Última Hora
Euro2024. Portugal sofre mais vence Chéquia por 2-1

Von der Leyen rejeita "amigos de Putin" e "trabalha bem" com conservadora Meloni

por Lusa

A cabeça de lista de centro-direita a presidente da Comissão Europeia rejeitou hoje acordos com "amigos de Putin", sem nunca mencionar a extrema-direita ou os conservadores, e disse "trabalhar bem" com a primeira-ministra italiana, a conservadora Giorgia Meloni.

"Penso que é muito importante estabelecer princípios muito claros com quem queremos trabalhar no que toca a deputados do Parlamento Europeu [...], que devem preencher três critérios: ser pró-Europa, pró-Ucrânia - ou seja, anti [Vladimir] Putin (Presidente russo) - e pró-Estado de direito", disse Ursula von der Leyen.

Intervindo num debate promovido pelo Parlamento Europeu em Bruxelas, a candidata principal do Partido Popular Europeu ao executivo comunitário e atual líder da instituição indicou que partidos como a União Nacional (Rassemblement National) e a Alternativa para a Alemanha (AfD) "podem ter diferentes princípios, mas têm uma coisa em comum".

"São amigos de Putin, querem destruir a nossa Europa e nós não vamos permitir que isso aconteça", sublinhou Ursula von der Leyen.

Os candidatos principais (`spitzenkandidaten`) à presidência da Comissão Europeia participaram hoje em Bruxelas num debate marcado pela ausência dos representantes da extrema-direita, no terceiro e último frente-a-frente antes das eleições europeias, marcadas entre 06 e 09 de junho e nas quais votam quase 400 milhões de cidadãos dos 27 Estados-membros da União Europeia.

Ursula von der Leyen respondia a uma questão feita pelo candidato socialista Nicolas Schmit, também comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, que instou a líder do executivo comunitário "a ser clara".

"Duvido que a visão da UE da senhora [Giorgia] Meloni seja a mesma da senhora Von der Leyen", indicou Nicolas Schmit, numa alusão às controversas políticas da conservadora chefe de governo italiana, cujo partido pertence ao Reformistas e Conservadores Europeus (ECR).

Sem nunca mencionar diretamente o ECR ou a bancada de extrema-direita Identidade e Democracia (ID), Ursula von der Leyen respondeu querer trabalhar com "os que estão comprometidos com a Europa", indicando não falar de "grupos, mas sim de eurodeputados".

Quanto a Giorgia Meloni, a presidente da Comissão Europeia e candidata a um segundo mandato na instituição vincou "trabalhar muito bem" com a primeira-ministra italiana no âmbito do Conselho Europeu, qualificando-a como "pró-europeia".

Ainda assim, apontou ter "abordagens completamente diferentes" em matérias como os direitos das pessoas LGBTQI.

"O Parlamento Europeu é muito diferente dos parlamentos nacionais. Não se trata de abolir a animosidade, mas [...] trata-se de cedências com aqueles que querem fazer avançar a Europa", referiu Ursula von der Leyen.

Organizado pelo Parlamento Europeu e pela União Europeia de Radiodifusão, o debate de hoje contou com a presença dos candidatos principais dos maiores partidos representados na assembleia europeia.

A figura dos candidatos principais - no termo alemão `spitzenkandidat` - surgiu nas eleições europeias de 2014, com os maiores partidos europeus a apresentarem as suas escolhas para futuro presidente da Comissão, apesar de o modelo não ter sido seguido em 2019.

Este é o procedimento através do qual os partidos políticos europeus nomeiam cabeças de lista para o cargo de presidente da Comissão Europeia, sendo este papel atribuído ao candidato capaz de reunir maior apoio parlamentar após o sufrágio.

Tópicos
pub