Xanana Gusmão lembra papel de Madeleine Albright na autodeterminação timorense

por Lusa
Xanana Gusmão enaltece o papel de Madeleine Albright em Timor-Leste democrático D.R.

O líder histórico timorense Xanana Gusmão lembrou esta quinta-feira o papel da antiga secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright, com quem se encontrou, em 1999, em Jacarta, no apoio à autodeterminação timorense.

"É importante que o seu papel no apoio à autodeterminação do povo timorense e o fim da violência no nosso país sejam recordados. Com o povo timorense a continuar a sofrer sob uma ocupação devastadora, em 1999, Madeleine Albright viajou para Jacarta para se encontrar com o presidente indonésio e exigir uma transição pacífica para o nosso país", disse Xanana Gusmão, numa carta enviada à filha da diplomata, Alice Albright.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, e na qual lamentou a morte de Albright, Xanana Gusmão lembrou que a diplomata insistiu em visitá-lo quando ainda estava preso, numa casa-prisão em Salemba.

"Naquela que foi uma declaração muito importante, tanto para a Indonésia como para o mundo, ela também insistiu em visitar-me em Jacarta, onde eu estava preso desde 1992. Como líder da luta de resistência timorense, o seu encontro comigo deu um grande impulso e credibilidade à nossa causa e enviou uma mensagem clara aos dirigentes e militares indonésios de que a América apoiava a paz em Timor-Leste", salientou.

O atual responsável do conselho para a delimitação das fronteiras marítimas e líder do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) manifestou "grande tristeza" pela morte de "uma defensora destemida da paz e dos direitos humanos e uma defensora crítica da liberdade para o povo timorense".

"Madeleine Albright foi uma notável estadista global que teve a coragem de enfrentar a opressão e a tirania em todo o mundo. Teve uma carreira notável que, claro, incluía tornar-se a primeira secretária de Estado americana. Era uma bússola moral para os Estados Unidos e era uma defensora tão vigorosa do seu país para apoiar os oprimidos e assumir a luta pela liberdade", frisou.

O líder timorense recordou ainda um encontro com Albright em 2004, quando esta liderava a organização não governamental National Democratic Institute (NDI), que atribuiu o prémio Harriman Democracy a Xanana Gusmão, no que considerou ser um importante apoio a Timor-Leste, então independente há apenas dois anos.

"Ainda que a morte de Madeleine Albright seja uma grande perda para o mundo, sei que é um momento difícil para si, para as suas irmãs e família. Manifesto a minha solidariedade e condolências à sua família e ao povo americano, recordando a sua vida extraordinária e o seu contributo para a paz e liberdade mundiais", escreveu.

Madeleine Albright, a primeira mulher secretária de Estado norte-americana, morreu na quarta-feira vítima de cancro, aos 85 anos, disse fonte da família.

 

Tópicos
pub