, a declarar a jornalistas dos serviços de comunicação da diocese que "normalmente" quando um Governo cai "se vai para eleições antecipadas".

Tudo depende, porém, do que ocorrer com o segundo eventual chumbo.

Em comunicado, divulgado no fim de semana, o Governo explicou que está a preparar "um novo programa" que "será apresentado em simultâneo com o orçamento retificativo até ao final do ano".

O Governo garantiu que "tudo fará para dar ao povo um futuro mais digno, num Timor-Leste mais inclusivo, justo e próspero" e o primeiro-ministro, Mari Alkatiri, sublinhou que "tudo fará para elevar a nação a uma situação prometida pelos líderes históricos durante os árduos anos de luta".

O executivo destacou "a maturidade" mostrada pela população no momento atual e considerou que a moção de rejeição ao programa "representa mais um momento de crescimento desta jovem democracia, num país empenhado em respeitar os valores fundamentais, que o Governo serenamente aceita".

"A democracia não será dirigida por outros valores que não os mais elevados. Esta posição já valeu a Timor-Leste o reconhecimento internacionalmente e, no que depende do Governo, irá manter-se", de acordo com o comunicado.

Um dos aspetos menos positivos do recente debate, e que se chegou a evidenciar com críticas e gritos de alguns membros do público no final da discussão parlamentar do programa de Governo, têm sido as acusações contra alguns dirigentes de que teriam sido, no passado, a favor da autonomia de Timor-Leste sob soberania indonésia.

Nas últimas semanas têm-se repetido mensagens publicadas nas redes sociais que acusam alguns dos novos membros do Executivo de serem pró-autonomistas, acusação que foi depois dirigida a alguns deputados das bancadas da oposição por apoiantes dos partidos do Governo.

Apesar da tranquilidade, a tensão política não passou despercebida, em especial porque a televisão ainda estava em direto quando, no final do debate, alguns deputados das bancadas do Governo, e seus apoiantes no público, dirigiram insultos aos deputados da oposição.

Ainda que não se tenham registado incidentes físicos e as autoridades tenham garantido que a situação está tranquila no país, como reiterou na sexta-feira o comandante das forças de Defesa, Lere Anan Timur, foi evidente desde quinta-feira à noite uma menor movimentação em Díli.

As autoridades reportaram uma maior movimentação do que o normal para os distritos.

 

Tópicos:

Democrático Fretilin, Episcopal Timorense Basílio, Reconstrução Timorense CNRT Libertação Popular PLP, Revolucionária,

A informação mais vista

+ Em Foco

Apresentamos aqui o perfil dos cabeças de lista e cinco prioridades de ação por partido para o Parlamento Europeu.

    Debates, perfis, notícias da campanha. Toda a informação sobre as Eleições Europeias de 2019, que se realizam a 26 de maio.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.