Síria: Guterres quer evitar "situação fora de controlo"

| Mundo

António Guterres volta a apelar ao diálogo para a resolução da crise na Síria
|

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou esta quinta-feira que está "preocupado com o impasse" e exortou os cincos membros permanentes do Conselho de Segurança a "evitarem uma situação fora de controlo" na Síria.

"Contactei os embaixadores dos cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) para reafirmar a minha grande preocupação com o impasse atual e sublinhei a necessidade de se evitar uma situação fora de controlo", referiu António Guterres em comunicado, numa altura em que cresce a ameaça da ação ocidental na Síria.

O presidente norte-americano, Donald Trump, avisou na quarta-feira que mísseis serão lançados, numa ação em que deve contar com o apoio do Reino Unido e da França.

"A Rússia prometeu destruir todos e quaisquer mísseis disparados contra a Síria. Prepara-te Rússia, porque eles vão começar a chegar, bons, novos e inteligentes!", escreveu Trump na rede social Twitter, depois de o embaixador russo no Líbano, Alexander Zasipkin, ter dito que quaisquer mísseis lançados por Washington contra a Síria serão abatidos pelas forças de Moscovo e que as plataformas de lançamento passarão a ser um alvo.

A Síria nega qualquer utilização de armas químicas, assim como a Rússia, principal aliado do regime sírio, que afirmou que eventuais ataques ocidentais teriam "graves consequências".

Moscovo já advertiu contra qualquer ação na Síria que possa "desestabilizar a situação já frágil na região".

Organizações apoiadas pelos Estados Unidos denunciaram que pelo menos 42 pessoas, entre as quais várias crianças, morreram em Douma, o último bastião rebelde em Ghouta oriental, nos arredores de Damasco, com sintomas associados a um ataque com armas químicas. Theresa May convoca reunião de emergência do governo britânico
A primeira-ministra britânica, Theresa May, convocou os seus ministros para uma reunião de emergência na quinta-feira, para discutir a resposta do Reino Unido ao alegado uso de armas químicas na Síria, indicou o seu gabinete.

Um porta-voz de Theresa May indicou que a primeira-ministra decidiu convocar os seus ministros para "discutir a resposta aos eventos na Síria", onde alegadamente o regime do Presidente Bashar Al-Assad foi responsável por um ataque com armas químicas na cidade rebelde de Douma.

Tópicos:

Gha,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.