Casa Branca. Nada está decidido quanto a possível ataque à Síria

| Mundo

O Presidente dos Estados Unidos pensa que os seus tweets não criaram qualquer problema, disse Sarah Sanders
|

Afinal, há várias opções contra a Síria em cima da mesa de Donald Trump, além de um ataque com mísseis, afirmou esta quarta-feira a Casa Branca. O Presidente está a avaliar a melhor resposta, indica a porta-voz Sarah Sanders.

Confirma-se o recuo da retórica, antecipado pela calma do secretário da Defesa Jim Mattis, ao fim da tarde.

Mattis referiu que o Pentágono estava ainda a analisar informações sobre o ataque em Douma, o que parecia indicar alguma relutância militar em colocar "a caminho" os misseis norte-americanos, como ameaçara Donald Trump num tweet logo de manhã.

Agora, de acordo com Sanders, o ataque mencionado pelo Presidente não é mais do que uma entre várias opções possíveis - e nem todas militares - para agir contra Damasco.

Sanders sublinha que Donald Trump continua a responsabilizar Damasco e Moscovo pelo ataque, até porque considera que a Rússia falhou na garantia de que a Síria iria livrar-se do seu arsenal químico.

O Presidente pensa ainda que os seus tweets não criaram qualquer problema, disse Sanders.

Através da rede social Twitter, Trump pediu à Rússia que "se prepare" porque os mísseis "estão a chegar, belos, novos e inteligentes". E criticava Moscovo por apoiar o "animal" Assad.

Foi uma resposta a um embaixador russo no Líbano, Alexander Zasipkin, que disse que quaisquer mísseis lançados pelos Estados Unidos contra a Síria seriam abatidos pelas forças russas.
Possibilidade de diálogo
Ao longo do dia, o Presidente começou a dar sinais de querer desanuviar a tensão. Apesar de referir, num segundo tweet, que as relações entre Washington e Moscovo estavam num ponto ainda pior do que na Guerra Fria, Trump deixava também aberta a porta ao diálogo entre ambos.

Finalmente, numa terceira publicação, Trump afirmou que a maior responsabilidade da tensão entre os Estados Unidos e a Rússia cabia à investigação interna à intervenção russa nas eleições presidenciais de 2016 e ao procurador especial que lidera a investigação.


Uma sequência que, para a correspondente da RTP em Washington, Márcia Rodrigues, indicia uma porta aberta ao diálogo.

Também Evgueni Mouravitch, correspondente da RTP em Moscovo, sublinhou que o silêncio a que o Presidente russo, Vladimir Putin, se remeteu durante esta crise, aponta uma espera por negociações com Trump.
Pretexto para ataque
Tanto a Síria como a Rússia negam quaisquer responsabilidades no ataque químico. Admitem, pelo contrário, que nem sequer existiu e que foi encenado pelos Capacetes Brancos, as equipas que auxiliam os habitantes do lado dos grupos armados que combatem Assad.

Moscovo e Teerão, o outro grande apoiante de Assad, acusam ainda os países ocidentais de estar a usar este alegado ataque como pretexto para uma ação militar contra a Síria.

Apesar das certezas apontadas pelos líderes dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França - duas potências europeias que se mostraram disponíveis para agir contra a Síria ao lado dos EUA - a ocorrência e responsabilidade do alegado ataque químico não foram ainda comprovadas por fontes independentes.

De acordo com fontes no terreno, todas ligadas à oposição a Bashar al-Assad, o ataque afetou mais de 500 pessoas e matou cerca de 100.
Reino Unido movimenta-se
A imprensa britânica referia esta noite que a primeira-ministra Theresa May interrompeu as férias de Páscoa dos seus ministros e convocou o seu gabinete para se reunir na quinta-feira à tarde, para os informar sobre os planos de intervenção contra a Síria.

O envio de aviões e de submarinos britânicos armados com mísseis, para a região, é uma das hipóteses admitidas. E May estará a preparar-se para agir sem sequer informar o seu Parlamento, apesar dos recados dados esta tarde pelo líder da oposição Trabalhista, Jeremy Corbyn.

O Daily Telegraph afirma mesmo que o ataque com mísseis contra a Síria poderá ocorrer já esta quinta-feira à noite, numa janela de 24 horas.

Tópicos:

Casa Branca, Douma, Rússia, Sarah Sanders, Síria, mísseis, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.