Trump: Coreia do Norte deve sofrer pelo seu mau comportamento

| Mundo

|

O Presidente dos Estados Unidos afirmou, na visita desta quinta-feira à Polónia, que o regime de Pyongyang deve sofrer "consequências" pelo seu "mau comportamento". A China apela à contenção entre as partes.

Depois de ter dito que a paciência se esgotou em relação à Coreia do Norte, Donald Trump vem agora afirmar que tem que haver consequências para as constantes violações da Coreia do Norte às resoluções das Nações Unidas.

 
"Peço a todas as nações para enfrentar esta ameaça global e que demonstrem publicamente à Coreia do Norte, que há consequências para o seu muito, muito mau comportamento", referiu Trump.

O Presidente norte-americano aterrou na quarta-feira à noite em Varsóvia para uma visita à Polónia, onde encontrou-se com o homólogo polaco, Andrzej Duda.

Donald Trump encontrou-se com o presidente polaco, Andrzej Duda. Foto: Carlos Barria - Reuters

A China pediu aos EUA, Coreia do Sul e Japão para que haja contenção nas palavras e nos atos.

"Apelamos a todas as partes que tenham contenção e evitem discursos ou ações que possam agravar a tensão", afirmou o porta-voz do Ministério do Exterior chinês, Geng Shuang.

Na sua segunda visita oficial à Europa que começou na Polónia, Trump vai viajar esta tarde para Hamburgo, na Alemanha, onde vai participar na Cimeira do G20.

O presidente dos EUA chegou à Polónia acompanhado pela primeira dama, Melania Trump. Foto: Carlos Barria - Reuters 

Está previsto, à margem da cimeira, que o Presidente dos Estados Unidos tenha um encontro com Vladimir Putin.

Na conferência de imprensa na capital polaca, Trump pediu à Rússia que pare a “destabilização” na Ucrânia e que deixe de apoiar “regimes hostis”, como a Síria e o Irão.

Tópicos:

China, Cimeira, Polónia, Trump, Vladimir, Coreia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.