Venezuela. Guaidó pede a líderes internacionais para equacionarem todas as opções

por Raquel Ramalho Lopes - RTP
Foram registados novamente incidentes este domingo nas pontes que ligam a Venezuela à Colômbia Marco Bello - Reuters

Juan Guaidó pediu aos líderes políticos internacionais para manterem “todas as opções em aberto” e encontrou apoio no secretário de Estado norte-americano. No entanto, a Espanha rejeita apoiar uma intervenção militar estrangeira na Venezuela. Juan Guaidó e Mike Pence participam numa reunião do Grupo de Lima, esta segunda-feira, em Bogotá. António Guterres pede que não se faça uso da força sob qualquer circunstância.

O líder da oposição e auto-proclamado presidente interino da Venezuela apelou “à comunidade internacional” que “mantenha abertas todas as opções”, na sequência do incêndio de camiões que transportavam ajuda humanitária. O apelo de Juan Guaidó foi lançado, esta madrugada, a partir da localidade colombiana de Cúcuta, junto à fronteira com a Venezuela.

Entretanto, os veículos que não foram queimados regressaram ao centro de armazenamento na Colômbia, de onde Juan Guaidó chegou a participar numa partida simbólica.

Juan Guaidó conta com um aliado de peso para estimular a pressão internacional. Através do Twitter, Mike Pompeo, o chefe da diplomacia norte-americana, não poupa críticas ao Presidente em exercício, Nicolás Maduro: "Denunciamos a recusa de Maduro para deixar entrar a ajuda humanitária para a Venezuela. Que tirano doentio impede que comida chegue ao povo esfomeado? As imagens dos camiões cheios de ajuda a arder são mórbidas”.

Citado pela agência Efe, Mike Pompeo afirmou que os dias de Nicolás Maduro "estão contados” e que Washington “vai tomar medidas" para apoiar a democracia na Venezuela. Pompeo classificou de “trágico” o dia de sábado, por causa da violência que rodeou a entrada dos camiões com ajuda humanitária.
Os confrontos entre forças de segurança venezuelanas, incluindo os “coletivos”, e os apoiantes do presidente interino provocaram quatro vítimas mortais, de acordo com a organização não governamental Foro Penal”. Outras fontes confirmam duas mortes.

Foram disparados tiros e gás lacrimogéneo. As autoridades colombianas referem ainda 285 feridos e mais de 100 militares desertores.

"Todas as opções estão sobre a mesa. Vamos fazer o que for necessário para garantir que a democracia prevalece e que há um futuro melhor para o povo venezuelano", referiu o secretário de Estado durante uma entrevista à cadeia de televisão Fox, em que foi questionado sobre a possibilidade de haver uma intervenção militar.

Mike Pompeo afirmou que Washington "vai tomar medidas", mas não deu mais detalhes.

Guaidó e Pompeo vão participar no encontro de emergência do Grupo de Lima, marcada para esta segunda-feira.

A reunião vai decorrer em Bogotá, na Colômbia, país que tem sido uma das vozes mais duras contra o regime venezuelano. O presidente colombiano considera que os venezuelanos conseguiram a derrota moral e diplomática de Nicolás Maduro.

“A comunidade internacional tem a obrigação de apertar o cerco diplomático, porque uma ditadura que é capaz de queimar medicamentos e alimentos é a maior demonstração da brutalidade que está disposta a cometer para preservar o poder", declarou Iván Duque.

O encontro visa “discutir possíveis ações diplomáticas”, que constituam formas de pressão adicional sobre Nicolás Maduro. O grupo é composto por 14 países, representativos de 90 por cento da população latino-americana, e maioritariamente hostis ao atual Presidente da Venezuela.

O enviado da RTP à Venezuela, Hélder Silva, admite os jovens venezuelanos retidos na Colômbia "se revoltem contra o Governo de Nicolás Maduro".
Espanha contra intervenção militar na Venezuela
No entanto, o ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros avisou que Espanha não apoiará uma intervenção militar estrangeira na Venezuela.

"Nem todas as soluções estão sobre a mesa. Temos dito claramente que não apoiaremos e condenaremos firmemente qualquer intervenção militar estrangeira, que esperamos que não venha a acontecer", referiu Josep Borrel, à entrada para a cimeira entre a União Europeia e a Liga Árabe.

A solução para a Venezuela tem de resultar de uma solução democrática, que envolva o povo venezuelano, e a realização de eleições presidenciais. É neste sentido que "Espanha tem procurado encontrar uma posição comum" junto dos parceiros europeus, sublinhou Borrel.
Guterres pede que não se faça uso da força
O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) está “chocado e entristecido” com as mortes registadas, ontem, na Venezuela e apelou a que não se use "força letal em nenhuma circunstância".

Numa nota publicada no 'site' das Nações Unidas, o porta-voz de António Guterres garante que o secretário-geral da ONU "está a acompanhar com preocupação crescente a escalada de tensão na Venezuela".

"Ficou chocado e entristecido por saber que alguns civis perderam a vida no contexto dos acontecimentos de ontem (sábado). O secretário-geral apela a que a violência se evite a qualquer custo e a que a força letal não seja usada em nenhuma circunstância", lê-se ainda na nota.

O líder das Nações Unidas "apela à calma e insta todos os envolvidos a reduzir a tensão e desenvolver todos os esforços para evitar mais escaladas".

De acordo com ONU, a crise económica e social que afeta a Venezuela levou cerca de 3,4 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015. A população da Venezuela em 2016 era de aproximadamente 31,7 milhões de habitantes, incluindo cerca de 300 mil portugueses ou lusodescendentes.
UE pronta para aumentar ajuda humanitária
A União Europeia condenou a violência o recurso aos “coletivos” para impedir a entrada de ajuda humanitária na Venezuela. Bruxelas também está disponível para reforçar a ajuda humanitária na Venezuela.

“A recusa do regime em reconhecer a urgência humanitária conduz a uma escalada da tensão”, lamentou a responsável pela diplomacia europeia, a italiana Federica Mogherini. “Rejeitamos a utilização de grupos armados irregulares para intimidar os civis e os deputados que se mobilizaram para distribuir ajuda”, acrescentou, para depois pedir às forças de segurança para “evitar o recurso á força e permitir a entrada de ajuda”.

Pelo menos 300 mil venezuelanos estão provados de medicamentos e alimentos, refere o presidente interino.
Mogherini anunciou que a União Europeia está pronta para reforçar a verba destinada à Venezuela, que se situa atualmente em cerca de 60 milhões de euros, destinada a ajuda humanitária e ajuda ao desenvolvimento.

Notando que a crise na Venezuela tem origem política e institucional, Federica Mogherini conclui que a solução só poderá ser, também ela, política. “Reiteramos a nossa firme rejeição e a nossa condenação da violência e toda a iniciativa suscetível de desestabilizar ainda mais a região”, sublinhou.
Tópicos