Síria: Guterres quer evitar "situação fora de controlo"

| Mundo

António Guterres volta a apelar ao diálogo para a resolução da crise na Síria
|

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou esta quinta-feira que está "preocupado com o impasse" e exortou os cincos membros permanentes do Conselho de Segurança a "evitarem uma situação fora de controlo" na Síria.

"Contactei os embaixadores dos cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) para reafirmar a minha grande preocupação com o impasse atual e sublinhei a necessidade de se evitar uma situação fora de controlo", referiu António Guterres em comunicado, numa altura em que cresce a ameaça da ação ocidental na Síria.

O presidente norte-americano, Donald Trump, avisou na quarta-feira que mísseis serão lançados, numa ação em que deve contar com o apoio do Reino Unido e da França.

"A Rússia prometeu destruir todos e quaisquer mísseis disparados contra a Síria. Prepara-te Rússia, porque eles vão começar a chegar, bons, novos e inteligentes!", escreveu Trump na rede social Twitter, depois de o embaixador russo no Líbano, Alexander Zasipkin, ter dito que quaisquer mísseis lançados por Washington contra a Síria serão abatidos pelas forças de Moscovo e que as plataformas de lançamento passarão a ser um alvo.

A Síria nega qualquer utilização de armas químicas, assim como a Rússia, principal aliado do regime sírio, que afirmou que eventuais ataques ocidentais teriam "graves consequências".

Moscovo já advertiu contra qualquer ação na Síria que possa "desestabilizar a situação já frágil na região".

Organizações apoiadas pelos Estados Unidos denunciaram que pelo menos 42 pessoas, entre as quais várias crianças, morreram em Douma, o último bastião rebelde em Ghouta oriental, nos arredores de Damasco, com sintomas associados a um ataque com armas químicas. Theresa May convoca reunião de emergência do governo britânico
A primeira-ministra britânica, Theresa May, convocou os seus ministros para uma reunião de emergência na quinta-feira, para discutir a resposta do Reino Unido ao alegado uso de armas químicas na Síria, indicou o seu gabinete.

Um porta-voz de Theresa May indicou que a primeira-ministra decidiu convocar os seus ministros para "discutir a resposta aos eventos na Síria", onde alegadamente o regime do Presidente Bashar Al-Assad foi responsável por um ataque com armas químicas na cidade rebelde de Douma.

Tópicos:

Gha,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.